Em Curitiba serviço  de energia deve ser normalizado entre a tarde desta quinta (18) e segue pela madrugada; em áreas rurais, equipes trabalham até sábado | Hamilton Bruschz/ Gazeta do  Povo
Em Curitiba serviço de energia deve ser normalizado entre a tarde desta quinta (18) e segue pela madrugada; em áreas rurais, equipes trabalham até sábado| Foto: Hamilton Bruschz/ Gazeta do Povo

Cerca de 350 mil imóveis estão sem luz no Paraná nesta quinta-feira (18) por causa das chuvas que atingiram no estado. A atualização é de um novo balanço divulgado no início da noite pela Companhia Paranaense de Energia (Copel) às 18h30. Durante a tarde, às 16h, cerca de 219 mil imóveis estavam sem o serviço. Em Curitiba, 18 mil casas ficaram sem energia e, até o momento, 2,4 mil imóveis aguardam o reestabelecimento da energia. Os bairros São Braz e Santa Felicidade são os mais afetados. 

Leia também: Chuva alaga casas na RMC e derruba telhado do depósito da Polícia Civil

Segundo a Copel, a região Noroeste é a mais afetada com 172 mil residências sem energia em 39 municípios. No norte, a situação é semelhante, com 152 unidades consumidoras desligadas. Em Maringá, por exemplo, há 24 domicílios sem luz e em Londrina 36 mil pessoas estão sem o serviço. No Oeste e Sudoeste, 120 mil imóveis ficaram sem luz e 23 mil aguardam atendimento. De acordo com a Companhia, além das tempestades, o vendaval derrubou sete postes na PR 445, rodovia perto de Londrina e isto aumentou o impacto da situação. Por enquanto não há previsão para o reestabelecimento do serviço.

A Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil e o Instituto Simepar continuam emitindo alerta de chuvas fortes, com possibilidade de vendavais e alagamentos em tempo real. No início da tarde, os ventos variaram entre 89,6 km/h e 99,7 km/h em Cascavel e Assis Chateaubriand de acordo com informações do Simepar.

Chegada do temporal a LondrinaLeonardo Monteiro Matheus/Colaboração

Com as chuvas desta quinta (18), o município de Guarapuava foi o mais atingido, com 35 casas destruídas em Guarapuava e 120 pessoas afetadas. Em Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) houve três deslizamentos e três pessoas permanecem desabrigadas. As informações foram divulgadas em um balanço da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil. Em Maringá, a tempestade derrubou um avião de pequeno porte usado para instrução de voo no Aeroporto Regional de Maringá - Silvio Name Júnior, com ventos que chegaram a 110 km/h.

Já no balanço da Defesa Civil de Curitiba, duas casas foram destelhadas nos bairros Cidade Industrial de Curitiba (CIC) e Uberaba. As ocorrências foram atendidas por funcionários da Prefeitura de Curitiba que distribuíram lonas para os moradores. De acordo com a administração municipal, não havia registros de pessoas desabrigadas. Além dessas ocorrências, a Defesa Civil também registrou sete quedas de árvores nos bairros Tingui, Tatuquara, Alto Boqueirão, Bairro Alto, Água Verde, Campina do Siqueira e Bacacheri. Equipes da prefeitura estão em alerta nas dez administrações regionais da cidade.

Segundo o telejornal Boa Noite Paraná, da RPC, três pessoas ficaram desabrigadas no bairro Caximba e foram atendidas pela Fundação de Ação Social (FAS). Em frente ao terminal do Campina Siqueira, uma árvore caiu em cima de um carro. E em Almirante Tamandaré, o bairro Tanguá foi um dos mais afetados com alagamentos, com pelo menos 20 casas destruídas. Um aterro ilegal em cima do rio complica a situação, já que vários entulhos foram jogados no local.

Falta de luz em Curitiba e RMC

Além destes locais, cidades da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) como Mandirituba, Quitandinha, Campo do Tenente , Lapa e Rio Negro foram as mais afetadas e mais de 14 mil unidades consumidoras tiveram o serviço interrompido. No momento, 900 aguardam atendimento. Em Ponta Grossa, 15 mil pessoas ficaram sem luz mas no momento dois mil imóveis seguem no escuro.

Em Curitiba, 111 equipes da companhias se mobilizaram para atender essas situações. Na capital, o serviço de normalização deve continuar de madrugada. Porém, não existe uma previsão de normalização do serviço em todas as regiões. Nas áreas urbanas, os trabalhamos devem prosseguir durante a madrugada e parte desta sexta-feira (19) e nas áreas rurais, as equipes trabalham até sábado (20). 

Denis Ferreira Netto/Gazeta do Povo

Segundo a Superintendência de Trânsito (Setran), o trânsito ficou complicado em algumas regiões. No Jardim social, entre os cruzamento com as ruas Professor Brandão e Itupava, os semáforos ficaram apagados por mais de duas horas.No Tarumã, havia semáforos apagados também na Avenida Victor Ferreira do Amaral. Agentes da Setran orientam os motoristas que passam pelo local.

Outros estragos 

Hamilton Bruschz/ Gazeta do Povo

A orientação para a população é evitar morros, locais com possibilidade de alagamentos além de não se abrigar em árvores ou perto de torres de transmissão. Além disso, as pessoas podem acionar o telefone de emergência 199 da Defesa Civil caso seja necessário. A população pode receber os alertas via SMS, mandando mensagem para o número 40199.

As chuvas fortes começaram na noite de quarta-feira (17). Várias casas foram alagadas na Região Metropolitana de Curitiba, sendo o município de Almirante Tamandaré o mais atingido, com 29 casas. Além disso o depósito da Polícia Civil, no bairro Hauer desabou, árvores caíram, ruas ficaram totalmente sem luz e ruas ficaram alagadas na capital

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]