Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Personagens dos contos de fadas (Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve, Cinderela, Peter Pan, Pinóquio, entre outros) e a turma do Sítio do Picapau Amarelo vivem mil e uma aventuras na montagem dirigida por Roberto Talma | Lenise Pinheiro e João Caldas/Divulgação
Personagens dos contos de fadas (Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve, Cinderela, Peter Pan, Pinóquio, entre outros) e a turma do Sítio do Picapau Amarelo vivem mil e uma aventuras na montagem dirigida por Roberto Talma| Foto: Lenise Pinheiro e João Caldas/Divulgação

O contador de muitas histórias

Flávio de Souza é a prova concreta de que idade é algo relativo. Com pouco mais de 50 anos, o também ator e diretor conserva um espírito jovem que se impregna em toda as suas obras.

Leia a matéria completa

Em cena

Confira mais informações sobre Sítio do Picapau Amarelo – O Musical:

- 70 pessoas estão diretamente envolvidas com a montagem. O cenário, por exemplo, é grandioso – com direito a um casarão giratório e árvores com até 5 metros de altura.

- Além de Flávio de Souza (adaptação) e Roberto Talma (direção), vale destacar os trabalhos de André Abujamra e Ronnie Kneblewski (direção musical); Fernanda Chamma (coreografia); João Irênio (cenografia); Maneco Quinderê (luz); Rick Ramos (projeções em 3D); Fernando Fortes (som); e Helena Araújo e Djalma Brilhante (figurino).

- O voo de Peter Pan é um dos momentos mais festejados pelo público. "As crianças perguntam muito do saci, que acabou não entrando na peça. Daí a gente brinca: ‘Ué, você não viu ele?’", diverte-se Mariana Elisabetsky, enfatizando o clima de fantasia que toma conta da plateia.

Genial

Há três anos em Curitiba, André Abujamra, responsável pela direção musical do espetáculo, só tem uma queixa a fazer sobre a cidade: "O pessoal aqui dirigi muito mal. Você dá sinal para pedir passagem e eles aceleram em cima", desabafa.

Foi nesse clima descontraído que o músico falou sobre a sua participação no projeto. Para ele, revisitar a obra de Lobato foi uma honra. "Foram os primeiros livros que li e muito antes de surgir a série na tevê", fala.

Das 13 músicas presentes na adaptação, sete são conhecidas do público – mas com arranjos novos – e seis foram criadas especialmente para a peça. "Optamos por uma sonoridade bem moderna, mas que deixasse transparecer o lúdico", comenta o músico.

Das novidades, criadas em parceria com Flávio de Souza (letras), ele destaca o tema da Dona Carochinha. "Ficou muito bonita", diz o artista, que define a faixa como "música búlgara pop com orégano"...

Para Flávio, a parceria – que vem de longa data – é fabulosa. "Ele é um gênio. Eu mandava a letra e – de repente – ele mandava tudo pronto e com uma rapidez impressionante.Coisa de maluco", fala o autor.

  • Números musicais e efeitos especiais prometem surpreender o público
  • Dezoito atores participam da montagem,que depois de Curitiba segue para o Rio

Um espetáculo para crianças de todas as idades. É assim que a equipe envolvida na peça Sítio do Picapau Amarelo – O Musical, que chega a Curitiba no próximo fim de semana (dias 30 e 31 de maio, no Grande Auditório do Teatro Positivo), resume a atração que traz para os palcos a magia da obra de Monteiro Lobato.

Tal definição faz o maior sentido: afinal de contas, quem não guarda alguma lembrança – por menor que seja – das histórias criadas pelo pai da literatura infantil brasileira? Por isso, coube a Flávio de Souza – experiente roteirista de tevê, cinema, dramaturgo e escritor – a missão de levar o universo fantástico do Arraial dos Tucanos para o teatro. "Foi um caminho tortuoso", diverte-se o autor.

Para chegar à ideia final, Souza releu todas as obras e manteve um diálogo constante com o diretor da montagem, Roberto Talma, figura das mais experientes na dramaturgia brasileira e responsável pelo retorno à telinha – em 2001 – de toda a turma do Sítio. "O Picapau Amarelo (um dos livros da série) foi o que me chamou imediatamente a atenção, pois conta com a entrada de muitos personagens dos contos de fadas na trama. Pensei nisso pelo fato de ter uma criançada que não viu o Sítio na tevê e que não conhece todos os personagens", resume o dramaturgo.

O musical revisita ainda um dos maiores clássicos de Lobato, Reinações de Narizinho, com direito a dois atos bem distintos: a apresentação geral de todos os personagens e a festa de casamento da Emília com o Marquês de Rabicó. "Para amarrar bem tudo isso, o Flávio de Souza optou por colocar o Visconde de Sabugosa como narrador e apresentando as memórias dele", completa Mariana Elisabetsky, de 30 anos, que interpreta a boneca de pano na encenação.

Para a atriz, que acumula participações em inúmeros musicais – O Mágico de Oz, Grease, A Flauta Mágica, entre outros –, encarnar o "alter ego de Lobato" foi mais que um desafio. "Só tinha feito heroínas até então. Nunca estive diante de um personagem que exigisse um trabalho corporal tão intenso. Confesso que na hora fiquei em pânico", relembra a artista, que recorreu às aulas de ioga para encontrar o tom certo para a sua Emília.

Referência

Levar Dona Benta e cia. para os palcos foi um presente e tanto para Flávio de Souza. "Monteiro Lobato é o ponto de partida, meu maior mestre. Admiro essa liberdade dele para contar histórias e se apropriar de personagens já conhecidos do público", fala.

Mariana, que dos 10 meses de idade aos 5 anos viveu entre a Inglaterra e os EUA, guarda lembranças marcantes dos livros. "Minha mãe, inclusive, encontrou muitas fotos em que eu apareço com a minha boneca Emília’, diverte-se.

O mais jovem entre os 18 atores participantes da montagem, João Maia, 18, que interpreta o Pedrinho, também tem uma relação forte com os textos de Monteiro Lobato. "Herdei vários livros da coleção da minha mãe", conta o ator, que vê o seu Pedrinho – hoje em dia – como um menino que adoraria se vestir de super-herói e viver mil e uma aventuras. "É um menino valente", sintetiza.

Convite

Por conta da frase que abre essa reportagem, fica um comentário importante de Souza: "Sempre que escrevo uma peça, penso no adulto também. A criança não vai sozinha ao teatro", avisa o dramaturgo.

Mariana emenda: "Tenho me surpreendido a cada apresentação. Vejo famílias inteiras, cada um com uma referência do Sítio do Picapau Amarelo. É um momento nostálgico e mágico para muitas pessoas", diz.

Além disso, João destaca a energia da equipe envolvida na atração. "Mesmo com tantos diferenciais, efeitos especiais e toda a parafernália colocada em cena, nunca vi uma equipe tão unida. Essa energia ressalta aos olhos da plateia", avalia o ator.

* * *

Serviço

Sítio do Picapau Amarelo – O Musical. Dias 30 e 31 de maio, às 15 horas, no Grande Auditório do Teatro Positivo (Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300). Ingressos: plateia inferior – R$ 84 (inteira) e R$ 44 (meia) – e plateia superior – R$ 64 (inteira) e R$ 34 (meia). Assinantes da Gazeta do Povo têm direito a 30% de desconto na compra de até duas entradas. Informações: (41) 3315-0808.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]