Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
José Padilha prepara séries sobre a Lava Jato e criminalidade nos EUA | Carmem Levy/Wikimedia Commons
José Padilha prepara séries sobre a Lava Jato e criminalidade nos EUA| Foto: Carmem Levy/Wikimedia Commons

Há dois anos vivendo em Los Angeles, nos Estados Unidos, José Padilha não tira os olhos do Brasil, cuja situação política e econômica ele tem observado em dupla perspectiva: de perto e à distância. Entre idas e vindas ao país, o diretor e produtor está prestes a iniciar as filmagens de uma nova série, sobre a operação Lava Jato, tema que tem dominado seu interesse.

Acostumado a retratar a realidade social e policial do Rio de Janeiro e da América Latina em obras como o documentário “Ônibus 174” (2002), os filmes da franquia “Tropa de Elite” (2007 e 2010) e a série “Narcos” (2015), Padilha agora mira também a criminalidade dos EUA: já está comprometido com a série “The Brand”, sobre o sistema prisional americano, que filma entre este e o próximo ano. Por telefone, de Los Angeles, o cineasta concedeu a seguinte entrevista ao Globo:

Como você avalia o impacto da crise no cinema?

A realidade do cineasta e produtor de cinema no Brasil é que todos dependem do incentivo fiscal. E, quando os patrocínios dependem dos lucros das empresas, isso é um problema. Num momento em que a economia do país está em queda, em que o PIB cai, o lucro é reduzido. Por isso, é bastante surreal ver o apoio da classe e de muitos cineastas ao governo do PT, que, por má administração e gestão econômica, colocou o país na situação em que está. Acabou o dinheiro. Não sei como não entendem que isso é ruim para o cinema.

Mas durante o governo do PT, sobretudo do Lula, a economia do país cresceu, assim como a produtividade do setor do audiovisual (entre 2007 e 2013, o valor adicionado pelo audiovisual na economia teve aumento real de 65,8%, segundo a Ancine).

Se você pegar estes últimos três governos do PT é possível ver que o país, em média, não tem um bom índice de crescimento. Cresceu menos que outros países dos Brics, por exemplo. É como se você fosse ao banco, sacasse uma grande quantia de dinheiro e aí, claro, vive bem durante um tempo. Até que tudo despenca. O governo tirou uma grande quantidade de brasileiros da miséria, mas desse jeito, sem criar bases de uma produtividade que pudesse manter isso. Existe um limite para políticas de redistribuição de renda se não há crescimento. Chegamos a esse momento. Vejo um país que devolve para a pobreza uma parte dos brasileiros que saíram dessa condição. Mas, sim, houve um crescimento na produção audiovisual. Aumentou, teve mais lucro, incentivo fiscal, mas acabou o dinheiro. O cinema brasileiro se ancorou na Petrobras e no BNDES, mas olha o estado das finanças públicas e das empresas públicas, como a Petrobras. Não é concebível uma empresa como ela estar como está. Houve irresponsabilidade e má administração, o que afeta os lucros a longo prazo e a capacidade de fomento.

Mas também há a conjuntura econômica, o impacto direto da queda do preço do petróleo em todo o mundo.

É evidente que a Petrobras depende radicalmente do preço do petróleo, e sim, ela foi afetada. Mas o problema maior é de administração e planejamento. É preciso saber da oscilação do preço. O Brasil agiu como se o preço fosse se manter para sempre. Junta-se isso à má gestão, e o resultado se vê agora.

Você tem projetos em captação no Brasil, no momento?

A produtora [Zazen] sim. Projetos do Marcos [Prado], mas está difícil captar. Eu tenho alguns, mas adotei outra estratégia. Todo cineasta cumpre etapas. Ter uma história, entender sua relevância, criar um plano de filmagem, roteiro, orçamento. Aí, então, vem a pergunta: onde eu consigo dinheiro? Hoje, para mim, é mais fácil conseguir dinheiro fora do Brasil. Meus próximos projetos serão com dinheiro daqui [dos EUA].

