Pessoas

Fiscalização

Roberta Sudbrack deixa Rock in Rio após ação da Vigilância Sanitária

Uma das melhores chefs do Brasil, Roberta Sudbrack fechou nesta sexta a operação de alimentação no festival após, segundo ela, 80 kg de queijos e 80 kg de linguiças serem "jogados fora" pela vigilância sanitária

por Bom Gourmet Publicado em 16/09/2017 às 10h
Compartilhe

Outra estrela prometida para esta edição do Rock in Rio não irá dar as caras no evento. Junta-se à Lady Gaga, que cancelou sua vinda ao Brasil por conta da fibromialgia, o abandono nesta sexta-feira (15) da operação de alimentação do festival pela chef Roberta Sudbrack, uma das mais expressivas chefs brasileiras dos últimos anos.

Em post publicado no início deste sábado no Facebook, a chef afirma que a vigilância sanitária “invadiu” seu estande e interditou o uso de 160 kg de alimentos, entre queijos e linguiças brasileiras, por falta de documentação. “O motivo? Faltava 1 carimbo, um selo, uma coisa qualquer”. Em nota, a Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro afirmou que a ação foi pela falta do selo de inspeção federal (SIF).

Indignada, e criticando a razoabilidade do órgão público, ela apontou que a operação colocou em xeque a qualidade dos queijos e charcutaria brasileiros, que segundo ela, a chef utiliza há pelo menos 20 anos. A chef teve, no fim do mês passado, sua lanchonete Da Roberta, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro, também interditado pelo Poder Público, mas por falta de licenciamento sanitário.

Entre os comentários nas redes sociais, gente que apoia e quem critica a chef: “Impressionante. O Estado só atrapalha!! Gente que quer trabalhar honestamente só se ferra! É o fim da picada mesmo. Sinto muito pelo seu prejuízo e pela sua frustração”, disse uma das pessoas que comentou seu post indignado, Eliana Barreto.  Para outra, Eliana Bragança, “Se a Roberta fosse a fiscal, ela faria igualzinho, afinal ela estaria lá pra isso, e teria sido treinada para fiscalizar e promover a coisa certa. É igual receber multa de trânsito, dói mas é necessário.”

Em janeiro deste ano, a chef que já foi eleita a melhor chef da América Latina em 2015, surpreendeu os apaixonados da boa mesa ao anunciar, o encerramento das atividades do RS, seu restaurante 1 estrela Michelin, localizado no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro.

Até o momento nem a Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro, nem os coordenadores do Rock in Rio se pronunciaram sobre a questão.

Veja o post completo da chef no Facebook

polemica sudbrack

“A vigilância sanitária do Rio de Janeiro invadiu o meu estande no Rock in Rio com quase 15 pessoas e decretou que os queijos brasileiros, bem como a charcutaria brasileira da melhor qualidade, meus fornecedores há pelo menos 20 anos, não são bons o bastante para comercialização. Sem nenhum bom senso ou razoabilidade, jogaram fora mais de 80kg de queijo dentro da validade, assim como 80kg de linguiça fresca e previamente aprovada pelo controle do evento Rock in Rio. Todos inspecionados pelos órgãos sanitários dos seus Estados. O motivo? Faltava 1 carimbo, um selo, uma coisa qualquer. Estou fechando a minha operação no Rock in Rio porque a minha ética, o meu profissionalismo e as minhas convicções não me permitem ver uma cena dessas. Comida da melhor qualidade sendo jogada fora enquanto tantas pessoas morrem de fome no mundo. O meu prejuízo provavelmente é do tamanho desse mesmo mundo, mas minha dignidade e as minhas crenças são maiores! POR FAVOR COMPARTILHEM! ME AJUDEM A SALVAR A DIGNIDADE DA GASTRONOMIA BRASILEIRA! Mas não compartilhem pouco. Por favor COMPARTILHEM MUITO! Estou entrando com uma liminar na justiça para salvar o restante de toda a mercadoria que temos em estoque para que possamos pelo menos doar a quem precisa. E me comprometo não só a doar, mas preparar essa comida da melhor qualidade e da qual eu me orgulho de servir há mais de 25 anos para quem precisa. Por favor compartilhem! Obrigada”

Outro caso

Neste sábado (16), o empresário Jayme Barreto Drummond, do Laguiole, expôs nas redes sociais sua indignação em relação à ação da Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro, que assim como com a chef Roberta Sudbrack, interditou o uso de 10 kg de tempero que, segundo ele, não continham o CNPJ do estabelecimento onde tinha sido comprado. “Outros 40 kg de sanduíche, recém preparados, foram direto para a lixeira”, disse ele, sem explica o motivo do descarte.  O post do empresário recebeu mensagens de apoio de internautas que criticaram a ação da Vigilância Sanitária e também muitas mensagens que colocaram sua posição em xeque.

Compartilhe

8 recomendações para você