Bebidas

enologia

Vinícola boutique em Campo Largo tem produção pequena e premiada

A Legado, comandada pela sommelier Heloise Merolli, produz tintos, brancos, rosé e espumantes segundo o método tradicional

por Andrea Torrente Publicado em 25/08/2017 às 17h
Compartilhe

Em um mundo dominado por homens, uma mulher luta a cada dia para ganhar espaço no mercado dos vinhos. Heloise Merolli herdou em 2003 a Vinícola Legado, em Campo Largo, a 30 quilômetros do Centro de Curitiba, e hoje, quase 15 anos depois, a sua pequena produção começa a aparecer no cenário nacional.

vinicola legado em capo largo

Vinhedos da Legado no inverno. Foto: Divulgação

No final de julho, os vinhos da Legado faturaram dois prêmios no Vini Bra Expo, no Rio de Janeiro: o Flair Brut, espumante branco elaborado com uvas Viogner pelo tradicional método champenoise (o mesmo usado na região de Champagne) conquistou o oitavo lugar na categoria dos espumantes, enquanto o Sfizio Merlot Lote 13 ganhou a medalha de bronze na categoria dos tintos.

“Aqui só temos 4,8 hectares cultivados que dão 28 a 30 toneladas de uva por ano. Ao todo produzimos cerca de 10 mil garrafas por ano, são lotes muito pequenos, com 500 ou mil garrafas”, explica Heloise, que é sommelier de formação. A equipe que trabalha na elaboração dos vinhos é pequena: são seis pessoas que fazem desde a colheita até a vinificação.

A vinícola, localizada a 1.040 metros de altitude, usa a técnica de plantio espaldeira: as plantas são bem espaçadas e ficam a 1,20 metros do solo, o que permite ótima ventilação e exposição ao sol. As uvas plantadas são as tintas Cabernet Sauvignon, com mudas importadas de Bordeaux em 1998, Merlot, Pinot Noir e as brancas Viogner e Fiano di Avellino.

Essa última é típica da cidade de Avellino, perto de Nápoles, no Sul da Itália, uma qualidade raríssima no Brasil. “Somos a única vinícola brasileira a produzir vinho com essa uva”, diz Heloise. O vinho, disponível nas safras 2013 (R$ 39 no site da empresa ou na loja da vinícola) e 2015 (R$ 43), é leve e refrescante ideal para pratos delicados como macarrão ao pesto, aves, peixes e saladas.

vinho fiano de avellino Vinicola Legado em Campo Largo.

Espumante rosé Flair e branco da uva Fiano de Avellino. Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo.

Boa parte da uva produzida não é empregada para elaborar os vinhos, mas é vendida para pequenos produtores e famílias da região que fazem vinhos para consumo próprio. “No mundo ideal empregaria toda a uva para produzir meus vinhos, mas preciso de capital para manter o negócio rodando. Para produzir um vinho precisa de dinheiro que fica parado por muito tempo ”, explica Heloise.

Enquanto consolida a produção, Merolli já está testando novas castas: Pinot Meunier, Alvarinho e Chardonnay. “Plantamos 130 mudas de cada em 2016, esperamos ter a primeira pequena safra em 2019”, torce a produtora.

Rótulos premiados

vinhos premiados da Vinicola Legado em Campo Largo.

Sfizio Merlot Lote 13 e espumante Flair branco, premiados no Vini Bra Expo 2017. Foto: hugo Harada/Gazeta do Povo.

O vinho do qual Heloise mais se orgulha é o Sfizio Merlot Lote 13 (R$ 120), premiado no concurso carioca, que é feito com um corte de três safras (2013, 2014 e 2015). O rótulo é produzido da mesma forma que o renomado vinho italiano Amarone: as uvas passam por um processo de passificação em que perdem 40% do volume e concentram sólidos e desenvolvem aromas. Essa etapa dura de 20 a 40 dias, em seguida o vinho é armazenado em barricas de carvalho francês.

Enoturismo

vinhedos da vinicola legado em campo largo, paraná

A vinícola tem 4,8 hectares de vinhedos. Foto: Divulgação.

A Vinícola Legado abre aos sábados e domingos para visitação. O tour guiado dura cerca de uma hora e inclui o passeio de trator pelos vinhedos, a visita à cantina e à loja com degustação de três vinhos. O passeio custa R$ 20 e pode ser feito em dois horários: 11h30 e 15h.

Outra opção é o piquenique, que custa R$ 45 por pessoa, sendo que R$ 25 são revertidos em compras na loja da vinícola. No momento não há opções para comer no local, mas os visitantes podem levar sua própria comida para passar o dia ao ar livre.

 

Entrevista com Heloise Merolli, da Vinícola Legado

LEIA TAMBÉM

Os 50 melhores tintos brasileiros em degustação às cegas

Quer produzir seu próprio vinho? Numa vinícola de SC isso é possível

Veja os vinhos tendência em 2017

Compartilhe

8 recomendações para você