Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

CINEMA

Vai assistir a ‘Capitão Fantástico’? Então você precisa saber isto antes

Filme estrelado por Viggo Mortensen traz citações a importantes obras e conhecê-las é uma das chaves para aproveitar melhor a experiência

  • Ricardo Sabbag
  • Especial para a Gazeta do Povo
A família Cash de Capitão Fantástico: referências literárias para todos os gostos. | Electric City Entertainment/Divulgação
A família Cash de Capitão Fantástico: referências literárias para todos os gostos. Electric City Entertainment/Divulgação
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Capitão Fantástico, filme dirigido por Matt Ross e estrelado por Viggo Mortensen, em cartaz nos cinemas, conta a história de um pai que cria seus seis filhos de forma alternativa. Vivendo no meio de uma floresta no interior dos Estados Unidos, a família tem o que se pode chamar de educação doméstica, que neste caso implica em treinamentos físicos intensos e leitura de livros complexos para todas as crianças.

Mas, como o próprio filme diz, esta é apenas a trama. Capitão Fantástico vai além de simplesmente discutir métodos alternativos de educação. E uma das formas de se interpretar o filme com mais profundidade é entender as várias referências literárias citadas por ele – as leituras de cabeceira da família Cash. Afinal, antes de começar as filmagens de Capitão Fantástico, Ross mandou para Mortensen uma série de livros que compunham a base intelectual do protagonista. E mesmo os atores mirins do filme tiveram que estudar os conceitos filosóficos por trás da educação alternativa antes de interpretar seus personagens.

Armas, Germes e Aço: Os Destinos das Sociedades Humanas, de Jared Diamond

O livro de Jared Diamond, professor de Geografia e Fisiologia da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), que recebeu o prêmio Pulitzer de melhor livro de não-ficção de 1998, é lido por Kielyr, uma das filhas do meio de Ben Cash, personagem de Mortensen no filme. A obra busca explicar como as populações da Europa e da Ásia conseguiram sobreviver e conquistar outras civilizações ao longo da história, ainda que refute qualquer tipo de superioridade intelectual ou moral dessas populações. O autor argumenta que diferenças de poder e tecnologia entre sociedades humanas são originadas primariamente por diferenças ambientais, como, por exemplo, a influência geográfica, que pode facilitar o comércio entre povos diferentes.

Middlemarch: Um Estudo da Vida Provinciana, de George Eliot

Em Capitão Fantástico, Ben pergunta à pequena Zaja se ela está gostando do livro escrito por George Eliot publicado no fim do século XIX e tido como um dos maiores romances da literatura inglesa em todos os tempos (descrito por Virginia Woolf como “um dos poucos romances ingleses escritos para gente grande”). George Eliot, na verdade, era pseudônimo de Mary Anne Evans. Middlemarch é conhecido por suas várias tramas com um grande número de personagens que se cruzam em narrativas distintas mas interligadas. Aborda temas como o status da mulher na sociedade, a natureza do casamento, idealismo, religião, política e reforma da educação. O livro também investiga o modo de pensar profundamente conservador de uma comunidade ao enfrentar a perspectiva de mudanças inesperadas.

O Tecido do Cosmo, de Brian Greene

O Tecido do Cosmo é um esforço didático do professor da Universidade de Columbia Brian Greene, um dos mais importantes estudiosos da formação, evolução, estrutura e destino do cosmos, em explicar a teoria das supercordas, em que se concentram as maiores esperanças da comunidade científica em compreender a natureza dos componentes básicos do universo e sua relação com o espaço e o tempo. Referindo-se a personagens da cultura pop como Os Simpsons e Arquivo X, o livro trata de possíveis aplicações das teorias recentes da física como buracos de verme e viagens no tempo. Em Capitão Fantástico, o jovem Vespyr é instada a dar uma palestra sobre a Teoria M, um dos conceitos tratados no livro.

Os Irmãos Karamázov, de Fiódor Dostoiévski

“Se Deus não existe, tudo é permitido?”. A frase, atribuída ao último romance escrito por Dostoiévski e um dos maiores clássicos da literatura mundial, não é citada literalmente no texto do autor russo, mas define o espírito moral do debate provocado pela obra, que em Capitão Fantástico é lida por Rellian, filho do meio de Ben que tem um papel importante no desfecho do filme. Romance filosófico e policial, trata da complexa relação entre o devasso Fiódor Karamázov e seus três filhos: Aliócha, puro e místico; Ivan, intelectual e atormentado; e Dmitri, orgulhoso e apaixonado. Analogamente, há uma forte correspondência entre as histórias de Os Irmãos Karamázov e Capitão Fantástico.

Lolita, de Vladimir Nabokov

Um dos momentos altos de Capitão Fantástico é a interpretação de Vespyr para Lolita, clássico de Vladimir Nabokov. Provocada a falar sobre o livro, a jovem descreve com precisão a experiência de leitura da história do professor Humbert Humbert e da jovem Lola, em que o primeiro abusa fisicamente dela descrevendo-se apaixonado. Em Lolita, a narrativa em primeira pessoa leva o leitor a criar empatia com o protagonista, mesmo considerando que ele abusa sexualmente de uma adolescente na história do livro. Novamente a citação a uma obra externa serve como chave de leitura para se entender com mais profundidade Capitão Fantástico.

Noam Chomsky

Figura central em Capitão Fantástico, o linguista Noam Chomsky é o herói pessoal do protagonista Ben Cash, a quem a família celebra o nascimento em lugar do Natal. Considerado o pai da linguística moderna, Chomsky é conhecido por seu ativismo político, rigorosamente crítico ao governo dos Estados Unidos, e por se descrever como um socialista libertário, nutrindo “o caráter libertário e criativo do ser humano”. Sua contribuição para o campo das ciências humanas, de todo modo, é grande. Professor emérito do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), Chomsky é autor de trabalhos fundamentais sobre as propriedades matemáticas das linguagens formais, que influenciaram diretamente os estudos sobre a psicologia cognitiva e até a ciência da computação.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE