i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
litoral do Pr

Surto de alergia por mariposas tem 120 novos casos de terça para quarta

Total de casos já chegava a 562 na manhã desta quarta-feira (29)

  • PorDa Redação
  • 29/11/2017 12:06
A espécie  tem as asas acinzentadas e o corpo laranja | Reprodução/Wikimedia Commons
A espécie tem as asas acinzentadas e o corpo laranja| Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

O surto de alergias provocadas por mariposas que atinge a cidade de Paranaguá, no Litoral do Paraná, desde o último domingo (26) teve cerca de 120 novos casos somente entre o fim da tarde da última terça-feira (28) e a manhã desta quarta-feira (29). Ao todo, já são 562 atendimentos realizados pelo município — número que preocupa por aumentar exponencialmente a necessidade de atendimento médico e medicamentos no sistema de saúde local.

A situação é gerada pela espécie Hylesia nigricans, que libera pequenas escamas durante o bater de asas, o que pode causar dermatite em algumas pessoas. Segundo Rafael Correia, superintendente da unidade de urgência e emergência de Paranaguá, o número de atendimentos na unidade quase dobrou com o início do surto.“Normalmente nossa média é atender 470 pessoas por dia. Com os casos de alergia, o número subiu para cerca de 800 pacientes diariamente”. Por isso, o secretário pede paciência para quem precisar de consulta. “Estamos conseguindo atender a todos, mas o tempo de espera está um pouco maior”, alerta.

Além do problema do atendimento, a grande preocupação do município é com o estoque de medicamentos para tratar a alergia, que está baixo. A superintendente da Vigilância em Saúde da cidade, Meirielle Zaicoski de Araújo, explica que a cidade está se preparando para atender a todos: “ A cidade de Matinhos cedeu alguns medicamentos para nós e já tivemos uma reunião que mobilizou a licitação de novas doses”, explica.

A origem do problema

De acordo com Raphael Rolim de Moura, biólogo e secretário de Meio Ambiente de Paranaguá, a situação está acontecendo por causa de uma fase normal do ciclo de vida das mariposas da espécie Hylesia nigricans. O que impressiona, na realidade, é a quantidade de insetos passando por esse período. “A questão é preocupante porque tem ligação direta com os problemas ambientais da região, especialmente o desmatamento”, esclarece Moura. De acordo com o biólogo, a falta de habitat faz com que as mariposas fiquem sem predadores e acabem se procriando excessivamente.

É importante alertar que não é qualquer tipo de mariposa que pode causar a alergia e que matar mariposas deliberadamente também pode causar um desequilíbrio no ecossistema. A espécie Hylesia nigricans tem as asas acinzentadas e o corpo laranja.

Caso seja detectado algum tipo de alergia, coceira ou vermelhidão na pele, a orientação é não passar medicamentos ou produtos sem acompanhamento médico. Uma unidade de saúde deve ser procurada o mais breve possível.

Colaborou: Cecília Tümler

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.