Por que a Lava Jato o interessou a ponto de criar uma série? Em que fase está o projeto?

Ele está em desenvolvimento. Compramos os direitos de um livro que o [jornalista] Vladimir Neto está escrevendo sobre a Lava Jato e seus bastidores. Então, estamos lendo enquanto ele escreve, e organizando a história e seus personagens. Acho que ela ainda é mal compreendida pela população. Como funciona? O que faz cada um dos personagens e instituições envolvidos? Quais são as atribuições da Polícia Federal e dos procuradores? O que faz o Sérgio Moro? Ele é juiz, e às vezes parece que é mais. Quem investiga é a PF. Em suma, é revelar as engrenagens, ajudar a dar clareza, mas sobretudo mostrar o que as pessoas não podem ver, não têm acesso no noticiário. É a mesma motivação que me levou a investigar o funcionamento da polícia carioca em “Tropa de Elite”. Tenho interesse em destrinchar os mecanismos da Lava Jato. Por exemplo, os mecanismos da delação premiada e o know-how adquirido pela PF e pelos procuradores. Mostrar que é uma investigação policial e não um instrumento político.

No artigo “Lula, Freud e o futuro da esquerda”, que escreveu no Globo em 6 de março, você questiona o apoio de intelectuais e artistas à esquerda. Um de seus principais parceiros artísticos, o Wagner Moura, está muito engajado neste grupo...

Quando escrevi o artigo, pensaram que era uma resposta ao Wagner. Não é. Escrevi antes. Eu e o Wagner discordamos radicalmente na leitura do que ocorre no Brasil. Conversamos muito, mas não brigamos por isso. É possível discordar radicalmente sem precisar brigar. Existe um componente do radicalismo que vivemos no Brasil em que a discordância descamba para a violência e o achincalhe. E eu e o Wagner não agimos assim. Ele se posiciona de modo honesto, diz aquilo em que acredita. Assim como eu. E somos superamigos. Talvez seja o resultado de não estarmos morando no país neste momento (Moura está na Colômbia).

Como você avalia o vazamento e a veiculação dos grampos com Dilma e Lula promovidos por Moro e, depois, criticados pelo STF?

O STF decidiu que não deveria ter acontecido. Houve um erro. A Lava Jato, no seu conjunto, e o Moro, como um de seus integrantes, tomaram uma decisão que extrapolou a ordem jurídica. Extrapolaram os limites da lei quem sabe por temer ver a Lava Jato ir por água abaixo caso Lula assumisse a Casa Civil. Medo de que Lula melasse a operação. Tentaram impedir a qualquer custo. E foi um erro. Mas isso é o que eu acho. E isso, também, não apaga a manobra de Dilma. E as intenções que a levaram a nomear o Lula. Existem muitas visões sobre os mesmos pontos, como o impeachment, por exemplo.

Qual é a sua posição a respeito?

Tenho lido diferentes opiniões de juristas sobre o que justificaria ou não o impeachment. Se as pedaladas fiscais, a delação do [senador] Delcídio [do Amaral], o crime ou manobra de levar o Lula à Casa Civil. Impeachment, em si, não é um golpe, mas sou contra. Acho que ele se tornou um evento político, que permite dar ensejo a negociações que refreiem a Lava Jato. Trocas do tipo “entrega-se a cabeça da Dilma e do Lula, mas fazemos aqui um acordo etc.”. Afinal, é muito mais gente implicada. Do PT, PMDB, PSDB e por aí vai. Lula, [Eduardo] Cunha, [Michel] Temer, Renan [Calheiros], Aécio [Neves], todos querem uma saída. Sou contra a corrupção e a favor da investigação. E o impeachment pode atrapalhar as investigações. Acho que o PT também deve assumir o governo e seus erros até o fim, mesmo em meio ao caos.

Voltando à série, quem vai financiar e exibir? É a Netflix?

