Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Gao Xingjian: único Nobel chinês | Arne Dedert/Die Zeit
Gao Xingjian: único Nobel chinês| Foto: Arne Dedert/Die Zeit

Prateleira

Viagem à China:

A Montanha da Alma, de Gao Xingjian (Alfaguara/Objetiva, 560 págs., R$ 47,90)

A Espera, de Ha Jin (Companhia das Letras, 352 págs., R$ 54,50)

Viver, de Hu Yua (Companhia das Letras, 216 págs., R$ 38)

As Boas Mulheres da China – Vozes Ocultas, de Xinran (Companhia das Letras, 256 págs., R$ 21 na versão de bolso)

Cisnes Selvagens – Três Filhas da China, de Jung Chang (Companhia das Letras, 520 págs., R$ 65,50)

Soa como filosofia oriental: se você quiser saber mais sobre a China, existem, basicamente, dois caminhos possíveis. Um é digitar "China" no Google (ou em outro site de busca), partindo para a leitura das páginas na Wikipedia e se afundando em informações que parecem não acabar nunca. Outro, é buscar fora da internet aquilo que ela ainda não oferece com freqüência – o que o crítico literário Harold Bloom chama de "sabedoria". Para isso inventaram a literatura.

Aprender algo sobre a China é também aprender um bocado sobre nós mesmos. Essa é outra idéia indissociável dos livros: lê-se a respeito de culturas, pessoais e experiências estranhas, mas o impulso é quase sempre pessoal e íntimo.

No que diz respeito à China, obras e autores se concentram em explicar a história e a sociedade do país. Tanto na ficção de Gao Xingjian, único chinês vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, quanto na não-ficção de Xinran, a jornalista que procurou explicar seu país para si mesma e para os outros.

Uma informação a considerar é o fato de os escritores chineses terem se exilado por opção – como Ha Jin – ou por necessidade – como a maioria. A seguir, confira alguns nomes que fazem a literatura de e sobre a China.

Gao Xingjian

Gao Xinjian é único escritor chinês vencedor do Prêmio Nobel de Literatura. Radicado em Paris, na França, ele recebeu a láurea no ano 2000, "por uma obra de valor universal, com uma lucidez amarga e uma ingenuidade lingüística que abriram novos caminhos para o romance e o teatro chineses".

Xingjian tem somente um título traduzido no Brasil – o mais importante de sua bibliografia: A Montanha da Alma (Alfaguara/Objetiva). O ponto de partida para a narrativa foi uma viagem que realizou pela China, em que teve contato com as culturas e etnias que compõem o país. Em busca das próprias raízes – e de liberdade –, ele criou uma obra que conjuga poesia e ousadia estilística.

Até receber o Nobel, Xingjian era pouco conhecido e bastante reservado. Fugia de entrevistas e publicava por uma editora pequena da França. Como artista plástico, produziu as capas e ilustrações de todos os seus livros.

Ha Jin

Pouco antes de completar 30 anos, em 1985, Ha Jin foi estudar nos Estados Unidos. Quatro anos depois, quando viu o massacre na Praça da Paz Celestial, em Beijing, decidiu que nunca mais voltaria para o seu país. Escrevendo em inglês, tem três livros publicados no Brasil, todos pela Companhia das Letras: O Ensandecido, Refugo de Guerra e A Espera, este venceu o National Book Award de 1999.

Ambientada na China dos anos 1960, A Espera conta a história de Lin Kong, um médico que tenta, durante 18 anos, se divorciar da mulher Shuyu, com quem casou por um arranjo entre as famílias, para poder viver seu amor verdadeiro, a enfermeira Manna Wu.

A esposa tosca que se recusa a conceder a separação personifica a China rural e arcaica, enquanto a enfermeira é a versão urbana do país. Entre os temas explorados pelo autor, estão o medo da solidão e a fragilidade dos vínculos familiares.

Yu Hua

No romance Viver, ao narrar a saga de um jovem andarilho que perambula pelo interior da China em busca de histórias e de canções folclóricas, Yu Hua, de 48 anos, conseguiu ser publicado em mais de uma dezena de países, além de ver sua obra ser adaptada ao cinema pelo chinês Zhang Yimou.

O protagonista de Viver encontra um velho, chamado Fugui Xu, e passa a escutar suas memórias. O relato constrói uma epopéia familiar que passeia por cinco décadas da história chinesa recente, começando com o final da Segunda Guerra Mundial.

Xinran

A jornalista Xinran nasceu em Pequim em 1958 e trabalhou no país até 1997, quando tentou publicar As Boas Mulheres da China e não conseguiu. Foi quando se mudou para Londres com o filho. Lá, conseguiu uma vaga no jornal The Guardian e pôde publicar suas crônicas durante mais de dois anos. A compilação dos textos deu origem a O Que os Chineses Não Comem, publicado pela Companhia das Letras.

Pela mesma editora, As Boas Mulheres da China saiu em 2003 e ganhou uma versão de bolso no ano passado. O livro é uma reunião de entrevistas com mulheres de idades e classes sociais distintas, feitas com o propósito de entender a condição feminina na China.

Jung Chang

Escreveu Cisnes Selvagens – Três Filhas da China (Companhia das Letras), em que repassa a história da China no século 20 por meio das memórias de três gerações de mulheres de uma mesma família. Vive na Inglaterra e, com o marido Jon Halliday, escreveu a biografia Mao – A História Desconhecida, um livrão de quase mil páginas, já publicado no Brasil.

Li Cunxin

Bailarino chinês radicado na Austrália, hoje com 47 anos, é autor da autobiografia Adeus China – O Último Bailarino de Mao, publicado pela editora Fundamento e um best seller no Brasil.

No livro, ele conta os percalços de sua vida, começando no vilarejo pobre onde passou a infância, no nordeste da China. Na juventude, ele admite que estava mais interessado "nos pássaros lá fora" do que no Livro Vermelho.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]