i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Visuais

Artista olha para a natureza com sensibilidade

Mostra “Carbono 14” apresenta trabalhos do artista Marcelo Moscheta inspirados no aspecto científico da flora brasileira e na araucária paranaense

  • PorIsadora Rupp
  • 07/07/2015 18:22
Marcelo Moscheta usa como referência a paisagem paranaense. | Divulgação
Marcelo Moscheta usa como referência a paisagem paranaense.| Foto: Divulgação

Desde o começo de sua carreira, em meados dos anos 2000, o artista paulista Marcelo Moscheta tinha interesse pela natureza e lugares remotos, onde consegue coletar objetos incomuns para inserir em seus trabalhos.

Por isso, não foi nenhum esforço quando ele foi convidado pela SIM Galeria para passar um período em fevereiro deste ano, em um sítio em Colombo – na região metropolitana de Curitiba.

Araucárias inspiram obras.Divulgação

A estadia rendeu obras inéditas para a mostra “Carbono 14”, em cartaz na galeria, inspirada em um dos nossos símbolos, a Araucária, até outros trabalhos mais antigos, como “Linnaeus”, feita por Marcelo junto com o pai, botânico, com as nomenclaturas científicas dos vegetais da amazônia.

O artista brinca com o lado científico e lúdico da natureza em seus trabalhos, a exemplo da “Biblioteca cromo-agronômica”: ele relacionou várias espécies de plantas com as cores da cartela Pantone, fazendo uma espécie de crítica ao trabalho científico.

“A obra do Marcelo não ignora o conhecimento, mas abre possibilidade para o encantamento com a natureza”, diz o curador Paulo Miyada, do Instituto Tomie Ohtake, autor do texto de apresentação do livro homônimo sobre a mostra (a obra, editada pela SIM, é distribuída gratuitamente para os visitantes).

Paraná

As influências dos dias que passou no estado aparecem em três séries: “Carbono 14”, que intitula a exposição, apresenta 14 desenhos através de papel carbono, todos de árvores brasileiras.

Gosto da apreensão sensata e sensível das coisas. Quando fala a cabeça e a alma. Esse equilíbrio me interessa muito, e é esse aspecto que norteia a minha estética, de tratar da paisagem sensível e racional.

Marcelo Moscheta, artista plástico.

O artista já havia pensado o projeto antes da viagem ao estado, mas acabou elaborando os desenhos depois, com as referências da paisagem paranaense – todas as obras parecem uma espécie de raio-x das árvores.

Mostra

Carbono 14

SIM Galeria (Al. Pres. Taunay, 130A – Batel), (41) 3322-1818. Visitação de segunda-feira a sexta-feira das 10h às 18h. Sábados, das 10h às 15 horas. Até 1º de agosto. Mais informações no Guia.

Em “Bicho do Paraná”, Marcelo realizou intervenções com guache e colagem de objetos (como réguas e compassos) em fotografias que fez das araucárias. “Parece um estudo científico, mas é um estudo gráfico que enfatiza a geometria das árvores”, explica o artista. Na mesma sala, ele expôs como objeto três partes de uma cerca de madeira da chácara onde se hospedou. “Essa é uma exposição vegetal. Trouxe as madeiras pensando que um dia foram uma árvore, e já tiveram outras utilidades”, diz Marcelo.

Na vitrine da galeria, dois painéis batizados de “A.A.A” trazem, em 90 pequenas fotografias que formam cada um dos quadros, as diversas nuances de um tronco de araucária, e remetem à catalogação, como se fossem “arquivos de biblioteca”, lembra Paulo Myada.

A mostra fica em cartaz até 1.º de agosto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.