i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tributos

Anfavea: renúncia fiscal com IPI é de R$ 8,3 milhões/dia

Segundo a entidade, o valor é a diferença da perda diária de receita de R$ 20,3 milhões com o renúncia do IPI, compensada pelo aumento na arrecadação do PIS/Cofins

  • PorAgência Estado
  • 06/09/2012 11:53

Cálculos da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) apontam que a redução do Imposto de Produtos Industrializados (IPI) sobre veículos, em vigor desde o final maio, trouxe uma renúncia diária de R$ 8,3 milhões em impostos para o governo federal. Segundo a entidade, o valor é a diferença da perda diária de receita de R$ 20,3 milhões com o renúncia do IPI, compensada pelo aumento na arrecadação do PIS/Cofins, de R$ 12 milhões por dia, graças ao crescimento nas vendas de veículos.

No entanto, se forem considerados os ganhos de Estados com o Imposto Sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e a com o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), houve um aumento total na arrecadação de impostos no País, pós-queda do IPI, de R$ 5,7 milhões por dia.

Segundo o presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, a média diária de vendas saiu de 12,4 mil de automóveis e comerciais leves antes da queda do IPI para 16,9 mil depois da redução, uma alta de 35,2%. "Esperamos que essa média siga até outubro (quando deve acabar o benefício fiscal)", disse Belini. O nível de emprego no setor automotivo cresceu de 145 mil postos, em maio, para 147,7 mil, em agosto. "A medida alavancou ainda outros setores, já que existem cerca de 200 mil empresas na cadeia", disse.

De acordo com Belini, as montadoras e o governo não discutem medidas para que a redução no IPI ou qualquer outro imposto seja permanente. "Infelizmente é a realidade, e vamos sentar no final de outubro e negociar. Uma queda permanente depende de ampla reforma fiscal e não sai do dia para a noite", afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.