i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Evento

Em sua terceira edição, Litercultura fica indispensável

Ter um evento desse porte na cidade, dividido em “capítulos” que se espalham pelo ano todo, é uma sorte

  • PorSandro Moser
  • 31/08/2015 17:51
Jards Macalé fez o show de encerramento: muita coisa para contar. | Gilson Camargo/Divulgação
Jards Macalé fez o show de encerramento: muita coisa para contar.| Foto: Gilson Camargo/Divulgação

Se ainda não é o maior festival literário do país, o Litercultura, cuja a terceira edição terminou na noite de domingo (30), é o mais elegante. Começa pela escolha do Palacete Garibaldi, o “Galo das Trevas” em meio às casas históricas do bairro São Francisco.

Como aconteceu na primeira edição, em 2013, foi no amplo e iluminado salão do palácio – adornado por dezenas de lustres de cristal do século 19 – que durante três dias se falou de literatura, livros, leitura e arte, sob vários pontos de vista e com sotaques diversos.

Autores relembram “quadrado mágico” da literatura curitibana

Disputando atenção com a “feijoada de sábado”, a mesa das 14h30 reuniu Joca Reiners Terron e Christian Schwartz em conversa sobre Jamil Snege e Manoel Carlos Karam

Leia a matéria completa

Em relação à duas edições anteriores, a novidade de 2015 foi a curadoria de Manoel da Costa Pinto. Nos anos anteriores, a função coube a Mário Hélio Gomes, um dos idealizadores do evento ao lado de Manoela Leão, diretora do festival.

Com experiência em curadorias de eventos literários e trânsito no meio editorial, Pinto criou uma programação memorável, sem mudar a proposta inicial do Litercultura.

Na sexta-feira (28), com uma impressionante lua cheia a invadir as janelas do salão, Alan Pauls falou de sua obra sobre um viés cinematográfico, na conversa muito bem conduzida por Christian Schwartz.

Depois, num dos pontos altos de todo o evento, a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz e a historiadora Heloisa Starling falaram de forma descontraída e inteligente do livro “Brasil: uma Biografia”, uma das obras mais importantes publicadas no Brasil neste ano ao demonstrar como a violência é um traço histórico inescapável do país.

No segundo dia, um “sábado de verão” neste excêntrico inverno, ao menos 200 pessoas acompanharam o debate sobre duas figuras centrais da literatura curitibana: Jamil Snege e Manoel Carlos Karam (leia relato de Cristiano Castilho).

“Erotismo diz respeito a tudo, ninguém escapa”

A atmosfera meio marginal do Teatro Universitário de Curitiba (TUC), na Galeria Júlio Moreira, no Centro de Curitiba, pesou para a escolha do lugar para discutir literatura erótica no sarau Sex Libris

Leia a matéria completa
O momento

Meu candidato a grande momento de toda a programação foi a aula-show de José Miguel Wisnik sobre a relação entre as palavras escritas e as cantadas no país. A profundidade e a delicadeza com que Wisnik organiza seu entendimento sobre a arte popular deveriam ser o o olhar ideal sobre o legado cultural do país nesses dias estranhos.

Ao falar sobre as estruturas harmônicas e melódicas da canção popular, Wisnik escandiu as notas fazendo a alma nacional rimar com um lirismo e alegria perdidos. Uma apresentação emocionante.

Fim

De calça e camisa negras e tênis all-Star vermelho (combinando com os óculos), Jards Macalé fez, sozinho ao violão, o show de encerramento com as mesmas características do evento como um todo: elegante, divertido e com muita coisa para contar.

Ter um evento desse porte na cidade, dividido em “capítulos” que se espalham pelo ano todo, é uma grande sorte. Não é mais possível pensar no calendário cultural de Curitiba sem o Litercultura.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.