Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo| Foto: Gazeta do Povo

Um grupo de cozinheiros lançou em novembro o Good Truck, um projeto social que transformará ingredientes excedentes de feiras, supermercados e restaurantes em refeições para pessoas em situação de rua. A primeira ação será no Natal, distribuindo ceia no centro de Curitiba. A ideia é diminuir dois problemas sociais: o descarte de alimentos bons para consumo e alimentar uma população carente com alimentos dignos e saborosos.

Variedade de frutas, legumes e hortaliças varia conforme a estação do ano. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo
Variedade de frutas, legumes e hortaliças varia conforme a estação do ano. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo| Letícia Akemi

A idealizadora, a arquiteta Gabrielle Mahamud, é autora do blog Flor de Sal, cozinheira amadora e vegetariana há três anos. “O Good Truck servirá refeições vegetarianas. Não tem como servir para as pessoas algo em que não acredito”, explicou. Junto com ela, atuam no projeto o designer de produtos Maurício Noronha, o cozinheiro Diogo Utrabo, a assessora gastronômica Gabriela Coutinho e a gerente comercial Priscila Kondo.

Gabrielle Mahamud agora é colunista do Bom Gourmet

Blogueira Gabi Mahamud conta como projetos sociais transformam o consumo de alimentos

Em busca de novos desafios, Manu se adapta a vida de mãe. Foto: Fred Kendi/Gazeta do Povo
Em busca de novos desafios, Manu se adapta a vida de mãe. Foto: Fred Kendi/Gazeta do Povo

A premiada chef Manu Buffara é madrinha do projeto. “Oferecemos a cozinha do restaurante Manu às segundas caso precisem fazer preparos em grande escala. Vou oferecer todo o suporte que precisarem, acompanhar a montagem do cardápio. O mais bacana é que podemos oferecer uma refeição mais saudável e feita da melhor forma possível, com técnica e conhecimento”, avalia a chef. Com o mapeamento dos locais com excedentes, o Good Truck coletará os ingredientes e os prepara para servir no mesmo dia ou em data posterior. Todos os food trucks são bem-vindos para colaborar com o processo em dias que estiverem ociosos, para ampliar o alcance do projeto.

>>> Receitas para aproveitar as sobras da ceia de Natal

>>> Francês é o novo chef do Vin Bistro

>>> Técnica e delicadeza: conheça a açougueira Maria Fernanda

Para realizar a ceia de Natal na rua, o Good Truck procura parceiros, patrocinadores e voluntários: o projeto ainda não tem um truck para ser parceiro na primeira ação. A meta é ter um truck próprio em 2017 ou uma série de trucks parceiros para usarem nos dias em que os automóveis não estão operando e sair às ruas para distribuir refeições pelo menos uma vez por semana. Quem quiser se voluntariar para ajudar no pré-preparo, para doar ingredientes, ceder uma cozinha fixa ou firmar uma parceria pode entrar em contato pelo e-mail goodtruckbrasilsocial@gmail.com. Na rede social do Good Truck, os chefs Lênin Palhano, do Nomade, e Beto Madalosso, da Forneria Copacabana, expressaram apoio ao projeto.

A origem do Good Truck

A ideia nasceu há dois anos, como um desdobramento da participação de Gabrielle e Maurício na ONG Teto, que constrói casas em mutirão em áreas carentes. A princípio, queriam viabilizar a possibilidade de distribuir o excedente de buffets aos participantes da ONG e aos moradores, que durante a montagem das casas não se alimentavam corretamente. Pela proibição da Vigilância Sanitária, viram que seria impossível redistribuirem alimentos já manipulados.

Gabrielle Mahamud, idealizadora do Good Truck, teve a ideia há dois anos, quando atuava como voluntária da ONG Teto. Foto: Divulgação
Gabrielle Mahamud, idealizadora do Good Truck, teve a ideia há dois anos, quando atuava como voluntária da ONG Teto. Foto: Divulgação

A ideia do projeto voltou à baila quando o chef italiano Massimo Bottura abriu o Reffetorio Gastromotiva em parceria com a ONG do paranaense David Hertz, em junho, no Rio de Janeiro. “Pensei: a sacada é essa, coletar o que não foi preparado. Quando vi o Reffetorio, e depois o projeto de resgate da raça de porcos Moura do Claudio Oliver, que pega o descarte de um supermercado pequeno, vi que há muito ingrediente sendo descartado. Comida não vai faltar”, garante Gabrielle.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]