Bebidas

Vereadora vai retirar projeto da água grátis em restaurantes de Curitiba

A autora do proposta, Julieta Reis (DEM), foi pressionada por representantes da Abrasel-PR e restaurateurs que dizem que a medida trará custos extras

por Andrea Torrente Publicado em 12/05/2016 às 15h
Compartilhe

Bares e restaurantes de Curitiba não serão obrigados a servir água filtrada de graça para os clientes, pelo menos por enquanto. A vereadora Julieta Reis (DEM) vai retirar da pauta o projeto de lei (nº 005.00163.2015) que tinha essa finalidade. A atitude foi tomada após uma reunião em que empresários do ramo da gastronomia e representantes da Associação de Bares e Restaurantes, seção Paraná, (Abrasel-PR), realizada nesta terça-feira (10), apresentaram os números da crise do setor e pressionaram a vereadora.

>>> Microcervejarias criam growlers e rótulos únicos para aumentar receita

>>> Beto Madalosso admite que errou o sal no almoço de Dia das Mães

>>> Veja como funciona a lei dos food trucks em Curitiba

Em um vídeo gravado após o encontro com os empresários (assista abaixo), a vereadora disse que chegou “à conclusão de que é preciso fazer uma reformulação do projeto e não aprová-lo da maneira que está colocado”. “Vou retirar para ele ser reformulado e posteriormente discutir novamente com a Abrasel. Chegaremos a uma conclusão que será positiva para todos, tenho certeza”, afirmou Reis.

Em conversa telefônica com o Bom Gourmet, a vereadora afirmou que se sensibilizou com a situação dos empresários da gastronomia “que sofrem com a crise econômica, com os altos custos de energia e água, e isso seria um encargo a mais”. Contudo, por enquanto, ela não retirará a proposta: “Não vou retirar ainda, vou esperar o prazo de 20 sessões da Câmara Municipal. Até lá vamos discutir internamente e ver se dá para reformular”. Julieta Reis lembrou que “na maioria dos países civilizados, os estabelecimentos servem água de graça e com essa lei eu queria criar essa cultura nos restaurantes de Curitiba”.

Segundo a Abrasel-PR, a nova lei traria custos extras aos estabelecimentos e reduziria a receita. “A partir do momento em que a água filtrada é um serviço obrigatório, entende-se que a venda de sucos e outras bebidas, grandes fontes de renda desses empreendimentos, sofrerá declínio”, afirmou a presidente da entidade, Jilcy Rink, em uma carta de reclamação enviada à vereadora no final de abril. Por enquanto, servir água filtrada gratuitamente aos clientes continuará sendo uma opção de cada bar e restaurante.

Rio de Janeiro

Uma lei parecida foi aprovada em julho de 2015 no estado do Rio de Janeiro. O não cumprimento da lei implica em multa de R$ 542. O valor pode aumentar caso o estabelecimento seja reincidente. Por lá, bares e restaurantes também são obrigados a afixar cartazes informando sobre a gratuidade.

Compartilhe

8 recomendações para você