Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Imagem de ônibus circulando em Curitiba
Ônibus circulam cheios, contrariando recomendação de distanciamento.| Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná

Mesmo com a necessidade de distanciamento social para prevenir a disseminação do coronavírus, os ônibus do transporte público de Curitiba estão circulando lotados durante o período de pandemia. A conclusão é de analistas do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), que nos últimos meses realizaram uma auditoria no sistema de transporte coletivo da capital.

Receba as notícias do Paraná pelo WhatsApp

Durante esse período, uma equipe técnica da Coordenadoria de Auditorias do tribunal vistoriou presencialmente estações tubo localizadas em diferentes pontos da capital paranaense. O objetivo foi verificar se estava sendo cumprido, na prática, o que estabeleceu a Lei Municipal 15.627/20, que instituiu o regime emergencial de operação do transporte coletivo.

Entre obrigações previstas na lei está "preservar a saúde dos usuários, através do reforço de ações de higienização e do dimensionamento da operação em conformidade com as diretrizes de distanciamento social recomendadas pelos órgãos e entidades de saúde pública". Para isso, a prefeitura garantiu um aporte de até R$ 20 milhões mensais às empresas prestadoras do serviço, como forma de compensar a redução no fluxo de passageiros e, com isso, assegurar a lotação mínima dos veículos.

Não foi o que os técnicos do TCE verificaram. A auditoria do órgão indica dois problemas centrais: "a inadequação da gestão do serviço frente à necessidade de distanciamento social preconizada na referida lei"; e "falhas relativas às políticas e controles de segurança das informações do sistema de transporte coletivo de Curitiba."

Diante do não cumprimento das medidas para garantir o distanciamento social entre os usuários, o tribunal recomendou que, no prazo de um mês, a prefeitura de Curitiba e a Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) estabeleçam o espaçamento do horário de pico no transporte coletivo, fixando horários distintos para o funcionamento das atividades no município. Também recomenda que o município aumente a fiscalização sobre essas determinações, a fim de evitar superlotação em períodos específicos.

O TCE sugere ainda que a administração municipal e a estatal apresentem, em até dois meses, um cronograma de ações voltadas à resolução de todas as falhas detectadas no sistema de tecnologia da informação relacionado ao transporte coletivo curitibano, com a designação dos responsáveis por cada uma das tarefas a serem desenvolvidas.

Urbs cita medidas de prevenção e diz que monitoramento é constante

Em nota divulgada no início da noite, a Urbs sustenta que não houve aumento dos repasses às empresas de ônibus, mas redução de mais de 50% dos valores mensais, "dos quais foram retirados a rentabilidade e a amortização de capital das empresas". Sobre as medidas de prevenção ao coronavírus, a companhia cita uma série de medidas adotadas desde o início da pandemia, como lotação máxima de 70% nos veículos, controle de entrada nos ônibus e marcações nos terminais para distanciamento de 1,5 metro nas filas, além do uso obrigatório de máscara.

Segundo a Urbs, o número de passageiros transportados diariamente ainda não chega à metade do registrado antes da pandemia, na casa de 750 mil. "Mesmo assim 80% da frota está circulando, sendo que nas linhas mais movimentadas e expressas 100% dos carros estão em circulação", diz a nota. A companhia afirma ainda que agentes estão permanentemente controlando o número de passageiros nos veículos e que o monitoramento das ações e do comportamento dos usuários é constante.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]