i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polêmica

Azeredo aceita adiamento, mas defende seu projeto de regulamentação da internet

  • PorO Globo/O Globo Online
  • 07/11/2006 17:38

Diante da polêmica suscitada pelo projeto que tipifica os crimes cibernéticos e exige o cadastramento de todos os usuários de qualquer site na internet, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), decidiu retirar a matéria da pauta de votação desta quarta-feira. Embora o relator da matéria, senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), tenha subido nesta terça na tribuna para defender seu parecer, ele não se opôs ao adiamento de pelo menos duas semana da apreciação do projeto.

- Da minha parte, não tenho nenhuma pressa em aprovar o projeto. Quero que ele seja o resultado de consenso, que seja bem discutido - concordou Azeredo.

De qualquer forma, o senador mineiro considera essencial que seja feita uma adaptação urgente da legislação brasileira no sentido de tipificar os crimes cibernéticos. Segundo ele, os incidentes de segurança registrados no Brasil no ano passado chegam a 68 mil, o que deixa o Brasil na condição de segunda maior origem da ação dos chamados ‘hackers’. Azeredo argumentou ainda que esse é um tema de debate hoje no mundo inteiro e rebateu as críticas de que seu parecer atente contra a privacidade do usuário.

- Não é verdadeira a informação de que o projeto estaria prevendo que a navegação das pessoas pela internet seria rastreada. Não existe isso na lei, não existe isso no projeto! Sou profissional da área de informática e seria o último a trabalhar contra a nossa grande arma da liberdade, que é a internet. Quero ainda dizer que não existe nenhuma restrição à liberdade de expressão - salientou.

Azeredo recebeu a solidariedade do senador Tião Viana (PT-AC), que elogiou a coragem do colega em levantar o debate sobre o tema:

- Sei que V. Exª agiu com a clara intenção de estabelecer uma regra para um assunto tão difícil e tão obscuro ainda na legislação brasileira. Temos o dever de legislar e amparar os usuários do sistema de informação por meio da internet, mas não o fizemos ainda. A condenação precoce a esse projeto é própria de quem não conhece o processo legislativo e não entende que o primeiro passo de uma longa caminhada foi dado em um projeto que V. Exª apresentou.

Interatividade

Os leitores da Gazeta do Povo Online podem opinar, ainda sem digitar o CPF, sobre o polêmico tema. Até as 16 horas desta terça-feira (7), 732 usuários responderam a pergunta: "Você é contra ou a favor do projeto?" 48% consideraram "absurdo", 26% se disseram contra e apenas 25% são a favor de um maior controle na rede. (Clique aqui e participe da enquete)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.