Experiência

Drinks

Cingapura é a nova melhor capital de drinks do mundo

Em outubro deste ano, a cidade-estado ocupou seis colocações na competição “World’s 50 Best Bars”, atrás apenas da invicta capital de coquetéis, Londres (com oito), e de Nova York (com sete)

por The Washington Post Publicado em 09/12/2017 às 18h
Compartilhe

Para um lugar conhecido por ser conservador, Cingapura oferece coquetéis que têm tendência a fazer o seu coração disparar. Em apenas uma semana bebendo pela cidade, experimentei um drink de rum e iogurte que incluía dois tipos de formigas do sudeste asiático; pedi um “menu” que era um pacote de balas gummy bear com sabores customizados para cada drink; e experimentei “vinhos naturais” fermentados por figo, pera, tomate e repolho. Tudo isso sem mencionar o drink com “drogas para melhorar o desempenho”, que acabou sendo um aperitivo cor-de-rosa com pitaia, sementes de manjericão e tongkat ali, uma espécie de casca da virilidade da Malásia.

Foto: Fernando Zequinão / Gazeta do Povo

Foto: Fernando Zequinão / Gazeta do Povo

Chamar esse bar de criativo seria uma selvagem subestimação. Tirando a reputação de cidade estável e “workaholic”, Cingapura explodiu no cenário de coquetéis como uma das cidades-estreia em bares no mundo. Em outubro deste ano, ocupou seis colocações na competição “World’s 50 Best Bars”, atrás apenas da invicta capital de coquetéis, Londres (com oito), e de Nova York (com sete).

O hotel-bar Manhattan, que teve o ranking mais alto entre os bares de Cingapura (7º lugar geral), dispõe do que deve ser o mais ambicioso sistema de barris de envelhecimento; o Atlas (15º) é um espaço inspirado em art deco, com requintados martinis e uma torre composta por mil garrafas de gim. Estes bares representam apenas um pedaço da diversidade da cultura de coquetéis que surgiu dentro de um raio de três milhas no mais improvável dos lugares.

Cinco ou seis anos atrás, você teria dificuldade em dizer que Singapura tinha qualquer espécie de cultura de drinks. Claro, havia o “Singapore Sling”, criado no famoso Long Bar no Raffles, mas era só isso. Mixologia moderna? Isso exigia uma viagem ao exterior.

Marido e mulher, Indra Kantono e Gan Guoyi lembram da desconfiança ao abrirem um dos bares originais de coquetéis artesanais da cidade, Jigger & Pony, em 2012. “É realmente seguro durante a noite?”, lembra Guoyi sobre seus pais perguntando, referindo-se não somente ao negócio, mas também à escolha do bairro no qual fica o estabelecimento. A Rua Amoy, no subúrbio de Chinatown, agora é casa de quatro dos mais renomados bares da cidade — incluindo o Jigger & Pony.

Kantono afirma que o crescimento de Cingapura como capital dos coquetéis é resultado direto de nada ter estado lá no passado. Ele descreve a cidade como uma tela de pintura vazia. “Nós não temos um affair com vinhos de um século, ou com uísque, ou com nada”, diz Kantono, que, junto com Guoyi, agora comanda cinco estabelecimentos — e mais um no caminho. “Em Nova York, há expectativas sobre o que é um bar de coquetéis. Aqui, é como uma lousa em branco”.

Steven Mason, gerente geral no Odette (que tem duas estrelas no Michelin), repercute este pensamento. “Nada é produzido aqui, o que significa que você não tem laços com ninguém”, afirma. “Isso pode ser uma coisa maravilhosa”.

Cingapura é uma cidade verdadeiramente internacional, com um constante fluxo de estrangeiros e locais que tendem trabalhar ou estudar fora. Quem pegou gosto por coquetéis artesanais fora do país procura isso de volta à casa. “As pessoal realmente gostam de novas experiências em Cingapura”, afirma Kantono. “Elas esperam algo que nunca provaram antes”.

É claro, a riqueza é a base de tudo isso. Capital de finanças e comércio, Singapura é casa de residentes e expatriados com dinheiro para gastar, e mais e mais turistas prontos para fazer o mesmo.

“Enter Employees Only”, um dos mais renomados bares de drinks de Nova York, abriu uma filial em Singapura em 2016. O co-fundador Igor Hadzismajlovic diz que “a comunidade de expatriados da cidade que amam comer e beber” é o que vendeu a ele este destino. “Nós estávamos confiantes que teríamos público lá”, explica.

