i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sustentabilidade

Brasil está perdendo o “vento da história”

  • Por
  • 22/11/2008 21:07

Dois anos de devastação

A crise econômica mundial levará sete ou oito anos para ser superada e, pelos próximos dois anos, terá efeito devastador sobre as políticas de sustentabilidade das empresas.

Leia matéria completa

Dono de um dos maiores potenciais hidráulicos do planeta, o Brasil nunca se preocupou em buscar alternativas às grandes hidrelétricas, que geram mais de 80% da eletricidade consumida. Mas, por questões ambientais e regulatórias, ultimamente o país tem abusado da energia "suja". Nos sete leilões realizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) desde 2004, cerca de 72% da energia negociada veio de fontes não-renováveis, com destaque para as arcaicas, caras e poluentes termelétricas a óleo combustível. Esse quadro pode começar a mudar se o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, conseguir levar adiante duas medidas que anunciou na sexta-feira, em Florianópolis.

A primeira é reduzir a níveis mínimos os impostos cobrados de fabricantes de equipamentos para geração de energia solar e eólica – quando Minc foi secretário no Rio de Janeiro, os tributos estaduais do setor foram diminuídos em 85%. "O Brasil é a terra do sol, do vento e da biomassa, mas estamos sujando nossa matriz energética com óleo combustível. Não estamos perdendo o trem, estamos perdendo o vento da história", disse o ministro. Minc avisou que a questão "está bem encaminhada" dentro do governo e que só precisa da aprovação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do Conselho Monetário Nacional (CMN).

A segunda providência – que segundo ele, já foi solicitada ao Ministério de Minas e Energia, à Empresa de Pesquisa Energética e à Aneel – é o recálculo das planilhas de termelétricas nos leilões de energia, já que distorções na metodologia estariam beneficiando as térmicas. Segundo o presidente do Instituto Acende Brasil, Cláudio Sales, essa distorção faz com que usinas a óleo combustível – que tem preço "real" de R$ 380 por megawatt-hora (MWh) gerado – fiquem mais competitivas que a energia eólica, que custa cerca de R$ 240.

Segundo Odilon Camargo, sócio-diretor da consultoria curitibana Camargo-Schubert – responsável pelo maior banco de dados do setor no país –, se o Brasil usasse apenas 20% de seu potencial, tiraria dos ventos 143 mil MW de potência, o equivalente a "dez Itaipus". "Apenas no Sul estão 22 mil MW desse potencial", disse. "Além disso, os cálculos foram feitos para torres de 50 metros de altura. As mais novas têm 100 metros, geralmente."

Exemplo disso são os Parques Eólicos de Osório (RS), inaugurados em 2006 ao custo de R$ 670 milhões. Eles usam aerogeradores ("cataventos") de 100 metros e, com 150 MW instalados, formam o maior complexo eólico da América Latina – a energia gerada pode abastecer metade do consumo de uma cidade do tamanho de Porto Alegre. O Paraná também gera energia eólica, mas em escala muito inferior, em Palmas (sul do estado). Mantidas pela Copel, as centrais de Palmas têm potência de apenas 2,5 MW. (FJ)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.