Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Vinho NFT
Garrafas “magnun” da coleção MCMLXVI, cada uma delas vendida por NFT.| Foto: divulgação

Um pedacinho de um produto apenas seu. O novo formato de vendas e consumo de itens digitais colecionáveis, o NFT (ou token não fungível), saiu do mundo da internet e chegou ao dos vinhos.

É o que a vinícola californiana Robert Mondavi está fazendo ao lançar o primeiro rótulo de vinho vendido por NFT no mundo, com exatas 1.966 garrafas colecionáveis e rastreáveis por blockchain.

A edição limitada Robert Mondavi Winery x Bernardaud NFT tem os vasilhames customizados pelo artista norte-americano Clay Heaton, criados a partir de algoritmos e desenhos digitais personalizados que serão desenvolvidos para os compradores do rótulo.

Cada NFT do vinho é vendido por US$ 3,5 mil (R$ 16,1 mil) e tem uma chave para desbloquear o resgate de uma garrafa de verdade do tipo Magnum, de 1,5 litro. Robert Hanson, presidente da Wine & Spirits, que faz parte do grupo Robert Mondavi, explica que já estava com a iniciativa no radar, de olho no mercado digital de luxo.

“O nosso compromisso com a qualidade, a arte e com o pioneirismo resultou em um lançamento emocionante do ponto de vista da vinificação e em um investimento atrativo para colecionadores de bens digitais, entusiastas do design de luxo e aficionados por vinhos finos”, conta.

São três versões disponíveis do rótulo vendido por NFT, cada um resultado de blends personalizados criados pelos enólogos da empresa a partir de produções do vinhedo To Kalon, em Napa Valley.

O vinho MCMLXVI

Cada blend da coleção do vinho MCMLXVI é elaborado com uvas Cabernet Sauvignon da safra de 2019, tida como uma das melhores dos últimos 30 anos, junto de Cabernet Franc e Petit Verdot. Para isso, foram convidados três enólogos conceituados no mercado.

Geneviève Janssens, vencedora do prêmio “Enóloga do Ano” da Wine Enthusiast e homenageada pelo governo francês, elaborou um blend que leva 50% de Cabernet Sauvignon, 49% de Cabernet Franc e 1% de Petit Verdot.

Já o colega Andy Erickson, considerado um ícone especialista em Napa Valley, desenvolveu um blend com 89% de Cabernet Sauvignon, 9,4% de Cabernet Franc e 1,6% de Petit Verdot.

E o terceiro blend ficou a cargo de Thomas Rivers Brown, também celebrado enólogo da região. Ele criou um vinho puro de Cabernet Sauvignon.

Cada garrafa que será disponibilizada após o resgate do NFT demora duas semanas para ficar pronta, utilizando porcelana Limoges e feita à mão por 50 artesãos.

Contra a falsificação

A criação do vinho NFT também é uma resposta à crescente falsificação de vinhos, considerada uma modalidade criminosa em países como França e Itália, em que estelionatários envasam uma bebida qualquer utilizando rótulos de vinícolas famosas.

“A partir deste lançamento especial, a Robert Mondavi Winery se junta a um número limitado de vinícolas usando tecnologia blockchain de ponta para combater a falsificação na indústria do vinho. Cada uma das 1.966 garrafas desta série vem com um código de autenticação único que, quando digitalizado, leva o usuário ao registro da transação para a compra NFT correspondente, criando uma prova imutável de autenticidade que viverá para sempre no blockchain”, afirma o prospecto da coleção.

A Robert Mondavi afirma, ainda, que a venda por NFT permite uma rastreabilidade de cada garrafa vendida, identificando o seu proprietário e o caminho que ela percorre caso seja furtada.

A coleção limitada do vinho MCMLXVI, da linha Robert Mondavi Winery x Bernardaud NFT, está à venda aqui.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]