i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
zona do euro

Brasileira que analisa dívida da Grécia aponta indícios de ilegalidade

Ex-auditora da Receita Federal compôs comissão que mostrou transferência de ativos tóxicos entre bancos privados e países europeus

    • Folhapress
    • 20/08/2015 20:10
    O premiê da Grécia, Alexis Tsipras, renunciou nesta quinta-feira e convocou eleições antecipadas | Alkis  Konstantinidis/Reuters
    O premiê da Grécia, Alexis Tsipras, renunciou nesta quinta-feira e convocou eleições antecipadas| Foto: Alkis Konstantinidis/Reuters

    Afundada em uma das piores crises econômicas de sua história, a Grécia chamou uma brasileira para analisar a dívida pública do país. Maria Lúcia Fattorelli é especialista em administração tributária pela FGV e trabalhou como auditora da Receita Federal por quase 30 anos.

    O convite veio em abril, quando a presidente do Parlamento grego, Zoe Konstantopoulou, constituiu uma comissão – comandada pelo cientista político belga Éric Toussaint – para auditar a dívida grega.

    Fattorelli foi escolhida para o grupo por sua experiência na coordenação da associação de voluntários Auditoria Cidadã da Dívida, que analisa a dívida brasileira, externa e interna, em todos os seus níveis (federal, estadual e municipal).

    Presente para grego

    No caso da Grécia, a comissão apresentou um relatório preliminar em junho. Foram analisadas as dívidas contraídas a partir de 2010 – auge da crise financeira iniciada em 2007 –, quando teve início a interferência da troika (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia) no país.

    ETAPAS DA AUDITORIA

    O trabalho de auditoria da dívida pública é dividido em três etapas, segundo Maria Lúcia Fattorelli.

    A primeira tem como objetivo reunir e expor os números relativos ao montante da dívida contraída, ao quanto já foi pago em títulos e amortizações e aos fatores que influenciaram no seu crescimento. Depois, são analisados os documentos que dão base a esses empréstimos, verificando se todos os processos e as exigências legais foram respeitados. Por fim, um relatório é produzido com o diagnóstico da situação.

    “O relatório de auditoria não é um texto de opinião. Tudo o que escrevemos ali tem que estar respaldado em documentos”, diz Fattorelli, que, no entanto, enfatiza que a comissão de auditoria não tem nenhum poder de decisão sobre os passos a serem dados pelo governo depois.

    Segundo Fattorelli, um dos principais problemas encontrados pela auditoria foi a geração de dívida pública por meio da transferência de ativos tóxicos – ou seja, de títulos desmaterializados, normalmente não admitidos para comercialização em Bolsas de Valores, cuja tendência é a desvalorização contínua – de bancos privados para países europeus.

    Essas transações ocorreram em 2010 por meio da compra e troca de títulos pelo BCE (Banco Central Europeu) e em 2012 pelo Fundo Europeu de Estabilização Financeira (em inglês, European Financial Stability Facility - EFSF), criado por imposição do FMI em 2010, que tem os países europeus como acionários e garantidores.

    Assim, os “pacotes de resgate” ofertados à Grécia, principalmente pelo EFSF, consistiriam não em dinheiro passível de investimento na economia, mas na transferência desses ativos tóxicos.

    Esses títulos, por sua vez, passavam pelo Banco Central grego, que registrava a dívida pública, e em seguida eram entregues a um fundo privado criado na Grécia também por imposição do FMI – denominado HFSF (Hellenic Financial Stability Fund) – que os utilizou para comprar papéis sem lastro emitidos por bancos privados gregos.

    Ao final, de acordo com a auditora, o governo grego ficou com esses papéis podres, sem lastro, e os bancos privados com os papéis advindos do EFSF, que detinham as garantias dos países europeus.

    EQUADOR

    Pouco conhecido, o trabalho de auditoria de dívidas públicas já foi feito por uma comissão, da qual também participou Fattorelli, no Equador entre 2007 e 2008.

    As conclusões do relatório final dos auditores fizeram o então recém-eleito presidente Rafael Correa suspender parte do pagamento de dívidas do país que venceriam em 2008, após a comprovação de que algumas delas provinham de fraudes e ilegalidades.

    “Encontramos simples notas promissórias, sem contrato, para a contração de dívidas. Suspeitamos que eram dívidas para financiar gastos da ditadura militar -há uma definição jurídica para isso, dívidas ‘odiosas’, que vão contra o interesse da população”, disse Fattorelli sobre a experiência.

    Segundo ela, a atitude do presidente Correa de suspender a dívida permitiu o aumento dos investimentos públicos nas áreas de educação, saúde e infraestrutura. No ano passado, o país cresceu 4,9% (o Brasil cresceu 0,1% e a Grécia retraiu 0,2%).

    Reembolso

    Apesar de não ter recebido reais recurso financeiros, segundo os auditores, o governo grego hoje precisa reembolsar tais “dívidas” com recursos efetivos, por meio de cortes de despesas sociais e de investimentos públicos e pela privatização de bens públicos.

    Também estão sendo averiguadas, segundo a auditora, denúncias de que o déficit orçamentário do país foi superestimado – a justificativa para a interferência da troika na Grécia em 2010.

    “É claro que governos gregos anteriores também cometeram erros de gestão financeira, mas esses erros não justificam a validação de uma dívida gerada indevidamente, com fortes indícios de ilegalidade e ilegitimidade”, diz Fattorelli.

    Futuro

    Segundo a auditoria, a aceitação pelo governo grego de um novo plano de resgate da União Europeia, após plebiscito no dia 5 de julho rejeitar uma proposta de socorro financeiro dos credores internacionais, foi “lastimável”.

    “O acordo só fará agravar a já complicadíssima situação da economia grega, aprofundando ainda mais a crise humanitária. Ele é insustentável, e em pouco tempo haverá outra crise ainda mais difícil.”

    De acordo com ela, a renúncia do premiê grego, Alexis Tsipras, anunciada nesta quinta (20), é decorrente da perda de sua legitimidade frente ao próprio partido, o Syriza, e também à sociedade grega, após essa decisão.

    O relatório final de auditoria da dívida grega tem previsão de divulgação para setembro de 2016.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.