i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Câmbio

Analistas ouvidos pelo Financial Times dizem que dólar deveria ir a R$ 5

Especialistas apontam que fragilidade do país aponta para necessidade de desvalorização maior do real

    • Estadão Conteúdo
    • 09/02/2016 08:50
     | Rafael Neddemeyer/Fotos Públicas
    | Foto: Rafael Neddemeyer/Fotos Públicas

    O jornal britânico Financial Times publica reportagem na edição impressa desta terça-feira (9) em que discute o valor da moeda brasileira. A matéria destaca a avaliação de alguns analistas que entendem que o real deveria se desvalorizar ainda mais e citam como referência o preço de R$ 5 por dólar.

    Diante da frágil situação econômica e com o segundo maior déficit público entre os grandes emergentes – atrás apenas da Arábia Saudita, a reportagem cita que parte do mercado entende que o dólar deveria “estar mais perto de R$ 5 do que de R$ 4”. O dólar fechou a sexta-feira a R$ 3,91. Para os ouvidos pelo FT, o elevado juro oferecido pela renda fixa brasileira e as intervenções do Banco Central mantêm a moeda nesse patamar.

    Além dos problemas internos, a reportagem cita que a moeda brasileira também é bastante vulnerável e exposta à China. Uma desaceleração mais forte da segunda maior economia do mundo ou até mesmo o risco de um pouso forçado chinês poderiam, segundo os entrevistados, aumentar ainda mais a pressão sobre o real.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.