Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
O percussionista Naná Vasconcelos encerra o evento com Yamandu Costa, no dia 27. | Antônio More Júnior/Arquivo Gazeta do Povo
O percussionista Naná Vasconcelos encerra o evento com Yamandu Costa, no dia 27.| Foto: Antônio More Júnior/Arquivo Gazeta do Povo

A segunda fase da Oficina de Música de Curitiba começou no último domingo (17) e segue até o dia 27, quando um show do virtuose do violão Yamandu Costa em parceria com o lendário percussionista Naná Vasconcelos encerra o evento no Guairão.

Até lá, a programação artística reúne representantes de vertentes distintas da música popular brasileira: há desde músicos ligados a gêneros mais tradicionais, como a viola caipira de Roberto Corrêa (nesta terça, 19, com Badia Medeiros), até artistas que trabalham numa linha mais pop e dançante, como o cantor Felipe Cordeiro (dia 23, na Boca Maldita).

De acordo com João Egashira, um dos diretores da segunda fase da Oficina, a ideia da programação é trazer músicos de qualidade, como já é característico do festival, mas também incluir no evento “uma MPB mais ousada”.

“A gente procurou trazer gente que pensa a música de forma menos tradicional”, explica o músico, responsável pela curadoria ao lado de Vadeco Schettini.

A pedido da Gazeta, o diretor elencou algumas das atrações que considera representativas desta linha – e que você não pode perder. Confira:

Dia 22, às 19h

Duratierra

Teatro Paiol. R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada). Grupo argentino com mais de dez anos de trajetória. “É um grupo considerado importante na música popular da América Latina, que pega uma música mais tradicional e dão a ela uma roupagem original. É uma leitura mais atual da música folclórica argentina.”

Dia 22, às 21h

Paulo Bellinati e Marco Pereira

Teatro da Reitoria. R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada). Os violonistas homenageiam mestres da música brasileira como Dilermando Reis, Garoto e Dominguinhos. “Dois violonistas que são um marco na história do violão brasileiro. Todos os que vieram depois deles os têm como referência. Mas tocaram pouco juntos na trajetória deles, e agora resolveram se juntar. Para os violonistas – e para quem gosta de violão – é um prato cheíssimo.”

Dia 23, às 17h

Felipe Cordeiro e Manoel Cordeiro

Boca Maldita. Entrada franca. O paraense é um dos artistas que se apresentam na Boca Maldita no dia 23. A programação do palco começa às 11 horas, com a Banda Gentileza, e termina com um show da Blindagem às 19h. Cordeiro ganhou destaque ao misturar a música tradicional do Pará com gêneros latinos dançantes. “É um concerto que deve agitar a Oficina”, diz Egashira.

Dia 23, às 21h

Renato Braz e Quarteto Maogani

Teatro da Reitoria R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada). O cantor gravou o disco “Canela” em parceria com o quarteto, em 2015. “Braz é um dos cantores mais importantes da MPB atualmente, e o Quarteto Maogani trabalha o repertório brasileiro com uma sonoridade mais camerística. É um concerto de bastante sensibilidade.”

Dia 24, às 12h30

Pandeiro Repique Duo

Capela Santa Maria. Entrada franca. O projeto reúne os percussionistas Bernardo Aguiar, integrante do Pife Muderno, e Gabriel Policarpo. “É uma formação inusitada, e o show deve contar com convidados. É um concerto que vale a pena conferir”, sugere o diretor.

Dia 24, às 19h.

Luiz Pié e Quarteto

Capela Santa Maria R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada). O cantor paulista de 27 anos apresenta seu CD de estreia, “Memória Afetiva”, lançado em 2015, com produção de Roberto Menescal. “É uma voz que está surgindo e promete se destacar na música brasileira”, explica Egashira.

Dia 27, às 21h

Yamandu Costa e Naná Vasconcelos

Guairão. R$ 36 e R$ 21 (meia-entrada). Considerados referências em seus instrumentos, os músicos se unem no palco do Guairão. “É um encontro inusitado entre duas figuras importantes da música brasileira. Promete ser uma surpresa.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]