i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Trabalho

Aumento é tido como arma para combate à crise financeira

  • 03/03/2009 21:20

O aumento do salário mínimo, pelo menos no entender do governo estadual, é também uma arma importante no combate aos efeitos da crise econômica por aqui. "O aumento da renda gera mais consumo e reaquece a economia. Mais do que nunca uma medida como essa é necessária", diz o secretário estadual do planejamento, Enio Verri. "O aumento da renda, junto com o crescimento do crédito, foram responsáveis por garantir o avanço da economia nos últimos anos", acrescenta Cid Cordeiro, economista do Departamento Intersindical de Estatística e Assuntos Socioeconômicos (Dieese).

Efeito limitado

Mas a eficácia do reajuste como medida anticrise não é consenso entre economistas. Para o professor do departamento de economia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Marcelo Curado, embora a iniciativa seja boa, ela terá efeito limitado, uma vez que abrange uma parcela pequena da população do estado. "Usar o aumento do mínimo regional como instrumento de combate à crise tem um efeito muito mais retórico do que prático", diz o economista.

Para ele, um fato que precisa ser levado em consideração é que, em uma época em que a demanda está em queda, o aumento também pode favorecer demissões e o crescimento da informalidade. "Mas temos que ser cautelosos na análise. Assim como ele não terá o efeito positivo esperado, ele também não vai provocar demissões em massa", diz.

Juros

Para analistas, mais do que o aumento do salário mínimo, a redução agressiva dos juros é, de longe, o grande o trunfo de que dispõe o Banco Central (BC) para contornar a crise. Acelerar o investimento público e promover desonerações tributárias – como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis também são iniciativas bem-vindas, mas há dúvidas quanto ao espaço fiscal disponível para isso, já que a queda da arrecadação pode limitar esse tipo de ação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.