i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Dependência das gigantes tecnológicas

Três pontos para entender os riscos de uma vida intermediada pelas Big Techs

  • 18/01/2021 11:33
Big techs
Avanço da tecnologia deve aumentar a dependência das big techs, as gigantes da tecnologia.| Foto: AFP

No dia 14 de dezembro de 2020 os usuários de serviços de tecnologia experimentaram a prova mais recente da sua dependência das plataformas mundiais. Com os serviços do Google fora do ar, muitas pessoas e também empresas se viram impossibilitadas de realizar diversas atividades durante os 45 minutos de falha no sistema de autenticação de ferramentas como Gmail, Google Drive, YouTube e outros. O tempo de indisponibilidade foi curto, mas serviu para – mais uma vez – comprovar que as chamadas Big Techs podem manter o mundo todo refém no mercado superconcentrado em que atuam.

Na avaliação de especialistas ouvidos pela Gazeta do Povo, o cenário ainda pode piorar. Quanto mais a tecnologia avança (com a internet das coisas e o 5G, por exemplo), mais nossa vida é intermediada por uma ou mais gigantes globais de tecnologia e maiores são os riscos caso o sistema pare de funcionar – ainda que por poucas horas.

O especialista em tecnologia e inovação Arthur Igreja destaca que episódios de falhas ou instabilidades (mais ou menos pontuais) expõem a dependência da sociedade diante de empresas de tecnologia.

"É só nesses momentos em que [o serviço] para de funcionar que a gente se dá conta disso. O mesmo vale para WhatsApp, para todas essas ferramentas", pontuou. Igreja destaca ainda que essa dependência vai além do cotidiano das pessoas físicas. "As empresas ficam paralisadas e na pandemia, como todo mudo está trabalhando [de foma] mais digital, o impacto é ainda maior", diz.

1. Dependência crescente das Big Techs também nas empresas

Além de a tecnologia se tornar cada vez mais uma ferramenta de intermediação das atividades do dia a dia, com as comunicações realizadas amplamente de modo online e seu uso chegando às tarefas mais rotineiras, como acionar um interruptor, as Big Techs estendem seu alcance também às empresas.

Com um amplo leque de serviços oferecidos por essas gigantes globais, companhias se valem da praticidade e da pronta aplicabilidade das ferramentas – o que barateia os processos na comparação com seu desenvolvimento direcionado – e se colocam vulneráveis diante das possibilidades de falha.

Segundo o professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Vivaldo José Breternitz, um fenômeno atual que trará mais riscos é a migração dos serviços de processamento e da guarda de dados corporativos para a nuvem. "Tudo indica que esse processo em termos de empresas tende a se acelerar. E quem são os grandes provedores do serviço de nuvem? Amazon, Microsoft e outros desse porte. Nós passaríamos a depender cada vez mais dessas empresas", afirma.

Essa preocupação passa pela concentração de mercado, diz Arthur Igreja. "Sempre que ela existe, o risco é maior. Quando nós olhamos o mercado de buscadores, o Google é completamente dominante, é um monopólio. A questão primordial da Amazon é a AWS, de hospedagem [em nuvem]; sistemas operacionais de smartphone temos praticamente apenas Apple e Google", enumera.

Na avaliação de Igreja, esse cenário amplia a força dessas empresas para outras esferas. "Esse movimento das Big Techs censurando o [presidente dos EUA, Donald] Trump e outros conteúdos mostra a força que elas têm", acredita.

2. Mais poder e necessidade de regulação

Neste mês, Trump foi banido de redes sociais e o site Parler (um espécie de "Twitter dos conservadores"), retirado das plataformas de hospedagem, em iniciativas criticadas e apontadas como ameaças à liberdade de expressão. Para Igreja, na nova fronteira para o tema é uma avaliação efetiva sobre o alcance desse poderio.

"Ao longo da história, o que a gente aprendeu é que [a necessidade de regulação] é inevitável. O tema da tecnologia, da conectividade, da internet, nós temos que lembrar: parece que isso existe desde sempre, mas são temas novos em termos históricos, são temas jovens. A gente está aprendendo os limites, aprendendo o lado bom e o lado que não é tão bom. E quem deve estabelecer, demarcar essas linhas são os legisladores e a Justiça. O curioso é que nos últimos anos nós confiamos no bom senso das empresas de tecnologia e agora é exatamente isso que está em xeque", dispara.

Essa preocupação é compartilhada pelo professor do Mackenzie. "Existe uma série de iniciativas por aí que podem ajudar. Na Europa está funcionando muito bem a lei de proteção de dados. Nós tivemos implantada aqui [no Brasil] a LGPD recentemente. Na Europa, isso já está se consolidando e já está um bocado mais difícil para essas empresas fazerem o que elas quiserem conosco", avalia.

Mesmo com passos nesse sentido, Breternitz afirma que a opinião pública precisa estar alerta para o excesso de poder que essas empresas venham a ter, de forma que isso gere nos governos uma conscientização para construir leis que protejam a sociedade.

"A gente tem uma tendência a pensar que empresas desse porte vão ter um comportamento ético. Agora, a gente não pode esquecer algumas coisas. Por exemplo, na 2ª Guerra Mundial a IBM e a Kodak cooperaram com os nazistas até que os EUA entrassem na guerra. Business são business", resume.

