i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
G IDEIAS: Web

Como as redes sociais mentem para você

Com grandes audiências e credibilidade, influenciadores na web são usados pelas marcas como canais de publicidade – às vezes, de forma velada

  • PorRafael Rodrigues Costa
  • 01/01/2016 20:00
 | Design: Osvalter Urbinati
| Foto: Design: Osvalter Urbinati

Todo mundo que usa sites de redes sociais “segue”, “curte” e assina páginas de pessoas que não são propriamente celebridades, nem são amigas, colegas de trabalho ou conhecidas. Mas elas dizem coisas interessantes, importantes, engraçadas. Ou sabem muito sobre algum assunto – moda, fitness, gastronomia, games. E, aparentemente, fazem isso pelo simples prazer de compartilhar.

O que nem todo mundo sabe é que o marketing também segue os passos dessas pessoas e tem um nome para todas elas: “influenciadores”.

Com números altos de seguidores ou relevância e credibilidade em nichos mais ou menos específicos, esses perfis na rede são vistos como potenciais amplificadores de publicidade das marcas. E o marketing se tornou expert em usá-los – muitas vezes, sem ser percebido pelo público.

Embaixadores

Conforme explica o professor da FGV e da ESPM e consultor de marketing Edney Souza, a identificação do público com estes influenciadores é mais real que a de uma audiência de uma estrela de tevê. “É claro que a Xuxa não usava o hidratante Monange, nem a Gisele Bundchen usava Pantene. Mas quando uma menina faz um tutorial de maquiagem no YouTube, abre um produto e usa em frente à câmera, as pessoas podem ter certeza de que ela usa, e estão vendo como fica”, ilustra.

De acordo com o publicitário Eden Wiedemann, head de planejamento da agência Cumbuca, os influenciadores também são meios de as marcas entrarem nas redes sem parecerem “intrusas”.

“[Elas eram] muitas vezes aceitas, mas não necessariamente ganhando a ‘amizade’ que algumas buscam por parte de seus consumidores. Usar embaixadores para propagar sua mensagem foi a solução natural – solução inclusive que atende a demanda de maior valor dentro das redes: o compartilhamento de conteúdo aliado a uma chancela positiva por parte do consumidor”, explica.

PUBLIPOST

É como se chama o conteúdo publicado em plataformas como o Facebook, Instagram, YouTube e Twitter patrocinado por marcas.

Comum

A prática já é tão comum, segundo o publicitário especializado em Mídia Online Hilário Júnior, que as “opiniões” patrocinadas sobre produtos e serviços, por exemplo, se tornaram mais frequentes que as opiniões de fato.

“[Acontece] o tempo todo”, diz. “Conheço casos de blogueiras de moda, por exemplo, cujo todo o conteúdo que elas postam na internet é patrocinado... e patrocinado por muitos milhares de reais por dia”, conta, por e-mail.

Polêmica

No início de novembro de 2015, uma australiana de 18 anos chamada Essena O’Neill provocou um debate de alguns dias na rede quando confessou, em seu canal de YouTube (com mais de 250 mil assinantes), que suas postagens no Instagram (com outros mais de 600 mil seguidores) estavam repletas de publicidade oculta para vestidos, biquínis, joias, sapatos; que fotografias aparentemente casuais e espontâneas eram, na verdade, anúncios cuidadosamente elaborados; e que aquele mundo de aparências e números a estava deixando infeliz.

Assim como outras modelos adolescentes haviam inspirado Essena, ela influenciava milhares de jovens que a seguiam nas redes sociais, o que gerou discussões sobre os padrões que o esquema vem reproduzindo para este público – geração para o qual estar nas redes é praticamente uma condição de existência, e que é justamente o tipo de público que torna tais influenciadores tão valiosos para as marcas.

O caso também fez pensar sobre as implicações éticas de estratégias de marketing do tipo – embora não tenha ficado claro se o movimento da modelo não teria sido ele mesmo uma ação comercial, já que ela se tornou mais famosa do que nunca.

A publicidade velada, no entanto, não é regra (e infringe, aliás, o Código de Defesa do Consumidor: influenciadores como a famosa e polêmica blogueira fitness Gabriela Pugliesi já foram processados por isso).

É possível conviver com a prática na rede desde que ela seja feita de forma transparente – o que tende a ser a norma, de acordo com Edney Souza.

“Quem vai permanecer como influenciador neste mercado é quem consegue manter um acordo ético com seu leitor”, diz o professor, para quem o marketing no Brasil ainda está apenas começando utilizar influenciadores “menores” – opinião compartilhada por Eden Wiedemann, que diz que o “usuário comum” tem um potencial ainda a ser descoberto pelas marcas.

Vigias

A prática, na opinião de Edney, tende a ser cada vez mais vigiada pelos próprios usuários da internet, que costumam denunciar a publicidade ruim, ou até se afastar de quem pisa na bola – e é por isso que alguns dos próprios influenciadores também começam a ser mais seletivos em relação aos contratos que aceitam.

“Tem gente que era muito influente há anos atrás, e hoje em dia não é quase ninguém, porque enganou seu público e perdeu a credibilidade”, diz. “E é cada vez mais difícil crescer. Com o passar do tempo, quem está no topo tende a ser mais talentoso e mais ético”, defende. Até lá, é bom ficar atento: às vezes, quem você menos espera pode estar mentindo para você.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.