i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
exportações brasileiras

Brasil tem, no semestre, 1º déficit comercial com a Argentina desde 2003

No semestre, déficit com o país vizinho foi de US$ 48 milhões, diz MDIC. "Quem quiser acesso ao Brasil, tem de garantir ao seu mercado", diz Barral.

  • PorG1/Globo.com
  • 01/07/2009 14:37

Com uma forte queda nas exportações brasileiras para a Argentina no primeiro semestre deste ano, o país vizinho passou a registrar, no período, um superávit comercial com o Brasil, algo que não acontecia desde 2003, informou nesta quarta-feira (1) o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

No primeiro semestre, o déficit comercial do Brasil com a Argentina somou US$ 48 milhões, segundo o MDIC. Nos seis primeiros meses de 2009, as exportações do Brasil para a Argentina recuaram 42%, para US$ 4,93 bilhões, enquanto as vendas argentinas para o Brasil toralizaram US$ 4,98 bilhões, com uma queda de 19,5% frente ao primeiro semestre de 2008. Deste modo, as importações argentinas recuaram menos da metade do registrado nas exportações do Brasil para o país vizinho.

Barreiras comerciais

Além da crise financeira internacional, que tem diminuído as vendas de produtos brasileiros para quase todos os mercado do mundo, a queda das exportações para a Argentina também está relacionada com o estabelecimento, no fim do ano passado, de licenças não automáticas para as importações.

Entre os principais setores brasileiros afetados por barreiras comerciais impostas pela Argentina estão: têxteis (queda de 44,7% nas exportações no semestre); Calçados (-26,7%), eletrodomésticos da linha branca (-42,3%), móveis (-50,2%) e embreagens (-4,2%).

Situação 'preocupante'

"A situação das barreiras com a Argentina é preocupante. O Brasil tem interesse no desenvolvimento harmônico, mas qualquer parceiro comercial que queira acesso ao mercado brasileiro deve garantir acesso ao seu mercado em bases recíprocas. Sobre retaliação, eu não tenho nada a declarar", disse o secretário de Comércio Exterior do MDIC, Welber Barral.

Segundo o secretário, qualquer decisão no que se refere ao comércio com os parceiros do Mercosul não será tomada de "afogadilho" e acontecerá em "alto nível", ou seja, será tomada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), fórum que reúne ministros de estado.

Entretanto, Barral acrescentou que o déficit comercial de US$ 48 milhões registrado com a Argentina no primeiro semestre deste ano é "pequeno." "O Brasil não tem obsessão em ter superávit com todos os parceiros comerciais", afirmou.

China ultrapassa Estados Unidos

Enquanto a Argentina passou a registrar superávit com o Brasil, os Estados Unidos perderem o posto de principal comprador dos produtos brasileiros no primeiro semestre deste ano. As vendas externas para a China somaram US$ 10,45 bilhões, enquanto os Estados Unidos compraram US$ 7,23 bilhões no mesmo período. "As exportações tem aumentado como um todo para a Ásia. Vamos ter um saldo importante com a China", disse Barral, do MDIC.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.