i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Dívida

BC pode cobrar R$ 44,6 bilhões dos bancos Nacional e Econômico

Tanto o Econômico quanto o Nacional poderão fazer o que fez o Bamerindus: parcelar a dívida nos moldes do Refis, ou seja, dividir o passivo em 180 meses

  • PorAgência O Globo
  • 05/03/2012 17:46

O Banco Central (BC) vai cobrar na Justiça R$ 44,6 bilhões caso os bancos Econômico e Nacional não fechem um acordo - até o mês que vem - sobre como pagarão o débito com a instituição. O valor já tem o desconto autorizado pela Lei do Refis da crise: era R$ 62,6 bilhões antes do benefício criado pelo Congresso Nacional que beneficiou empresas afetadas pelas turbulências financeiras de 2008. Porém, esse desconto só será concedido pelo BC se os bancos negociarem o parcelamento do débito com a autoridade monetária.

A briga agora é que os bancos insistem em honrar as dívidas com a autoridade monetária com papéis do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS). Só que a procuradoria da instituição considera que esse papel é apenas um reconhecimento de dívida e não um título público que pode ser aceito para quitar os débitos. O parlamento tentou permitir essa possibilidade. Incluiu o dispositivo em uma lei, mas ele foi vetado pela presidente Dilma Rousseff.

Na prática, os bancos queriam que o BC aceitasse os papéis com o valor de mercado que representa, em média, 77% do valor do original. E normalmente, na liquidação desse papel, ele pode chegar a valer 130% do valor inicial. Os dois bancos - que participaram o Proer para serem recuperados nos anos 90 - estão em liquidação e têm, juntos, R$ 27,6 bilhões em FCVS. Na época do Proer, esses papéis foram dados em garantia aos empréstimos concedidos pelo BC, mas há um longo caminho para que esse direito seja reconhecido como dívida pública.

"O Banco Central não é escritório de devedor. O Banco Central é uma entidade pública e não aceita ativos incertos", diz o procurador-geral da instituição, Isaac Ferreira, que completou: "O Banco central não concederá um centavo a mais de desconto do que a Lei já concedeu", acrescentou.

Tanto o Econômico quanto o Nacional poderão fazer o que fez o Bamerindus: parcelar a dívida nos moldes do Refis, ou seja, dividir o passivo em 180 meses. A instituição tem pago as parcelas em dia e está adimplente com BC. No entanto, para voltar à ativa, o banco tem de cumprir um longo caminho que envolve estar quite com outras obrigações como trabalhistas e tributárias. O Banorte também está nesse parcelamento. Já o Mercantil quitou seus débitos à vista.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.