i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Santa Catarina

Padaria de Floripa só contrata mulheres; na cozinha são 9 padeiras e confeiteiras

Pão à Mão faz sucesso no bairro Santa Mônica com farinha orgânica e pães de fermentação natural

  • PorAline Torres, de Florianópolis, especial para Bom Gourmet
  • 06/01/2019 06:00
Padaria de Floripa só contrata mulheres; na cozinha são 9 padeiras e confeiteiras
| Foto:

Padaria é coisa de homem? Na Pão à Mão não. Hoje 15 mulheres compõem a equipe, entre elas, seis padeiras e três confeiteiras, e mostram que para fazer pão é preciso muito mais que carregar sacos de farinha. É necessário ter resistência, técnica e precisão.

Julia Arruda de Macedo, 24 anos, abriu a fábrica artesanal de pães no final de 2016, na avenida Madre Benvenuta, num dos bairros nobres de Florianópolis, a Santa Mônica, e faz bastante sucesso. Diariamente são vendidos cem quilos de pães, nas sextas-feiras o consumo dobra.

Ambiente interno da Pão à Mão. Foto: Aline Torres
Ambiente interno da Pão à Mão. Foto: Aline Torres

O ambiente é moderno e minimalista. Numa das paredes há diversas pinturas de artistas brasileiras. Os clientes podem apreciar os quitutes ali mesmo acompanhados de um cafezinho ou levar para casa. O atendimento é self service.

Os alimentos são produzidos com ingredientes frescos e naturais e não passam mais de nove horas disponíveis. Os que sobram são distribuídos entre a equipe ao final de cada dia. Os pães são feitos de farinha orgânica de fabricante do Paraná, triturada em moinho de pedra, e levain (levedura viva que produz a fermentação natural). “Aqui não entram conservantes, edulcorantes, aromatizantes artificiais e nenhum outro químico disfarçado de alimento”, disse.

Apaixonada pelo universo da panificação, Julia se formou em Administração, em 2015, e transformou um cômodo vazio da sua casa em fábrica de pães e criou um clube de clientes por assinatura. “Foi um período bem legal, eu fazia tudo. Preparava os pães, divulgada nas redes sociais o clube e entregava”, contou.

O sucesso do clube permitiu que ela abrisse a fábrica, na época, com três funcionárias. Hoje 15 mulheres.

Os pães de fermentação natural seguem a filosofia do slow food e são tendências nas melhores padarias do mundo. Com aspecto rústico, são mais saborosos, têm a casca mais grossa e são mais saudáveis, ricos em fibras, carboidratos complexos e vitaminas B, além de ter menos glúten que os industrializados.

O pão mais querido pelas profissionais se chama, justamente, Pão das Padeiras. “É o que mais dá trabalho, o mais demorado e o que exige mais técnica, são quatro dias de fermentação”, explicou Julia.

Outro sucesso é o Pão de Vinho e Gorgonzola, que sai toda a sexta-feira, é o mais caro, custa R$ 42 kg. E o Pão de Nozes, oferecido diariamente, R$ 36 kg.

Os preços dos pães variam entre R$25 e R$ 42 kg. Tem pão 100% de farinha integral, bem fofinho, centeio com girassol e farinha integral, sarraceno, ciabatta, baguettes, banettes, multigrãos, italiano. O pão de queijo artesanal é feito com polvilho e queijo de Minas, R$ 50 kg. Para quem deseja algo doce os cookie (R$ 2, 50 cada), brownie (R$ 5 cada) e muffins (R$ 4,5) são deliciosos.

Um diferencial da Pão à Mão é acompanhar o trabalho da fábrica, separada da loja apenas por vidro. “Nós gostamos dessa troca, as famílias percebem que os produtos estão indo para as suas mesas depois da gente ter batido, modelado, assado. Participamos da vida cotidiana dos nossos clientes com muito afeto, e eles participam da nossa, podem ver como a gente passa o dia. Estamos sempre rindo, brincando umas com as outras”, disse Julia.

O ambiente moderno e descontraído na arquitetura, tem a mesma essência na rotina produtiva. A equipe é liberada para comer quantos quitutes quiser, não é preciso se acanhar. Na loja há uma geladeira com geleias e pastas elaboradas pelas funcionárias para aumento da receita e toda vez que algum cliente pergunta sobre a mulherada à frente e atrás do balcão, Julia faz questão de explicar.  “Somos feministas”.

LEIA TAMBÉM:

>> Receitas de muffin de chocolate e mirtilo

>> Difícil moldar a cueca virada? Aprenda um jeito mais fácil

>> 3 novas padarias em Curitiba que privilegiam a fermentação natural

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.