i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mais saudável

Como usar a farinha de uva para incrementar massas salgadas e doces

Obtida a partir do bagaço do fruto, o ingrediente é um suplemento alimentar sem glúten e pode substituir parte do trigo nas receitas

  • PorGuilherme Grandi
  • 09/11/2018 13:34
É possível usar a farinha de uva em diversos preparos, entre eles a massa da torta cheesecake. Foto: Guilherme Grandi/Gazeta do Povo
É possível usar a farinha de uva em diversos preparos, entre eles a massa da torta cheesecake. Foto: Guilherme Grandi/Gazeta do Povo| Foto:

Com benefícios semelhantes aos do vinho e do suco, a farinha de uva está aos poucos ganhando a preferência de chefs e cozinheiros por conta dos benefícios já bem conhecidos. E não é para menos. Ela diminui o uso da farinha de trigo em qualquer preparo e ainda é rica em antioxidantes, fibras solúveis, baixo índice glicêmico e livre de glúten.

Como substituir o açúcar refinado com o doce natural da fruta

É possível usar a farinha de uva em diversos preparos, entre eles a massa da torta cheesecake. Foto: Guilherme Grandi/Gazeta do Povo.
É possível usar a farinha de uva em diversos preparos, entre eles a massa da torta cheesecake. Foto: Guilherme Grandi/Gazeta do Povo.

Feita a partir da moagem da casca e das sementes após produção de vinhos, a farinha de uva possui uma versatilidade que vai desde um simples suplemento alimentar na vitamina até o complemento das massas de pizza, bolos, cheesecakes e mesmo o tradicional pão de queijo (que ganha uma cor levemente rósea). Ela ainda não substitui totalmente as outras farinhas, mas isso não deve demorar muito a acontecer.

De acordo com o chef Marcelo Apene, professor do curso de Gastronomia da Universidade Positivo, em Curitiba, as pesquisas estão avançando tão rápido que em breve ela deverá ganhar a concentração necessária para ser a protagonista de diversos preparos.

“Foi assim com a farinha de arroz, por exemplo, que os pesquisadores conseguiram processar até poder substituir totalmente a de trigo”, conta. Isso só não ocorre ainda, segundo ele, por causa da concentração e da acidez da farinha de uva, que são muito altas.

>> Leia também: Farinha de uva, feita de casca e semente, é rica em antioxidantes e fibras

Até o momento, ela só pode ser utilizada em uma proporção máxima de 30% nos preparos, e ainda assim com muito cuidado. Dependendo da quantidade, o resultado pode não ser dos melhores.

“Eu já consegui fazer uma barrinha de cereal apenas com essa farinha. Mas também já fiz um pão que ficou tão pesado que era impossível de comer. Esse é só o começo, uma nova forma de utilizar algo que era descartado depois da produção de vinho”, explica.

Do vinho ao forno

Marcelo explica que produzir a farinha dos restos da uva ajuda a manter o fruto dentro da cadeia alimentar, e não mais apenas virar adubo de parreirais. “Agora ele é seco e moído para virar farinha e voltar à cadeia alimentar”, analisa.

Algumas regiões do Brasil já fazem a farinha de uva de modo artesanal, como no Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul. Mas, o chef explica que é algo mais para a subsistência. O que ele fez foi estudar o quanto se poderia processar para manter os nutrientes e benefícios do fruto, como o resveratrol e as fibras.

>> Leia também: Mel, uva e erva-mate do Paraná ganham Indicação Geográfica

O professor Marcelo Apene foi um dos primeiros do Paraná a pesquisar o uso da farinha de uva na gastronomia. Foto: Guilherme Grandi/Gazeta do Povo.
O professor Marcelo Apene foi um dos primeiros do Paraná a pesquisar o uso da farinha de uva na gastronomia. Foto: Guilherme Grandi/Gazeta do Povo.

Em meados de 2005, a Universidade Federal do Paraná e a Vinícola Franco Italiano começaram a pesquisar os benefícios do alimento, mas foi só e 2015 que a farinha passou a ser efetivamente testada na culinária.

“A indústria da beleza já a utiliza há muito tempo para a produção de cosméticos. Mas, a gastronomia vem só nos últimos anos descobrindo como ela pode ser um complemento. Já há alguns chefs de São Paulo e Rio de Janeiro que a utilizam, mas o desafio é conseguir fazer uma grande produção e tornar o valor um pouco mais atraente“, completa o chef e professor.

O quilo da farinha de uva custa, em média, R$ 20 e só está disponível em lojas especializadas.

>> Leia também: Na Padó tem até pão de vinho em alguns dias da semana

Na prática

Durante a aula-show que apresentou nesta quinta (8) na feira ExpoSaudável, o professor Marcelo Apene preparou uma cheesecake de uva com a massa preparada com a farinha do fruto. Você pode fazer em casa também, veja a receita:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.