“Mad Max: Estrada da Fúria” é lançado 30 anos depois do último episódio | Divulgação/Site Oficial
“Mad Max: Estrada da Fúria” é lançado 30 anos depois do último episódio| Foto: Divulgação/Site Oficial

Dois sentimentos tomam conta dos fãs de uma franquia quando é anunciada sua retomada depois de muito tempo.

Em um primeiro momento vem a euforia, gerada pela sensação de poder ver novamente seus personagens preferidos na tela.

Na sequência vem o temor: será que a nova sequência estará à altura dos “clássicos”? E se ela não honrar o histórico da série e manchar aquilo que está gravado no imaginário?

Trilogia produziu clássicos de ação

Quem diria que um filme rodado com poucos recursos no deserto australiano daria origem a uma das mais bem-sucedidas franquias do cinema

Leia a matéria completa

As dúvidas certamente estão corroendo os apreciadores de Mad Max, a série de filmes de ação que, depois de 30 anos, ganhou uma nova sequência.

A Estrada da Fúria faz jus à cinessérie, com muita ação.Divulgação

Para essas pessoas, uma boa notícia: A Estrada da Fúria, que chega aos cinemas nesta quinta-feira (14), não deixa a desejar.

Veja no Guia onde assistir ao filme.

O australiano George Miller, que dirigiu os três episódios anteriores, entrega ao público aquilo que a franquia tem de melhor e a fez entrar para a história: ação, ação e ação.

O filme abre como era de se esperar, com o personagem principal solitário em um cenário desértico.

Protagonista

No novo Mad Max, sai o australiano Mel Gibson e entra o inglês Tom Hardy. Antes de encarnar o personagem que deu fama a Gibson, o principal papel vivido por Hardy no cinema foi num filme em que o rosto dele mal aparece: o ator fez o vilão Bane (que usa uma focinheira) em Batman: o Cavaleiros das Trevas Ressurge.

A diferença é que, dessa vez, quem está lá não é Mel Gibson, mas o ator britânico Tom Hardy. Capturado por soldados semisselvagens a bordo de carros turbinados, Max é levado à Cidadela, local onde milhares de pessoas vivem sob o domínio do ditador mascarado Immortan Joe (vivido por Hugh Keays-Byrne, que fez o vilão do primeiro Mad Max).

Quando a imperatriz Furiosa (Charlize Theron), uma das líderes da comunidade, se rebela e foge levando as mulheres do ditador, um exército é lançado à sua caça. Max vai como prisioneiro, mas, é claro, não tardará a conseguir se libertar. Pronto, já está lançado o pretexto para deflagrar as sequências de ação, recheadas de perseguições automobilísticas, explosões, tiros e brigas.

Com mais recursos técnicos à disposição do que há 30 anos, Miller consegue fazer um filme de tirar o fôlego. Tudo bem que o roteiro tem diversos clichês, que há alguns exageros (como alguém no meio das batalhas tocando uma guitarra que solta fogo) e um final previsível. O que importa é que, quando começam os combates, Estrada da Fúria hipnotiza o espectador. Para a felicidade dos fãs, ainda não foi dessa vez que Max foi derrotado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]