i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
CÂMBIO

BC da China critica declaração de Obama sobre câmbio

  • PorAgência Estado
  • 12/03/2010 07:30

O vice-presidente do Banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país), Su Ning, criticou hoje a sugestão do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de que a China deveria aplicar uma taxa de câmbio mais orientada pelo mercado. Su indicou que os EUA não deveriam olhar para o yuan como a resposta para os problemas da economia norte-americana.

"Nós não concordamos com a politização da questão da taxa de câmbio do yuan", disse Su. "Nós também não concordamos que um país tenha problemas e outro país os resolva", acrescentou. Os comentários de Su, feitos durante o Congresso Nacional do Povo, foram feitos em um momento significativo.

No domingo, será encerrada a décima sessão legislativa anual chinesa, que será seguida pela coletiva de imprensa anual do primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, marcada para as 23 horas de sábado (horário de Brasília). Além disso, no próximo mês o Departamento do Tesouro dos EUA vai divulgar seu relatório semestral, que poderá designar a China como um manipulador cambial.

No ano passado, Wen falou sobre as preocupações da China com o fato de que suas grandes propriedades de ativos norte-americanos não sejam seguras. O comentário, franco e incomum, destacou a potencial fragilidade da relação econômica entre China e EUA.

Ontem, durante a conferência do Banco de Exportação e Importação dos EUA, Obama afirmou que uma mudança na taxa de câmbio da China ajudaria o G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo) em seu amplo movimento para reequilibrar a economia global. Assim, países com superávits externos, como a China, aumentariam o consumo e a demanda doméstica, enquanto países com déficits externos, como os EUA, economizariam e exportariam mais.

Su disse que taxas de câmbio não necessariamente resolvem os desequilíbrios comerciais. "Nós acreditamos que a questão da taxa de câmbio não vai ajudar a reduzir ou a aumentar nossos superávits ou déficits comerciais (nos EUA ou na China)", afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.