Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

frugalidade

Brasileiros adotam hábitos mais econômicos de consumo durante a crise

Pesquisa de preço e busca por promoções entraram no radar dos consumidores nos dois últimos anos

  • Jéssica Sant’Ana
 
0 COMENTE! [0]
TOPO
Rafaela Pedroso mudou os hábitos de consumo após a crise e criou um grupo para “caça” a promoções | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Rafaela Pedroso mudou os hábitos de consumo após a crise e criou um grupo para “caça” a promoções Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Depois de anos comprando sempre as mesmas marcas de produtos de limpeza, a empresária e atriz Rafaela Pedroso resolveu testar novas opções. Ela substituiu os tradicionais rótulos de sabão em pó e amaciante por produtos similares mais baratos. Também passou a comprar frutas, verduras e itens de padaria direto do fornecedor. E trocou a empregada doméstica por uma diarista.

Mesmo sem ter sido atingida diretamente pela recessão, as novas práticas incorporadas por Rafaela no último ano são um efeito da crise. E ela não está sozinha. Pesquisas mostram que, durante períodos turbulentos na economia, famílias criam hábitos mais frugais de consumo. O fenômeno aconteceu nos Estados Unidos após a crise financeira internacional de 2008 e já vem sendo observado no Brasil nos dois últimos anos.

Segundo dados da pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira, realizada pelo Ibope em junho e divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), 93% dos brasileiros passaram a pesquisar mais os preços antes de comprar, 80% buscaram lugares de compra mais baratos e 78% trocaram produtos mais caros por similares mais acessíveis.

O levantamento também mostra que, entre os entrevistados, 78% afirmam estar poupando mais para caso de necessidade e 58% já alteraram seus hábitos de consumo. Por exemplo, 80% dos brasileiros esperam por promoções para comprar bens de maior valor e 68% adiaram a aquisição de itens como carros, móveis, eletrônicos e eletrodomésticos.

Para Tracy Francis, consultora da McKinsey, os novos hábitos de consumo são inéditos no país. “Em 2002 e 2003, apesar do baixo crescimento da economia, o pessoal falava que ia gastar tudo [a renda familiar], que não iria poupar.” Ela destaca que o pagamento de dívidas e a poupança entraram pela primeira vez como prioridades principais para os brasileiros.

Os indicadores que explicam essa transição para hábitos mais frugais de consumo são a alta da inflação e o medo do desemprego, que minaram a confiança dos brasileiros no último ano. Depois de uma década de explosão do consumo, com 35 milhões de pessoas entrando para a classe média, a inflação voltou a casa de dois dígitos em 2015, o desemprego chegou a 11,3% em junho deste ano e a renda total dos brasileiros encolheu quase 5% nos últimos 12 meses.

O efeito dos números aparece no dia a dias dos brasileiros. “Economia virou tema de conversa”, afirma Rafaela Pedroso. Casada e mãe de dois filhos, uma menina de 14 anos e um menino de 6, caçar promoções virou rotina na vida da empresária e de seus conhecidos. O hábito, inclusive, motivou Rafaela a criar um grupo no Facebook dedicado a divulgar promoções em supermercados de Curitiba. Já são mais de mil pessoas colaborando.

Empresas reduzem custos para ganhar competitividade

Se a crise despertou hábitos mais frugais de consumo nos brasileiros, o mesmo efeito aconteceu nas empresas. Estudo da consultoria PwC Brasil mostra que, enquanto algumas organizações estão esperando para ver o que acontece com a economia, outras decidiram tomar algumas medidas.

A racionalização dos custos, a otimização dos investimentos, a renovação do portfólio de produtos e a identificação de propostas de valor que levem os consumidores a voltar a gastar estão entre as ações mencionadas.

A pizzaria Vila Prudente, de Curitiba, é um exemplo. Para reduzir os custos, o proprietário Paulo Liblik colocou lâmpadas LED no interior do imóvel e na fachada. Ele também instalou um forno misto, que funciona ao mesmo tempo a lenha e gás natural.

“O gás é para estabelecer a temperatura ideal e evitar desperdício. Assim coloco só um pouco de lenha para dar aquele defumado na pizza”, explica Liblik. O forno misto permite que o empresário compre menos lenha, trabalhe sem estoque de madeira e diminuía os gastos com frete.

A Ecovia, concessionária que administra a BR-277, reduziu o consumo de energia quase 12% de 2015 para 2016 ao instalar lâmpadas LED. A empresa também passou a fazer o descolamento dos funcionários de forma compartilhada, através do fretamento de ônibus e vans executivas.

Já a Brazil Bonito, também de Curitiba, resolveu economizar nas formas de pagamento oferecidas aos clientes. Segundo Rafaela Pedroso, sócia da marca de moda praia e fitness, o desconto que era oferecido para clientes que compravam à vista foi retirado e a empresa passou a aceitar cheque somente de clientes antigos para se precaver de possíveis calotes.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE