Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O leito robótico foi criado no Instituto Senai de Tecnologia em Metalmecânica em parceria com a AMR Robotics
O leito robótico foi criado no Instituto Senai de Tecnologia em Metalmecânica em parceria com a AMR Robotics| Foto: Inove Foto & Vídeo
  • Por Sistema Fiep
  • 14/07/2021 13:21

Atender às demandas da indústria, criando soluções tecnológicas integradas, aplicadas a produtos e processos, com foco na sustentabilidade e no desenvolvimento industrial de pequenas, médias e grandes empresas de vários setores industriais. Com esse objetivo, o Instituto Senai de Tecnologia em Metalmecânica desenvolveu, em parceria com a AMR Robotics, um protótipo de leito robótico que auxilia na movimentação do corpo. A ferramenta foi criada para reduzir os efeitos causados pela má circulação em pessoas que estão acamadas durante um longo período e traz impactos positivos para a saúde dos pacientes de terapia intensiva.

“Sempre existiu a necessidade de evitar a estase no leito em pessoas com baixo ou nenhum nível de consciência. Isso porque a imobilidade durante períodos prolongados traz diversos malefícios à saúde, incluindo tromboses, escaras, adinamia intestinal, perda e atrofia de massa muscular, entre outros”, explica Leonardo Arnoni, cirurgião oncológico e fundador da AMR Robotics, que teve a ideia junto com o seu sócio, o médico intensivista Márcio Ronaldo.

Muitas das complicações podem ser minimizadas com a utilização do leito robótico. “O robô é programado de maneira personalizada e executa movimentos lentos e precisos. Também permite que o paciente fique em posição ereta, auxiliando em momentos como alimentação, desmame ventilatório, recrutamento alveolar, entre outras ocasiões e é de fundamental importância para redução de tempo de internação e recuperação adequada”, conclui. Além disso, apresenta articulações que podem ser acionadas para alterar a posição do paciente. Também há a possibilidade de realizar a movimentação de apenas um membro, fazendo um trabalho fisioterápico, sendo possível utilizá-lo também para tratamento de pessoas com outros tipos de trauma ou paraplégicas.

Juliano Coelho, consultor de PDI e líder técnico da área de Desenvolvimento de Produto do Instituto Senai de Tecnologia em Metalmecânica, explica que para o seu desenvolvimento foram utilizadas diversas tecnologias de ponta disponíveis no Instituto, como design e engenharia de forma integrada, simulação computacional, impressão 3D, digitalização por luz estruturada, usinagem 5 eixos, entre outros. Após a homologação do equipamento, a ideia é buscar parceiros dentro da indústria para sua produção em larga escala.

Institutos Senai

Além do Instituto Senai de Tecnologia em Metalmecânica, o Senai no Paraná conta com mais seis ISTs setoriais e de abrangência estadual: Construção Civil, Celulose e Papel, Madeira e Mobiliário, Alimentos, Metalmecânica, Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Meio Ambiente e Química.

Eles possuem laboratórios para realização de ensaios em produtos e processos com inúmeros escopos acreditados junto ao INMETRO e com consultores especializados em processo produtivo, além de apoiar o desenvolvimento de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Toda a infraestrutura objetiva auxiliar as indústrias de pequeno e grande porte nos processos de garantia da qualidade e na aplicação de ferramentas e metodologias para aumento da produtividade.

Atuando em rede com outros Institutos Senai de Inovação do Brasil, os ISIs de Eletroquímica (Curitiba) e de Engenharia de Estruturas (Maringá) têm como missão propor soluções inovadoras para o desenvolvimento industrial. O primeiro nas áreas de nanotecnologia, corrosão, baterias, sensores e revestimentos industriais, por meio da elaboração de projetos de alto impacto industrial, tecnológico e econômico.

Já o ISI em Engenharia de Estruturas oferece soluções tecnológicas transversais como projetos de avaliação estrutural de novos materiais, estruturas leves e inteligentes, simulação computacional estrutural e caracterização mecânica e estrutural. Essas soluções podem ser aplicadas nas áreas de edificações, infraestrutura, máquinas e equipamentos, automóveis, aviões, navios, plataformas de petróleo, torres de transmissão e muito mais.

Para saber mais sobre os institutos acesse senaipr.com.br/tecnologiaeinovacao