Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Divulgação.
Foto: Divulgação.| Foto: Gilles ARROYO

O Mesa SP, um dos maiores eventos de gastronomia do Brasil, começou nesta sexta-feira (9) no Memorial da América Latina, em São Paulo, e vai até domingo (11). Dezenas de chefs nacionais e internacionais, entre eles o lendário argentino Francis Mallmann e a premiada chef peruana Piá Leon, recém eleita melhor chef mulher da América Latina no 50 Best Restaurants, deram sabor especial na abertura do congresso Mesa e Tendências.

Dentro do evento acontece o Mesa ao Vivo com uma programação de aulas e degustações abertas ao público. O tema churrasco é destaque desta edição.

Foto: Paula Azzar Mariosa
Foto: Paula Azzar Mariosa

Use a nossa calculadora para saber a quantidade certa de carne para o churrasco

Já no Brasa na Mesa, uma novidade deste ano, vai ensinar a fazer um churrasco a céu aberto bem a moda de Francis Malmann, o chef da argentina que tem oito restaurantes na América Latina e que abriu o evento dizendo que São Paulo é a capital da América Latina na cozinha. Mallmann falou na palestra sobre a sua infância na Patagônia onde teve o primeiro impacto com a profissão que seguiria anos depois. O chef contou que o que mais emociona em uma cozinha é o silêncio. Ele também destacou que os opostos fazem parte tanto da cozinha como na vida. “Não acredito na harmonia, algumas coisas sim, como o vinho e a carne, mas se tomamos a sopa, tem que ter o crocante”. Mallmann deu uma entrevista exclusiva para o Gazeta do Povo.

Francis Mallmann, atualmente quantos restaurantes você tem pelo mundo e quais investimentos que vem fazendo na América Latina?

Eu tenho 8 restaurantes na América Latina. Argentina, Chile e Uruguai. Um em Miami e outro na França.

Poesia e fogo são a base da alimentação que você aposta. Quais alimentos são essenciais para um bom churrasco argentino?

Carne de boa qualidade, mar, saúde e bons temperos.

Como enxerga os restaurantes brasileiros? E qual a diferença entre o churrasco argentino e o brasileiro?

Eu sou um grande admirador da culinária de São Paulo. Eu sempre senti como a capital gastronômica da América do Sul. Certamente cosmopolita e de alta qualidade. Além disso, os restaurantes transmitem a idiossincrasia da vida de São Paulo. Que está sempre cercado de alegria e de todas as possibilidades.

Um dos prazeres da carne é se reunir em volta ao fogo. Um ato primitivo, mas que vem sendo quebrado pela tribo do crudivorismo , uma tendência a consumir alimentos crus pelo mundo, moda que nasceu na Califórnia há mais de quinze anos. Como você vê esse caminho?

É como tudo. O bom o mau, e o muito mau. O cru depende muito do produto e da técnica. Sem isso não há nada.

Você sempre diz que cozinhar é um romance. Uma arte que reúne povos e a família. Em tantos anos em volta dessa combinação de cores e sabores quais os segredos que pode desvendar e que hoje fazem parte do seu repertório?

Os segredos são a paciência, a simplicidade de sabores, respeito e o silêncio do cozinheiro.

Quais os temperos franceses que fizeram parte da sua escola, mas que não fazem parte dos seus menus?

França é o meu pai e minha mãe na cozinha.

Que lado do mundo que acha mais exótico na cozinha?

O exótico é dado pelo desconhecimento de culturas que não abordamos e nos surpreendem. Para eles é normal.

Para você, qual é a relação da morte com o alimento?

Matamos animais demais. Em 30 anos não se come mais carne…

Quais os maiores erros na hora de fazer churrasco?

A pressa e o calor excessivo.

Qual o tempero e ponto ideal?

O ponto ideal é o que te deixa feliz e o tempero é o sal.

A melhor e a pior carne para um churrasco. Dá para usar carne de segunda?

Sim, umas excelente, outras piores. Mas a única coisa que vale a mesa é compartilhar e conversar, só isso. A pior carne pode ser compensada pela melhor conversa.

Churrasco do que você não comeria?

De coração

O tempo e a comida. Fala dessa relação…

O tempo comanda a cozinha. Não há nenhuma maneira de ir contra ele. Há um relógio que não perdoa por pouco, ou por muito…

Francis Mallmann, uma cozinha que emociona…

A cozinha que mais me emociona é a que compartilho com minha família e meus amigos. Ou com pessoas novas, inteligentes e irreverentes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]