3. A história que se repete

Apesar de o tema das Big Techs ser relativamente novo, o especialista Arthur Igreja reforça que movimentos como esse já foram tratados pela sociedade em diversos momentos anteriores.

"O mesmo aconteceu no mercado de telefonia, aconteceu com a Microsoft nos anos 1990, com os computadores que só vinham com o Windows. Na verdade isso é cíclico. Quando vem uma tecnologia nova, ela avança, avança, até que encontrar esses paradoxos e o mundo para para debater os limites. Acho que é muito natural o que a gente está passando", conclui.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    João Viggiani

    ± 0 minutos

    As Big Techs estão se colocando acima dos Estados e sua soberania. A liberdade por elas alardeada, passa por um momento de "liberdade condicional". Condicionada essa liberdade à comunhão com as "agendas progressistas". E mais, deram-se o direito de censura, sem sequer acusação provada e direito de defesa. "Peitam" as leis locais e internacionais, e se arvoram detentoras da verdade, com seus "fact checkers". Estão mais para "Big Brothers" do que para "paladinos da liberdade".

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      Andreas

      20/01/2021 8:36:56

      A matéria pontua a necessidade da existência das agências de monitoramento e controle das atividades econômicas. É um mecanismo necessário em todo organismo vivo, para ele se manter saudável e não adoecer pelos excessos ou pela falta, como a ciência já descobriu. Se estas agências puderem também ter sua regulamentação e função definidas tecnicamente, geridas tecnicamente de forma transparente e sob vigilância da imprensa e da população, pode-se chegar a um equilíbrio. Criatividade, fomento e controle.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      1 Respostas
      • G

        gilson r c de oliveira

        29/01/2021 16:48:20

        Claro em nenhum momento estas "agências" serão influenciadas pelas empresas que devem fiscalizar. Basta olhar pra Anatel literalmente a única preocupação dos caras é bajular as empresas nas quais irão pedir emprego depois de "fiscaliza-las" e insto não é muito melhor nos EUA.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

    • F

      Fernando Cavalcante

      19/01/2021 21:45:59

      Não há nada de "natural" no que estamos vivenciando, como diz um dos citados no texto. É preciso fortalecer outras empresas para competirem e substituir as atuais BigTechs, empresas fundadas solidamente em ética e valores ocidentais.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        Mauro Tapajós Santos

        19/01/2021 17:11:40

        Quem vigia os vigilantes?

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • D

          Danilo Bernardo dos Santos

          19/01/2021 12:52:05

          Ok, entendi os riscos. Mas as facilidades que as Big Techs proporcionam, não da nem para comparar. Sinceramente, não sei se o estado regulamentando isso as coisas melhoram.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          1 Respostas
          • P

            Pedro Silva

            19/01/2021 14:55:18

            Concordo contigo. Até porque regulacao da mídia sempre foi proposta de a esquerda.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        • C

          Carlos

          19/01/2021 12:47:16

          Necessidade de regulação e mais leis? Definitivamente contra.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            Jonsimar Tadeu Catapan

            19/01/2021 11:02:15

            O que o Prof. Igreja vê como "natural", eu vejo como preocupante! Principalmente porque já deu pra ver que não temos qualquer "plano B".

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • G

              Gabriel Raad

              19/01/2021 10:11:44

              Muito boa a materia

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • F

                Fernando Borges

                18/01/2021 15:48:14

                Se criássemos um parlamento com 5 membros, poderíamos de uma forma mais fácil corrompê-los. Um parlamento com 2000 membros, maior dificuldade seria unificar o discurso. A pluralidade dos pensamentos e linguagem de cada indivíduo garantem a melhor alocação das decisões em busca de uma verdade equilibrada. Com o Google e as outras empresas de conexão social a pluralidade foi quebrada e vem, gradativamente, sendo minada. São, possivelmente, as portadoras de uma felicidade química, portadoras de um estado de conforto e pseudodebate que trazem como consequência nossa entrada no mundo irracional do controle mundial unificado.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • P

                  Pedro Silva

                  18/01/2021 15:45:42

                  Matéria direcionada para tentativa de cultura do cancelamento contra as BigTechs. Quando estas apoiaram a campanha do Trump em uma massiva ofensiva contra os eleitores, a Gazeta não se pronunciou. Em cada matéria da Gazeta se vê que em 2021 há um ativismo maior do que em anosnanteriores

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  2 Respostas
                  • J

                    Jonsimar Tadeu Catapan

                    19/01/2021 11:09:03

                    Eu discordo um pouco. Vejo que o foco não é exatamente político, mas sim o ponto: "Poder absoluto sem qualquer tipo de controle ou limitação, é algo perigoso demais", principalmente se esse poder pertencer a uma entidade obscura, com alcance global e com interesses desconhecidos.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                  • L

                    LULA CACHACEIRO

                    18/01/2021 19:29:08

                    esquerdista sendo esquerdista... aceitam até genocídio como dos gulags, holodomor, se for a favor da turminha do bem... para eles, não é o ato que é ruim, mas "quem" o pratica.. se esta alinhado com a turminha, pode tudo ....

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                Fim dos comentários.