i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Aviação

Anac diz que Nova Varig vai operar com malha aérea atual mas não define prazo

  • PorO Globo/O Globo Online
  • 07/11/2006 18:06

O presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, disse nesta terça-feira que a VRG (Nova Varig) definiu que vai começar a operar com a malha atual, composta de 15 aeronaves para nove destinos domésticos e quatro internacionais. Segundo Zuanazzi, a partir desta definição, o processo de concessão será mais ágil, porém sem especificar datas para isso.

As rotas da Varig vendidas em leilão à VarigLog permanecem congeladas mas, na avaliação de Zuanazzi, se não houvesse litígio as rotas já seriam distribuídas. A agência defende que as rotas devem ser logo licitadas e a Justiça do Rio entende que, pelo artigo 60 da Lei de Recuperação Judicial, ao vender as rotas em leilão, elas devem permanecer por um prazo específico em poder dos novos donos, a partir da concessão como empresa aérea.

— Já que há um litígio, o mais importante é como ela (Nova Varig) vai começar. E a empresa definiu que vai começar do tamanho que está. As demais linhas permanecem congeladas até que a solução do litígio — disse Zuanazzi.

Zuanazzi, que esteve na posse do presidente da TAM, Marco Antonio Bologna, na presidência do Sindicato Nacional das Empresas Aéras (Snea), disse que a autarquia está estudando juntamente com a Petrobras e a Agência Nacional de Petróleo (ANP), uma nova forma de cálculo do QAV (combustível de aviação). De acordo com Zuanazzi, estudos feitos pela Anac apontam queda de todos os custos relacionados à aviação mas o combustível, que responde por 35% a 45% dos gastos das empresas aéreas, continua sendo pesado.

O custo do QAV tem sido motivo de reclamação da direção do Snea e, ontem, foi listado dentro de uma série de medidas emergenciais apresentadas pelo Snea em ofício à Anac. As companhias aéreas representadas por seu sindicato pedem redução de 15% no custo do QAV para minimizar as perdas causadas pela operação padrão dos controladores de vôo.

Zuanazzi disse que nesta segunda-feira terá uma reunião no Rio com representantes das companhias aéreas para discutir os pedidos apresentados no oficio que, além da redução do QAV, pede também a diminuição em 50% dos gastos com tarifas aeroportuárias.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.