Nova fachada do museu, agora restaurada. Prédio  é de 1890. | Fotos: Hugo Harada / Gazeta do Povo
Nova fachada do museu, agora restaurada. Prédio é de 1890.| Foto: Fotos: Hugo Harada / Gazeta do Povo

Quem entrava no prédio do Museu da Imagem e do Som do Paraná, na Rua Barão do Rio Branco, 395, há dois anos, tinha a impressão de que seria quase impossível restaurar o imóvel, construído em 1890 e tombado na década de 1970. O fechamento do espaço por 10 anos causou sérias deteriorações em toda a estrutura física e nas pinturas originais do local, conhecido como Palácio da Liberdade, que serviu como sede do governo paranaense de 1892 a 1938. A reforma foi finalizada e entregue no fim do ano passado. Mas o MIS depende de orçamento para migrar o seu acervo, e finalmente abrir as portas para o público.

R$ 1,75 milhão

foi o valor gasto pelo governo do estado do Paraná para a reforma do Museu da Imagem e do Som. A previsão é de que o espaço abra as portas ainda neste ano.

Projeto permitiu a digitalização de 17 mil fotos

Cerca de 17 mil imagens fotográficas que pertencem ao acervo do Museu da Imagem e do Som do Paraná poderão ser vistos em breve pelo público na internet.

Leia a matéria completa

Com o espaço físico praticamente pronto (faltam pequenos ajustes, como colocação de algumas luminárias e nova vistoria do Corpo de Bombeiros), ainda não há uma data certa de quando o museu começa a sua mudança. Nesse período, o acervo, que conta com cerca de 1 milhão de itens, foi acomodado e disponibilizado para consulta no bairro Santa Cândida, no antigo complexo Banestado. De acordo com a Secretaria de Estado da Cultura (Seec), tudo depende da questão orçamentária, mas a intenção é de que o museu volte abrir as portas para o público neste ano.

A reabertura da sede central vai facilitar a vida de pesquisadores que procuram materiais no MIS. Além disso, um museu em funcionamento, com atrações para o público como exposições e mostra de filmes, pode contribuir para movimentar uma área problemática do Centro da cidade.

No edifício, haverá salas expositivas, miniauditório, biblioteca e salas para o acervo. Esses espaços, aliás, tiveram o chão reforçado para receber os pesados armários do MIS. Há várias pinturas originais que foram restauradas (uma delas está com problemas de umidade na parede, e um novo projeto de recuperação com tratamento químico está em andamento), vitrais e uma luminária da década de 1890. A reforma, de R$ 1,75 milhão, seguiu todas as diretrizes necessárias do patrimônio, por conta do tombamento.

Museu da Imagem e do Som retorna ao Palácio da Liberdade

O diretor do Museu, Fernando Severo, conta sobre como vai ser a nova instalação do MIS e o que a população pode encontrar no Museu.

+ VÍDEOS

Do projeto, a única mudança foi o fato de o MIS não poder ter um café. De acordo com o diretor do museu, Fernando Severo, uma lei estadual proíbe a comercialização de produtos em espaço públicos, e o local é ligado diretamente à Seec (diferente do Museu Oscar Niemeyer, que funciona como uma Organização Social). A restauração também conseguiu resgatar uma característica original do prédio, projetada pelo italiano Ernesto Gaita: antes do tombamento, um espaço foi construído e descaracterizou a fachada do canto direito, que foi demolida, retomando a simetria. Ainda é necessária a construção de mais um anexo nos fundos do prédio para o acervo, e um auditório com capacidade maior. Segundo Severo, já existe um projeto pronto para o local. Porém, sem verba prevista.

Associação

Novidade que pode ajudar o MIS a alcançar recursos para projetos é a formação da Associação dos Amigos do Museu da Imagem e do Som. Com isso, a associação pode se inscrever em projetos de lei, como a Rouanet, e colaborar para fomentar atividades no espaço.

  • Totalmente restaurado, reforma do MIS conseguiu resgatar a simetria da fachada original do prédio, de 1890.
  • Depois de uma década fechado, prédio começou obras emergenciais em 2013 .
  • Sem uso, prédio sofreu várias deteriorações em sua estrutura física.
  • Um dos salões principais do MIS, após a restauração.
  • Obra seguiu todas as diretrizes necessárias do patrimônio histórico; prédio é tombado desde a década de 1970.
  • O diretor do MIS, Fernando Severo, quer reaproximar a comunidade cinematográfica do museu.
  • Painel de Poty Lazzarotto, no pátio do MIS: artista fez a obra especialmente para o lugar em 1990.
  • Pinturas originais do prédio também foram restauradas.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]