i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
trabalho

Após Renault e Volks, Volvo também tem paralisação

Ao todo, mais de 10 mil empregados das três montadoras estão em greve pedindo reajuste salarial

  • PorAndré Lückman
  • 15/09/2009 21:10

Reajuste de 10% encerra greve de Toyota e Honda

Folhapress

Campinas e São Paulo - Depois de um dia de greve, funcionários da Toyota, em Indaia­­tuba, e da Honda, em Sumaré, retomaram ontem o trabalho após aceitarem a proposta das duas montadoras de reajuste salarial de 10%, o maior negociado no setor.

O reajuste de 10% inclui 4,4% para repor a inflação acumulada nos últimos 12 meses e 5,35% de aumento real. A negociação foi feita diretamente entre sindicalistas e a direção da Toyota e da Honda.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e região, ligado à Intersindical (organização que reúne um grupo de sindicatos dissidentes da CUT), havia pedido 14,65% de reajuste. As montadoras ofereceram 6,53% – índice que foi aceito na semana passada por metalúrgicos do ABC e de outras regiões de São Paulo, como Taubaté e São Car­­los. Nessas localidades, entretanto, os trabalhadores receberão também abono de R$ 1.500.

O índice de 6,53% foi proposto pela Sinfavea (sindicato das montadoras) – e inclui 4,4% de reajuste e 2% de aumento real.

A Toyota e a Honda não quiseram se manifestar sobre o que as levou a aumentar o índice para 10%. Para o sindicato da categoria em Campinas, a elevação das vendas neste ano justifica o acordo.

"A aceitação dos 10% por parte da Toyota e da Honda mostrou que os sindicatos que aceitaram proposta inferior a esta estavam equivocados", diz Jair dos Santos, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas.

GM

Os trabalhadores da General Motors, em São José dos Campos (SP), que pararam por 24 horas na segunda-feira, voltaram a trabalhar na manhã de ontem. A em­­presa, porém, acionou o Tri­­bunal Regional de Trabalho de Campi­­nas após a paralisação. Uma audiência de conciliação entre a GM e o Sindicato dos Me­­talúrgicos de São José dos Cam­­pos foi marcada para ontem mesmo, mas terminou em im­­passe. Segundo o sindicato, o resultado da audiência irá determinar os próximos passos da mobilização. Eles pedem redução de jornada para 36 horas semanais e estabilidade de dois anos no emprego, além de 14,65% de reajuste salarial.

Na manhã de ontem, os funcionários da fábrica de caminhões Volvo engrossaram a massa de trabalhadores parados na região metropolitana de Curitiba. Somados à Renault e à Volkswagen, agora são 11,1 mil empregados diretos das três montadoras de veículos em greve por reajuste salarial.

Os dez dias de braços cruzados na Volks somados aos oito da Renault já resultam em 14,3 mil automóveis a menos sendo produzidos, enquanto a Volvo ontem deixou de fabricar 50 caminhões, 50 cabines e 40 motores. Isso significa uma perda de aproximadamente 40% da produção mensal, justamente quando as empresas estariam no sprint dos últimos dias de IPI reduzido, que volta a subir em 1º de outubro.

As negociações dos trabalhadores, intermediadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), permanecem rejeitando as propostas patronais, que oferecem 2% de aumento real mais a reposição inflacionária (4,44% do INPC) e um abono de R$ 2 mil.

Apesar de analistas do setor automotivo avaliarem que a indústria de veículos ainda detém boa saúde financeira, reflexo de anos seguidos de resultados positivos, dados estaduais mostram que o ritmo das montadoras do Paraná ainda está bastante inferior ao que se teve em 2008 (veja matéria ao lado).

Segundo dados do Depar­tamento Intersindical de Esta­tísticas e Estudos Socioeco­nô­micos (Dieese), nos últimos quatro anos os metalúrgicos tiveram aumento real médio de 3,28%. De acordo com o economista do Dieese Cid Cordeiro, a oferta de 2% representa pouco frente às últimas negociações. "Os salários médios do setor em Curitiba continuem 50% inferiores aos dos metalúrgicos do ABC Paulista", avalia.

Os empresários, por outro lado, argumentam que os impactos da crise derrubaram o setor – dados da Anfavea apontam que a produção de automóveis acumulada entre janeiro e agosto está 8,5% inferior ao mesmo período do ano passado.

Analistas do mercado automotivo avaliam, no entanto, que as montadoras no Brasil não passam por problemas de saúde financeira. O consultor do setor automotivo e diretor da Trevisan Consultoria Olivier Girard avalia que o fechamento da produção de dezembro repetirá os resultados de 2008, que foi um ano muito bom para o setor. "Se houver queda, será muito ligeira. É verdade que nesse ano houve uma diminuição violenta nas exportações, mas o mercado interno teve boa reação com a diminuição do IPI. Um praticamente anulou o outro. A saúde financeira das empresas no Brasil está boa, bem diferente das nos Estados Unidos", diz.

A análise da consultoria CSM Worldwide é ainda mais ousada: em nível nacional, ela estima ao fim do ano um volume de vendas 9% superior ao que se teve em 2008, com produção praticamente estabilizada (menos 0,8%).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.