Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Restaurante Carlo aposta em comfort food para conquistar clientes pós-coronavírus.
Restaurante Carlo aposta em comfort food para conquistar clientes pós-coronavírus.| Foto: Beto Madalosso

De olho no futuro pós-pandemia, o empresário Beto Madalosso, de Curitiba, coloca em ação um plano que começou a ser gerado há oito meses, mas que começa a sair do papel como resposta à crise provocada pela Covid-19.

A sua Forneria Copacabana, no Água Verde, vai dar lugar ao Carlo, um restaurante com preços mais acessíveis e com um cardápio voltado para a chamada comfort food, com uma pegada bem italiana. A reforma já começou e a previsão de abertura é daqui a dois meses, desde que a pandemia do coronavírus já esteja mais controlada.

Para seguir a nova linha gastronômica, Beto quis prestar uma homenagem ao pai, que se chama Carlos, o que reforça o conceito familiar que ele desenvolveu.

"Queremos simplificar a gastronomia e colocar a comida mais perto do coração", diz se referindo à cozinha afetiva, que é uma gastronomia baseada em memórias, experimentar um prato e imediatamente associar aquele sabor a uma lembrança boa da vida. Por isso, a carta vai ter pratos como carne de panela, rabada e frango ensopado, em um resgate à autêntica comida da nonna.

Com a mudança na carta, os preços também serão até 30% mais baixos, em uma adaptação ao consumidor que virá depois da pandemia. "Prevemos uma queda no poder aquisitivo das pessoas e queremos que elas continuem frequentando o restaurante como forma de lazer", diz. Se antes o prato mais barato da Forneria saia por R$ 55, agora custa R$ 42 (anchova com legumes). O mesmo ocorre com as sobremesas. No menu do Carlo, haverá opção a partir de R$ 12 (banana ao forno), menos da metade do preço da sobremesa mais em conta do menu da Forneria. A carta de vinhos também está mais enxuta e passou de 220 rótulos para 100.

O carro-chefe é a "comfort", mas estão mantidas as opções de mignon, com valores de R$ 65 a R$ 70 o prato individual, que é muito procurado pelos curitibanos.

O novo restaurante vai funcionar apenas no sistema à la carte, incluindo os pratos executivos com os servidos durante a semana, que ficam como opção de almoço rápido no lugar do buffet a quilo, que foi desativado.

O novo nome da Forneria Copacabana homenageia o pai de Beto Madalosso. Crédito: Divulgação
O novo nome da Forneria Copacabana homenageia o pai de Beto Madalosso. Crédito: Divulgação

Carlito Café e Rotisseria

Outra novidade para o público vai ser o Carlito, cafeteria e rotisseria que vai ficar aberta durante a tarde para atender, em especial, o público do prédio comercial que funciona no mesmo endereço do restaurante. "Há uma média de 1.200 pessoas que trabalham ali e queremos dar uma alternativa para que tome aquele café da tarde, façam reuniões ou ainda comam algo mais leve", diz Beto.

A rotisseria vai servir preparos rápidos no sistema de takeaway, popularizado durante a quarentena, e também para quem quiser comer algo enquanto estiver no café. "Haverá uma pessoa servindo no balcão para evitar menos contato direto das pessoas com os alimentos", diz Beto.

+ Redescubra a cozinha com as receitas em vídeo do Bom Gourmet

Inquietação

Mais do que uma mudança de conceito, aliada à adaptação ao período pós-pandêmico, a troca do nome do empreendimento põe fim a uma inquietação que Beto trazia desde a época em que inaugurou o restaurante na Avenida Iguaçu há seis anos.

"O nome Forneria Copacabana nunca encaixou bem ali na Iguaçu. Não remetia a nada e era difícil de explicar. Foi uma derivação do Forneria da Itupava (que funcionou de 2011 a 2017), mas que não combinou muito bem em com o estilo do prédio comercial e não tinha uma ligação direta com os pratos servidos", reconhece.

+ Seja Bom e ajude o restaurante que você mais gosta a passar pela crise

Mada Pizza & Vinho

Enquanto muitos empresários do setor estão fechando as portas em função da crise, o irrequieto Beto atua, ainda, em outra frente. Um pouco antes da eclosão da pandemia, ele já havia alinhavado um contrato de um imóvel para abrir a primeira filial da Madá Pizza e Vinho, inaugurada em setembro do ano passado na Saldanha Marinho, 1.230. O local segue com o salão fechado durante a quarentena, mas está atendendo por delivery (Loggi, Rappi e James) e pelo sistema takeaway, pelo WhatsApp 99561-5379

"Estava com o contrato em mãos e resolvi arriscar. O novo endereço é no Ecoville e pretendemos abrir em mais ou menos três meses", conta, confiante de que o cenário apocalíptico provocado pela Covid-19 se transforme.

Como uma autêntica filial, a carta da nova unidade que atenderá a região oeste de Curitiba, será a mesma da matriz, com oferta de algumas opções de pizzas, massas, sanduíches, chope, cerca de 20 rótulos e quatro torneiras de vinhos, que servem taças do produto armazenado em barris que vêm do Rio Grande do Sul .

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]