Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado

Michel Houellebecq, o mais comentado escritor francês dentro e fora da França nos últimos anos, está de volta com seu primeiro romance desde 2005.

Mais uma vez, consegue ser o assunto literário do fim do verão e das férias francesas, quando as editoras colocam à venda naquele país cerca de 600 novos títulos.

Os poucos que já leram La Carte et le Territoire (o mapa e o território), que será lançado no dia 8 de setembro, atribuem ao livro os adjetivos intrigante, surpreendente e engraçado.

Ele conta a história de Jed Martin, pintor e filho de um arquiteto famoso que faz suas obras a partir de mapas da Michelin.

O livro pode ter tons de comédia, mas as obsessões de Houellebecq por sexo e pela incompetência do ser humano para encontrar a felicidade estão lá, como estavam em Partículas Elementares, livro de 1998 que o projetou mundialmente.

Esses temas também estavam em Plataforma, seu outro sucesso, de 2001, que falava de turismo sexual e terrorismo e fazia duras críticas aos seguidores do Islã.

Desta vez, os alvos são a mídia francesa e o próprio Houellebecq.

Como muitos outros autores em crise de meia idade (Houellebecq tem 54 anos), o autor vira personagem em La Carte et le Territoire.

O retrato é pouco elogioso, para dizer o mínimo, mas se assemelha muito à realidade.

O Houellebecq ficcional é descrito como alcoólatra, deprimido, alguém que fede como um cadáver e que parece uma tartaruga doente por sua barriga e seus braços e pescoço muito magros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]