Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A construção civil fechou 25,8 mil vagas frente a contratação líquida de 25 mil trabalhadores em fevereiro do ano passado | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
A construção civil fechou 25,8 mil vagas frente a contratação líquida de 25 mil trabalhadores em fevereiro do ano passado| Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

O Brasil perdeu 2.415 vagas formais de trabalho no mês passado, no pior resultado para meses de fevereiro desde 1999, influenciado por elevadas demissões de trabalhadores no comércio e na construção civil, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira (18).

Paraná tem o segundo melhor saldo na geração de empregos

O Paraná teve o segundo melhor saldo na geração de empregos no mês de fevereiro, segundo o Caged, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego nesta quarta-feira (18).

Segundo os dados do ministério, o estado apresentou um saldo positivo de 8.574 postos de trabalho – com 132.532 admissões e 123.958 desligamentos no segundo mês do ano ante janeiro. Santa Catarina foi o estado com melhor resultado, gerando 12.108 novas vagas no mês.

Os números do Paraná estão inseridos em um contexto de bom desempenho na Região Sul, com saldo de geração de 23.902 postos de trabalho nos seus três estados (+0,32% na comparação com o mês de janeiro).

Lava Jato influenciou queda de vagas em fevereiro, diz ministro do Trabalho

Em fevereiro as demissões superaram as contratações em 25,8 mil no setor da construção civil, número que, segundo o ministro Manoel Dias, do Trabalho, foi influenciado pela Operação Lava Jato da Polícia Federal.

Segundo o ministro, a Lava Jato fez com que houvesse demissões em empresas que prestam serviços à Petrobras. “Neste primeiro momento, a Lava Jato influenciou na redução de emprego”, disse.

O impacto da Lava Jato no emprego tem sido mais forte no Rio de Janeiro e em Pernambuco, estados recordistas de demissão em fevereiro e onde a Petrobras tem forte presença. Mas as consequências de paralisação de obras devem ser sentidas em todo o país, afirmou Dias.

No Rio, foram desativadas 11,1 mil vagas de trabalho em fevereiro, sendo 4.043 na construção civil. Em Pernambuco, o saldo negativo foi de 10,6 mil vagas, 3.040 só na construção civil.

Dias espera que o mau resultado na construção civil em janeiro e fevereiro seja revertido a partir de março com novos contratos que estão sendo feitos.

Segundo o ministro, o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) tem orçamento de R$ 56 bilhões para construção de moradia para a baixa renda, o que tem potencial de gerar 545 mil postos de trabalho. De janeiro a 17 de março, foram liberados R$ 8,7 bilhões desses recursos, afirmou.

O dado mostra uma deterioração do mercado de trabalho mais acentuada do que a esperada por analistas ouvidos em pesquisa Reuters, que previam a abertura de 20 mil empregos no mês passado, ante a criação de 260,1 mil vagas em fevereiro de 2014.

As 5 tendências para freelancers em 2015

De construção a fotografia, plataforma que reúne mais de 14 milhões de autônomos aponta segmentos promissores para este ano

Leia a matéria completa

O mercado de trabalho, que foi um dos pilares do primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff, tem sentido os efeitos da economia estagnada, do aperto fiscal e monetário, da inflação alta e da perda de confiança na economia.

Lado positivo

O governo federal viu no fechamento de postos de fevereiro um número positivo por ser bem menor em comparação às 81,8 mil demissões líquidas registradas em janeiro. “Não foi um número excepcional porque não foi de crescimento. Mas houve estabilização (das demissões)”, disse o ministro do Trabalho, Manoel Dias, ao comentar o resultado de fevereiro.

O governo também acredita que o grande escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras e as principais empreiteiras do país possa estar influenciando o mercado de trabalho.

Dias disse que o governo está fazendo um levantamento sobre o impacto da operação “Lava Jato” no emprego e no movimento atual de demissões, considerando o efeito da Petrobras na economia.

“Haverá influência, claro, porque muitos dos contratos (da companhia) terão que ser renegociados e repactuados. Em certo ponto, isso vai pesar.”

Comércio e construção

O comércio registrou a demissão líquida de 30,4 mil trabalhadores em fevereiro ante admissão líquida de 19,3 mil pessoas em igual mês do ano passado.

A construção civil fechou 25,8 mil vagas frente a contratação líquida de 25 mil trabalhadores em fevereiro do ano passado.

No agronegócio, a agricultura registrou o fechamento de 9,5 mil vagas contra a criação de 6 mil postos em igual mês de 2014.

Outros segmentos

Mesmo os segmentos que contrataram no mês passado mostraram perda de força em relação a fevereiro de 2014.

A indústria da transformação admitiu em fevereiro 2 mil trabalhadores contra 52 mil contratações líquidas no mesmo do ano passado.

O setor serviços abriu 52,3 mil vagas no mês passado frente a criação de 143,3 mil postos na comparação anual.

Com a demissão líquida de trabalhadores, a taxa de desemprego já começou a subir. No trimestre encerrado em janeiro a taxa subiu a 6,8% diante do aumento da procura por trabalho 0,3 ponto percentual acima do verificado em três meses encerrados em dezembro, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.

Sobre resultados esperados para 2015, Dias disse que ainda não tem uma meta de geração de emprego para o ano e que espera que a economia reaja positivamente no próximos meses.

Menor demanda

O professor doutor da Universidade de São Paulo e pesquisador da Fundação de Pesquisa e Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia (Fundace/USP), Luciano Nakabashi, afirmou nesta quarta-feira, que o saldo negativo de 2.415 vagas formais de emprego apontado pelo Caged em fevereiro reflete a menor demanda e a queda nos investimentos no país.

“A situação era esperada, porque a economia vem devagar desde 2013 e, em algum momento, isso iria bater no emprego. Isso só não ocorria por conta das políticas de estímulos à demanda”, disse Nakabashi.

Segundo ele com a retirada dos “estímulos artificiais” de consumo pelo governo, setores como construção civil e comércio se retraíram e o impacto chegou ao emprego. O investimento para o consumidor são bens duráveis, como imóveis, e “esse cenário de retração na construção civil geralmente acontece em todas as recessões”, exemplificou.

Nakabashi considerou o fechamento de 25.823 vagas na construção civil em fevereiro mais impactante que a redução de 30.354 vagas do comércio, pelo fato de esse último setor ser o maior empregador da economia.

No entanto, segundo o professor da USP, os dados mostram que o comércio também sente a perda de empregos em outros setores e já esgotou a capacidade de absorver a mão de obra dispensada por esses segmentos, como ocorria no passado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]