i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
greve dos caminhoneiros

Ceasa de Curitiba vazio: “Nunca vi crise igual”, relata produtor rural

A paralisação dos caminhoneiros já atinge em 80% o abastecimento de frutas, legumes e verduras da Ceasa de Curitiba

  • PorEriksson Denk
  • 24/05/2018 09:58
Carregadores do Ceasa parados por falta de produtos nesta quinta-feira. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Carregadores do Ceasa parados por falta de produtos nesta quinta-feira.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

A greve de caminhoneiros afetou em pelo menos 80% o comércio de frutas e verduras do Ceasa de Curitiba. Nesta quinta-feira (24), quarto dia da paralisação nas estradas, a cena era incomum: boxes sem produtos e nada do corre-corre de carregadores, muitos dos quais estavam de braços cruzados. Essa situação já está causando desabastecimento. Frutas, por exemplo, já não são mais encontradas na Ceasa.

“Nunca vi uma crise igual. Caiu 80% das vendas. Não tem ninguém no Ceasa. Isso aqui era cheio”, conta o produtor Clóvis Nazaroff, de São José dos Pinhais, que só está conseguindo vender hortaliças.

- Leia também - Novo protesto de caminhoneiros ocupa Linha Verde e promete carreata até o Centro Cívico

“Desastre total”, resume Evandro Pilate, 64 anos, técnico em comercialização do Ceasa. De acordo com ele, o movimento vem caindo gradativamente desde segunda-feira (21), o primeiro dia da greve, até atingir o pico nesta quinta. Na sexta (25), segundo ele, a situação pode ser ainda pior.

- Veja também - PRF e Guarda Municipal escoltam caminhões-tanque para abastecer ônibus de Curitiba

A crise de abastecimento já afetou os preços. O saco de batata que custava R$ 80 passou para R$ 150 - no supermercado, o quilo saltou para R$ 5, o dobro do preço normal. A cenoura e o tomate também dobraram de preço. Cenoura e tomate vêm de Rio Grande do Sul e São Paulo, respectivamente, e precisam passar por pontos interditados pelos caminhoneiros.

“Frutas nem temos mais, só o que tem em estoque. Laranja vem de São Paulo, manga do Nordeste. Mamão, kiwi, tangerina não estão chegando. E as que tem já perderam a qualidade por conta do prazo de validade natural delas”, conta.

De acordo com Eronaldo Bonifácio de Oliveira, 38 anos, que trabalha no Box 1, não chegam caminhões desde segunda-feira. “Eram três ou quatro caminhões por dia. Não chega nenhum. Nós temos cargas com maçã, mexerica, caqui e pera parados na estrada. O que temos já está vendido. Mas antes tínhamos estoques cheios. Agora está tudo vazio”, conta.

Benassi Júnior, 48 anos, que trabalha há 20 anos no Box 13 e nunca viu situação igual. “Recebemos dez caminhões por dia e estamos há dois dias sem receber nada. O que tem ainda é o estoque, batata, cenoura. Frutas novas não recebemos mais”, conta.

A produtora de milho Lorete Oliveira Mudik, 42, de São José dos Pinhais, passou a vir para o Ceasa por estradas secundáriaspara evitar a greve dos caminhoneiros. “Eu já estou vendendo a R$ 25 o saco. O normal é R$ 12. A situação é bem delicada. A gente não sabe o que fazer”, afirma.

Um produtor de batatas que não quis se identificar afirmou que deve voltar com o caminhão cheio. “É uma situação difícil. Vendi para alguns restaurantes e só. Vou ter que voltar amanhã”.

Nossa Feira suspensa

A paralisação nacional dos caminhoneiros fez com que a prefeitura de Curitiba cancelasse a venda de frutas e verduras do progama Nossa Feira nesta quarta (23) e quinta-feira (24). O cancelamento acontece porque a Ceasa não está recebendo produtos frescos desde o início da greve.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.