Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

SUJEIRA

Prefeitura recolhe quase 350 toneladas de entulho após chuvas do fim de semana

Entre os materiais coletados estão garrafas pet, sacolas plásticas, restos de construção civil, móveis danificados pela chuva e galhos carregados pelas águas

  • Raquel Derevecki
Cerca de 400 colaboradores participaram do recolhimento do entulho entre domingo  (4)e segunda-feira (5) | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Cerca de 400 colaboradores participaram do recolhimento do entulho entre domingo (4)e segunda-feira (5) Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quase 350 toneladas de entulho foram recolhidos após as chuvas fortes que atingiram Curitiba entre sábado (3) e domingo (4), alagando ruas e desalojando famílias. Esse total equivale a pouco mais da metade de todo lixo produzido nas praias paranaenses durante todos os 46 dias de temporada, quando a Sanepar recolheu cerca de 660 toneladas de lixo, ou ao peso de 70 elefantes adultos, que pesam cerca de 5 mil quilos cada um.

Leia mais: Homem morre após ser levado por enxurrada na região de Curitiba

Os principais locais afetados pelo temporal foram os bairros Fazendinha, Parolin, Boa Vista, Tatuquara, Novo Mundo, Pilarzinho, Cidade Industrial de Curitiba (CIC) e o Parque São Lourenço. De acordo com a prefeitura, entre os materiais recolhidos estão garrafas pet, sacolas plásticas, restos de construção civil, móveis danificados pela chuva e galhos carregados pelas águas. O recolhimento do lixo foi realizado pelas equipes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) no domingo e na segunda-feira (5).

No primeiro dia de trabalho, a ação aconteceu em caráter emergencial e recolheu 25 toneladas de detritos com o auxílio de oito caminhões e 32 pessoas. Já na segunda, foram coletadas 320 toneladas de entulho. O trabalho foi realizado dia e noite por 388 colaboradores e com o apoio de 69 caminhões de coleta, dois caminhões pipa e uma retroescavadeira.

Esse trabalho de limpeza é realizado pelas equipes a fim de restituir as áreas atingidas e manter a efetividade do sistema de drenagem. Segundo a SMMA, é normal o acúmulo de galhos, lixo e lama nos bueiros e caixas de captação - que ficam no subsolo das ruas - após fortes chuvas. Se essas estruturas não receberem limpeza adequada, a água não escoa devidamente, o que facilita a ocorrência de novos alagamentos.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/06/Curitiba/Imagens/Cortadas/ParqueSaoLourenço9An-1639-kTFH-ID000002-1024x683@GP-Web.jpg
A coleta do entulho gerado pelas chuvas foi realizada com o auxílio de uma retroescavadeiraAniele Nascimento/Gazeta do Povo

Prejuízos

O mau tempo afetou 1,5 mil pessoas em Curitiba e deixou mais de 200 desabrigadas. Ao todo, a Defesa Civil atendeu 223 ocorrências e dez vistorias emergenciais foram realizadas pelos técnicos plantonistas da Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi), e também pelo Corpo de Bombeiros.

O funcionamento de escolas na cidade também foi alterado devido aos temporais. Crianças dos CMEIs Santa Quitéria e Uberlândia e das escolas municipais Arapongas e Dario Vellozo foram dispensadas. A Escola CEI do Expedicionário abriu somente no período da tarde desta segunda-feira (5) e o CMEI Uberlândia voltará a atender na quarta-feira (7).

Chuva mais intensa do verão

Segundo o Simepar, essa foi a chuva mais intensa do verão - com 70,6 mm. Apenas no sábado à noite, a precipitação foi de 38,4mm em um período de meia hora, das 19h15 às 19h45. A medição foi realizada pela estação meteorológica do Centro Politécnico da UFPR, no Jardim das Américas.

Além de atingir as bacias do Rio Barigui, na região CIC, e do Rio Belém, na Regional Portão, alagamentos também foram registrados no Pinheirinho, Bairro Novo, Fanny, Água Verde, Hauer e Rebouças.

Protestos

Moradores da região do bairro Parolin, em Curitiba, bloquearam as ruas na noite desta segunda-feira (5) para chamar a atenção da cidade e do poder público para os estragos causados pelas chuvas do último fim de semana na região. O mesmo aconteceu na CIC, onde a população fechou a BR-376, no Contorno Sul, por quase seis horas na tarde deste domingo (4) em protesto. Os manifestantes tiveram suas casas alagadas e alegaram que a região não está recebendo a devida assistência da prefeitura.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE