Carlos Ghosn foi afastado do comando da Nissan na quinta-feira | Patrick T. Fallon/Bloomberg
Carlos Ghosn foi afastado do comando da Nissan na quinta-feira| Foto: Patrick T. Fallon/Bloomberg

A queda repentina de Carlos Ghosn parece destinada a desencadear uma luta pelo poder entre a Renault e a Nissan Motor Co. pela aliança que ele supervisionou por duas décadas.

 Enquanto ambos os lados dizem que estão comprometidos com a parceria, já estão se preparando para uma batalha pelo controle da maior aliança de carros do mundo, disseram pessoas familiarizadas com as discussões. E com os governos da França e do Japão também interessados em defender seus próprios interesses, ele poderia se transformar em um dos mais difíceis disputas corporativas dos últimos tempos. 

 A prisão de Ghosn no Japão por suposta má conduta financeira abre a porta para a Nissan tentar reequilibrar a aliança, enquanto a Renault está se preparando para resistir a qualquer tentativa de minar sua posição. No início, a Renault era o parceiro mais forte, mas ao longo dos anos as circunstâncias mudaram: a Nissan agora vende um terço a mais de carros anualmente e tem mais lucro. 

Segundo Kenneth Courtis, presidente da Starfort Investment Holdings, um grupo de investimento:

 A crise acaba de começar para a aliança. Todas as situações problemáticas virão agora para a superfície.

 Esta reportagem é baseada em conversas com mais de meia dúzia de indivíduos próximos às empresas, que pediram para não serem identificados discutindo assuntos particulares. Um representante da Renault se recusou a comentar, enquanto um representante da Nissan não retornou imediatamente uma ligação pedindo comentários. 

A diretoria da Nissan retirou Ghosn do cargo de presidente na quinta-feira, três dias depois de sua prisão, uma surpreendente queda para um executivo amplamente creditado por resgatar a montadora do colapso em 1999. Com a saída de Ghosn, o diretor-executivo, Hiroto Saikawa, já está planejando uma revisão da aliança para torná-lo mais equitativo para a montadora japonesa, disseram pessoas familiarizadas com os planos. A Nissan também ficou incomodada com a intromissão do governo francês na aliança, disse uma pessoa. 

 Renault promete resistir

A empresa francesa vai resistir a qualquer mudança repentina para reformular o relacionamento, disseram outras pessoas familiares. Cenários possíveis incluem a entrada de outro parceiro, como a Daimler AG, da Alemanha, para fortalecer o braço europeu da aliança, disseram duas pessoas, embora nenhum desses planos esteja atualmente em discussão. A Daimler e a Renault-Nissan começaram a trabalhar juntas oito anos atrás em carros pequenos e vans de entrega. A cooperação de três vias é sustentada por uma participação acionária cruzada de 3,1%. 

 A França também pode eleger um executivo com credibilidade em ambos os lados, como o vice-presidente executivo da Toyota Motor, Didier Leroy, para atuar como intermediário, disse uma pessoa. O francês e ex-executivo da Renault, 60 anos, é uma figura bem conceituada no Japão. Leroy se recusou a comentar. 

 Uma reunião da aliança está prevista para a próxima semana em Amsterdã, que pode incluir a Daimler, disse uma pessoa com conhecimento do assunto. 

LEIA TAMBÉM: A tensão entre a Nissan e a Renault se aprofunda com a prisão de Ghosn

A Renault, que tem o Estado francês como seu maior acionista, tem uma participação de 43% na Nissan, que por sua vez possui apenas 15% da Renault, sem direito a voto. Esse desequilíbrio causou ressentimento na Nissan durante anos. 

 Ultimamente, a estrutura tornou-se cada vez mais controversa no Japão devido ao melhor desempenho da Nissan. A Nissan vendeu cerca de 5,8 milhões de carros no ano passado - em comparação com apenas 3,7 milhões para a Renault - e tem ligações com a China, onde a Renault tem apenas uma pequena presença, e os EUA, onde a montadora francesa está ausente. 

 De acordo com a legislação societária japonesa, os direitos de voto da Renault poderiam ser cancelados se a Nissan aumentasse sua participação para mais de 25% na montadora francesa. Sob as regras francesas, se a Renault reduzir sua participação na Nissan para menos de 40%, ela ajudará a montadora japonesa a obter o direito de voto na empresa francesa. 

 Antes de sua prisão esta semana, Ghosn estava ocupado trabalhando em planos para tornar a aliança "permanente", possivelmente por meio de uma fusão, conforme relatado pela Bloomberg em março. Esse empurrão estava enfrentando a resistência de dentro da Nissan, inclusive de Saikawa, seu ex-protegido. 

 Parceria é mais importante que futuro de Ghosn

Ambos os lados concordam que o futuro da parceria é mais importante do que o destino de Ghosn, que permanece na mesma prisão que os condenados à morte do culto japonês que perpetrou o ataque ao metrô de Tóquio em 1995, muitos dos quais foram executados apenas alguns meses atrás

 As acusações contra ele eram de natureza precisa e séria, disse um funcionário do governo francês próximo ao presidente Emmanuel Macron. Ele também disse que a França está disposta a manter conversações de longo prazo sobre como ajustar o pacto de acionistas para lidar com as tensões, mas não agora e certamente não até que a atual situação de governança seja esclarecida. A Renault substituiu Ghosn como CEO temporariamente enquanto aguarda mais informações. 

 Macron acompanhou a prisão de Ghosn na segunda-feira pelas manchetes, assim como seu ministro da Fazenda e os responsáveis pela participação do Estado na Renault, segundo duas pessoas com conhecimento do assunto. O chefe de Estado francês não recebeu qualquer aviso de que o problema estava surgindo para Ghosn, apesar de a Renault empregar quase 50 mil pessoas na França. 

 A Nissan pode ter sido motivada a manter os franceses fora do circuito por causa de suas lembranças de uma contundente disputa de poder em 2015, quando Macron, como ministro da economia, aumentou a participação do governo na Renault sem avisar Ghosn ou os japoneses. Isso permitiu à França frustrar os esforços da Nissan para aumentar sua influência na montadora francesa. 

LEIA TAMBÉM: A concentração de poder provocou os problemas na Nissan?

O conflito não poderia vir em um momento mais perigoso. O lançamento de veículos elétricos e um movimento em direção à direção autônoma estão apresentando desafios de longo prazo e exigindo enormes investimentos, fazendo com que a escala de fabricação e o setor de pesquisa e desenvolvimento da aliança sejam mais importantes do que nunca. Uma separação entre produção conjunta, desenvolvimento de modelos, compartilhamento de mecanismos e compra de peças pode causar anos de desordem. 

 Os investidores, surpreendidos pela prisão de Ghosn por suposta má conduta financeira e temendo uma batalha corporativa destrutiva, venderam as ações de ambas as empresas. As ações da Renault caíram mais de 6% na semana passada, enquanto a Nissan caiu cerca de 4% desde o início do escândalo. Com US$ 36 bilhões, o valor de mercado da Nissan é quase duas vezes maior que o da Renault. 

 "Todas as partes envolvidas devem estar cientes de que a última coisa que a Nissan e a Renault precisam é de uma gestão contínua e cultural que acabaria por levar a uma aliança disfuncional e à desvanecimento da competitividade", escreveu Arndt Ellinghorst, analista da Evercore ISI, em relatório a clientes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]