i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlópolis

Goiaba paranaense “de carteirinha” ganha Espanha e Suíça valendo mais

Produzidas no Norte do Paraná, as goiabas de Carlópolis têm duas certificações que garantem mais qualidade -- e melhor preço para os produtores

  • PorGuilherme Grandi
  • 12/11/2019 05:00
Goiabas de Carlópolis. Foto: Jaelson Lucas/AEN divulgação.
Goiabas de Carlópolis. Foto: Jaelson Lucas/AEN divulgação.| Foto: Jaelson Lucas

As goiabas cultivadas na cidade de Carlópolis, na região Norte do Paraná, começaram a ser exportadas para a Europa após conquistar os selos de Indicação Geográfica (IG) e de boas práticas agrícolas (GlobalG.A.P.).  A primeira leva das frutas, com cerca de 900 quilos, chegou à Espanha e à Suíça em meados de outubro e caiu no gosto dos europeus, tanto que já há novos pedidos para o início de 2020.

A goiaba de Carlópolis é um dos 14 alimentos do Paraná já certificados ou em busca de uma indicação geográfica. certificação que reconhece a tradição ou fatores históricos e culturais de uma determinada região.

A expectativa dos produtores é mandar 600 quilos de goiabas por semana para a Europa a partir de fevereiro do ano que vem. Foto: Jaelson Lucas/AEN divulgação.
A expectativa dos produtores é mandar 600 quilos de goiabas por semana para a Europa a partir de fevereiro do ano que vem. Foto: Jaelson Lucas/AEN divulgação.| Jaelson Lucas

O que é essa certificação

A GlobalG.A.P é uma certificação exigida pela União Europeia que estabelece uma série de regras de governança e boas práticas no cultivo dos frutos, como a segurança do alimento, a proteção do meio ambiente e bem-estar dos trabalhadores, a redução do uso de defensivos agrícolas e a rastreabilidade desde a origem. O selo foi criado em 1997 e conquistado pelos agricultores de Carlópolis em fevereiro deste ano.

Como conseguir

O processo é feito por empresas autorizadas pela União Europeia após um monitoramento de técnicos da Emater, que visitam as propriedades e orientam os produtores no cumprimento de uma série de quesitos de plantio e manejo. Depois disso, um auditor escolhe aleatoriamente duas propriedades para uma vistoria aprofundada para emitir o selo que autoriza a exportação para a Europa.

Boas práticas

A conquista da certificação europeia veio três anos depois dos produtores conseguirem o selo de Indicação Geográfica (IG) do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O trabalho de adequação das lavouras às regras exigidas pela União Europeia foi feito com todos os 80 membros da associação local e da cooperativa, mas apenas nove puderam se adequar à legislação.

“Como as exigências eram muito rígidas, a maioria deles esbarrou em questões técnicas e financeiras e não conseguiram avançar neste momento. Mas, a meta é que todos se capacitem para atender à demanda do mercado europeu”, esclarece Maurício Castro Alves, gerente regional da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) de Santo Antônio da Platina, que auxiliou os produtores na adoção das novas práticas de cultivo.

Goiaba ensacada

A plantação de goiabas em Carlópolis já soma 850 hectares. Foto: Jaelson Lucas/AEN divulgação.
A plantação de goiabas em Carlópolis já soma 850 hectares. Foto: Jaelson Lucas/AEN divulgação.| Jaelson Lucas

Um dos motivos que tornam a goiaba de Carlópolis diferente das outras é o método de produção, com cada fruto envolto eu uma embalagem plástica ao atingir em torno de 2 centímetros de diâmetro até a colheita, realizada 60 dias depois. Isso as protege do ataque de fungos e insetos, e diminui quase a zero o uso de defensivos agrícolas.

“É só no começo da floração e do amadurecimento da goiaba que a gente usa os inseticidas, para proteger o fruto das pragas. Depois a gente ensaca cada um deles e não usa mais nada, é quase como uma produção orgânica”, conta Noriak Akanatsu. Com isso, a goiaba é colhida sem praticamente nada de pesticida.

Embora o cultivo seja um pouco mais trabalhoso, os agricultores conseguem vender a goiaba com uma margem considerável de lucro. O custo atual de plantio e beneficiamento é de R$ 1,70 o quilo, enquanto a venda da fruta varia de R$ 2 a R$ 3 o quilo.

Há demanda para mais

De acordo com o presidente da Cooperativa Agroindustrial de Carlópolis, Noriak Akanatsu, a demanda por novos pedidos é grande, mas uma geada ocorrida em julho deste ano afetou a produção e o fornecimento.

“Estes 900 quilos que mandamos agora para a Espanha e a Suíça são de pomares que conseguimos salvar. Eles gostaram e fizeram novos pedidos, mas só vamos poder atender a partir da próxima safra, em fevereiro do ano que vem”, explica citando a Inglaterra e Portugal como novos mercados interessados na goiaba de Carlópolis.

A área plantada na região vem aumentando ano a ano e já soma 850 hectares. São mais de 34 mil toneladas de goiabas colhidas a cada safra. A expectativa dos produtores é exportar cerca de 30% da produção, ficando com o restante para atender aos consumidores do Sul, Sudeste e Nordeste do país.

A goiaba começou a ser plantada em Carlópolis em 1973 com a chegada de imigrantes japoneses, que viram no clima ameno e nas condições do solo as características ideias para o plantio do fruto. Com isso, a cultura se desenvolveu com algumas particularidades, como um tamanho maior e um sabor mais intenso, além de um visual atraente e maior prazo de validade.

Leia também

“A gente precisa ser bairrista, valorizar o que é nosso”, diz consultora de gastronomia

Conheça os 14 produtos paranaenses certificados ou em busca de indicação geográfica

Mercado de gastronomia se une para ajudar restaurante que pegou fogo em Curitiba

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.