Um senso de energia e experimentalismo é a base de todo o cenário de bebidas em Cingapura. No Gibson, talvez meu bar preferido do grupo Jigger & Pony, experimentei uma mistura de gim, mel e limão — que me fez sentir como um beija-flor — chegou suspenso em um bulbo de vidro com profusão de flora e uma palha tão curta que tive de enfiar meu nariz dentro do drink. No imprudentemente criativo “Operation Dagger”, um coquetel de rum e gema de ovo saltada e defumado no feno. No “Native”, há uma dedicação inigualável aos ingredientes do sudeste asiático, incluindo as formigas já mencionadas. E estes bares estão apenas começando.

Até mesmo bares de vinhos estão derrubando fronteiras internacionais. No “RVLT”, com sua seleção de vinhos bem explorada, você pode beber alguns favoritos como os vinhos espumantes do Domaine Mosse do Loire ou um um Poulsard vermelho claro e dinâmico do Jura — uma lista que seria a favorita de qualquer sommelier de Nova York ou Los Angeles.

“Crackerjack” é o novo ponto de encontro da “Proof & Co.”, um grupo que comanda diversos bares em Singapura e faz consultoria para outros estabelecimentos ambiciosos na cidade. Ainda mais: atua como importador de uma série notável de produtos, e ensina os bartenders a utilizá-los.

– Jigger & Pony: o pioneiro ainda tem um cenário amigável de crescimento. O que pedir: experimente qualquer um dos legendários “punch bowls”.

– Sugar Hall: este otimista bar de rum fica ao lado do Jigger. O que pedir: “The Sugarhall Daiquiri”, feito com rum Trinidad 15 anos, é decorado com chips de banana com caviar.

– Manhattan at the Regent Singapore: sofisticado e inovador, tem um espaço dedicado ao envelhecimento de bebidas que conta com mais de 100 barris. O que pedir: faça o que os visitantes locais fazem. Peça o “Solera-aged and Negroni” para você e um “bowl of punch” para compartilhar.

– Atlas: lugar de tirar o fôlego para pedir um martini, o Atlas tem uma lista inigualável de champagne e gim. O que pedir: o que mais? A escolha de drink do James Bond.

– Tippling Club: um dos mais antigos bares experimentais em Singapura, tem um menu de gummy bear. O que pedir: “Sucess”, feito com vinho tinto, amaro, conhaque e uísque.

– Operation Dagger: por detrás de uma porta marcada e escadas no estilo industrial, você encontra selvagens coquetéis experimentais com energia criativa ilimitada. O que pedir: “The Egg”, uma mistura de gema de ovo saltada em rum, ou experimente os vinhos naturais fermentados na casa.

– Gibson: um estabelecimento de classe, com bartenders carismáticos. O que pedir: “The Botanic Gardens” vai te fazer sentir como um beija-flor.

– RVLT: um moderno wine bar, com uma parede cheia de rótulos exibidos ao invés de uma lista tradicional. O que pedir: peça para qualquer um dos funcionários uma recomendação pouco convencional.

– Native: um bar devotado à sustentabilidade e aos ingredientes do sudeste asiático. O que pedir: “The Antz” é o coquetel com a composição mais bonita e também a novidade que deve ser pedida.

– Employees Only: com inspiração no bar original em Nova York, tem charmosos bartenders e coquetéis feitos com habilidade. O que pedir: “The Ready, Fire”, à base de mezcal.

– Crackerjack: o café-bar-restaurante é amigável e com um preço que cabe no bolso. O que pedir: “The Ballgame”, inspirado no baseball norte-americano, com bourbon, pipocas caramelizadas, e um fundo de cerveja.

– Norma: este bar com lugar para dez pessoas sentadas tem uma fenomenal seleção de tequila e mezcal. O que pedir: experimente qualquer drink que o bartender sugerir.

– Skinny’s Lounge: o charmoso bar em Boat Quay não é indicado se você tem planos para a manhã do dia seguinte. O que pedir: qualquer coisa exceto o “Shitty American Beer”, a menos que faça o seu tipo.

LEIA TAMBÉM:

>> Bares de drinks serão a moda desta temporada no litoral de SC

>> Drinks refrescantes: aprenda duas receitas com prosecco e frutas cítricas

Compartilhe

8 recomendações para você