Não posso falar, mas será um único financiador, de fora do país. E, como o dinheiro vem de fora, não traz viés político. É uma plataforma mundial, então é algo que vai ser transmitido no mundo todo. Tem um impacto muito maior do que um filme que só passa no Brasil. Isso me exige muita responsabilidade. Porque trata-se da memória e do presente de um processo histórico do Brasil que ainda não acabou, que está se desenrolando enquanto a gente está produzindo o trabalho. Ao mesmo tempo, será a fonte que gente da Inglaterra e de outros países terá para compreender o que acontece. Então, preciso ter calma, pesquisar, me ater aos fatos, afastar ideologias. Não sou de esquerda nem de direita, nem marxista nem neoliberal, e vou me ater aos processos e dados da Lava Jato. É uma narrativa factual, a história de uma investigação. Acho importante como documento de um tempo, que sirva, quem sabe, para a abertura de outros pontos de vista. É a minha contribuição.

Qual será a estrutura da série?

Não sabemos quantas temporadas, mas cada uma terá seis capítulos. Estamos falando de algo que ainda não acabou, não sabemos qual será o final, diferentemente de “Narcos”, por exemplo.

Trabalhos como “Ônibus 174”, “Tropa de Elite” e “Narcos” são guiados por protagonistas claros. No caso da Lava Jato, diante de tantos envolvidos, há ruptura com a noção de protagonismo?

É um pouco diferente. Há uma complexidade maior, mas a estrutura é semelhante ao “Tropa...”. Separo os personagens em grupos sociais, constituo núcleos e monto um modelo de como eles interagem e por quê. Os personagens têm peculiaridades, mas representam uma classe, um grupo, está implícito neles algo sobre o mundo do qual fazem parte. Minha intenção é mostrar “isso aqui é a investigação, e isso aqui é a reação a ela”.

A segunda temporada de “Narcos”, em filmagem, vai narrar os últimos 18 meses da vida do traficante Pablo Escobar (1949-1993), mas o que acontecerá após sua morte? Qual é o futuro da série, e como está sendo a sua participação na nova temporada?

Na primeira temporada, eu trabalhei na redação dos quatro primeiros episódios, mas, quando comecei a filmar, a escrita passou para outras mãos. Numa série, não dá para uma pessoa cuidar de tudo. Não controlei ”Narcos” como fiz com “Tropa”. Meu trabalho foi bolar a série, a narrativa, a escolha dos atores, dar uma estética, a base para que siga adiante. Não dirijo nenhum episódio da segunda temporada. Recebo os roteiros, dou opinião, ajeito a narrativa. Faço uma supervisão. Assim faz o David Fincher com “House of Cards”. Você orienta, e a série vai em frente. Até porque tenho que fazer a da Lava Jato, e vou dirigir alguns de seus episódios.

O que “Narcos” trouxe à sua carreira internacional?

Abriu portas, sem dúvida. E novos projetos, como uma nova série que vou fazer para o Showtime, “The Brand”. É sobre uma gangue ariana, neonazista, que durante uma época dominou o sistema prisional americano. De algum modo é um reflexo dos efeitos da cocaína nos EUA. Nessa época (anos 1970 e 80), as cadeias americanas ficaram superlotadas, e o sistema prisional foi abalado. A série é sobre isso. São dez episódios.

O que mudou na sua vida nesses dois anos fora, e no seu olhar sobre o Brasil?

Há uma diferença brutal entre o dia a dia num país de instituições mais estruturadas, e com maior grau de civilização, e o cotidiano no Brasil, ainda mais num momento tão conturbado como este que o país vive. São muitas as diferenças. Aqui também morrem negros, mas quando isso acontece há um zilhão de passeatas e movimentos. No Brasil, a polícia mata muito mais negros, e a resposta não é a mesma. Então, entre as diferenças é que há certas coisas que são aceitas no cotidiano do Brasil e aqui são absolutamente inaceitáveis.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]