i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Internet

Anatel diz acompanhar de perto serviço inicial de 4G

Segundo o presidente da agência, João Rezende, o grande desafio do setor é referente ao 2G, que tem "serviço limitado"

  • PorAgência Estado
  • 06/08/2013 10:08

O presidente da Anatel, João Rezende, disse nesta terça-feira, 6 que o órgão regulador está acompanhando de perto a prestação inicial dos serviços de quarta geração (4G) pelas empresas de telecomunicações. "Estamos acompanhando os serviços, desde o primeiro jogo da Copa das Confederações", afirmou Rezende em entrevista após evento de apresentação da empresa On Telecom, em São Paulo.

Segundo Rezende, o grande desafio do setor é referente ao 2G, que tem "serviço limitado". Sobre o 4G, ele reforçou que é importante as empresas irem informando sobre a cobertura da nova tecnologia, que está limitada à área de 50% das cidades. Ele acrescentou, porém, que até o final do ano essa área de cobertura precisará chegar a 80%.

Em relação aos serviços de 3G, Rezende afirmou que não acha que este serviço esteja "em baixa". Ele se baseou no resultado da avaliação trimestral das empresas realizada pela Anatel que mostrou uma evolução nos serviços das operadoras.

Já o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse que pretende melhorar as condições de negócios na área de telecomunicações. Segundo ele, as grandes empresas "não enxergam" as zonas periféricas para oferecer serviços de internet.

"Há uma desigualdade na oferta dos serviços". Segundo o ministro na região da avenida Paulista, por exemplo, existem várias empresas concorrendo, mas na periferia há uma ou duas empresas, com serviços caros e deficientes", disse Bernardo.

Segundo Bernardo, uma das prioridades do governo é ampliar a cobertura de internet, sobretudo do serviço fixo. "Um País do tamanho do Brasil tem uma velocidade muito lenta de internet", disse o ministro no mesmo evento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.