Plantão

estreia

Série gastronômica da Netflix questiona a indústria alimentícia

Inspirada no best-seller de Michael Pollan, "Cozinhar, Uma História Natural da Transformação", a produção "Cooked" é dividida em quatro episódios: água, terra, fogo e ar

por Júlia Ledur, especial para a Gazeta do Povo Publicado em 20/02/2016 às 21h
Compartilhe
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Baseada no livro do premiado escritor norte-americano e ativista da comida, Michael Pollan, a nova série-documentário Cooked, com produção da Netflix, deve animar os fãs da gastronomia.  Assim como o livro, a série, que estreou na sexta-feira (19), é dividida em quatro episódios – água, fogo, terra, ar – e explora diferentes métodos da cozinha e os impactos culturais deles na humanidade, propondo uma reflexão crítica sobre a indústria alimentícia.

>>> Leia a entrevista que o Bom Gourmet fez com Michael Pollan em 2014

Recuperar as tradições culinárias perdidas e reestabelecer o equilíbrio na vida das pessoas é o objetivo da produção, que reforça, durante os quatro episódios, a importância de cozinhar com as próprias mãos, com simplicidade e utilizando produtos frescos e de origem local.

Cada capítulo foca em um elemento e nas relações dele com técnicas culinárias, tanto antigas quanto modernas. Ao longo dos episódios, Pollan encontra povos de diferentes partes do mundo que preservam a maneira artesanal de cozinhar.

Em Água, a produção visita Mumbai, na Índia, para mostrar como a comida processada está se tornando popular; no episódio Fogo, Pollan vai à Austrália para conhecer de perto o churrasco aborígine; panificação é o tema de Ar, que se passa em um antigo moinho de farinha do Marrocos; e em Terra, a equipe visita um vilarejo no Peru, onde uma bebida chamada masato é produzida, para abordar o tema da fermentação.

Os episódios têm cerca de 45 minutos e diretores diferentes. Um deles é Alex Gibney, coprodutor de Cooked, vencedor do Oscar pelo documentário Taxi to the Dark Side (2007), e diretor do longa Steve Jobs: Man in the Machine (2015). Mais do que a reputação dos autores, a série coloca em discussão uma nova maneira de pensar em relação à comida, apresentada por Pollan. O autor, também ativista do grupo americano Food Movement, relaciona o alimento que está no prato das pessoas com o processo pelo qual ele passou anteriormente. Com um olhar crítico, o jornalista expõe ao espectador um grande – e muitas vezes desconhecido – cenário político, social e ambiental do ato de comer.

 Assista ao trailer do documentário:

Compartilhe

8 recomendações para você