Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Segurança digital

Brasileiros devem reiniciar seus roteadores para conter vírus, alerta Ministério Público

Mais de 500 mil roteadores já foram infectados. O mesmo alerta foi dado pelo FBI aos usuários norte-americanos

  • Infomoney, com informações da Redação
Roteador ligado. | Negative Space/Pexels
Roteador ligado. Negative Space/Pexels
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) emitiu um alerta de que roteadores de internet usados no Brasil em pequenas empresas e em casas podem estar infectados pelo VPNFilter, uma espécie de vírus de origem supostamente russa. Para mitigar seus efeitos, o MPDFT pede que os proprietários reiniciem os aparelhos. Isso interromperia temporariamente a sua atuação e pode ajudar na identificação potencial de roteadores infectados.

O Ministério recomenda, ainda, a desativação das configurações de gerenciamento remoto e o uso de senhas fortes. Também é importante atualizar o software do roteador. De acordo com o Talos, grupo de inteligência da Cisco, roteadores das seguintes marcas podem ser afetados: Asus, Cisco, D-Link, Huawei, Linksys, MikroTik, Netgear, TP-Link, Ubiquiti, UPVEL e ZTE. O grupo estima que, até o final de maio, 500 mil roteadores já haviam sido infectados pelo VPNFilter.

As orientações e a preocupação do órgão brasileiro repercutem às do FBI. No último dia 25 de maio, o FBI também emitiu um alerta a respeito do VPNFilter para os cidadãos norte-americanos.

O site especializado Ars Technica explica por que a reinicialização é suficiente para conter o vírus. Ele atua em três estágios; dois deles não resistem à reinicialização e são apagados do software do roteador. O terceiro, embora seja persistente à reinicialização, precisa se conectar a um domínio na internet para restabelecer as funcionalidades do vírus. Esse domínio foi tirado do ar, uma ação suficiente para neutralizar a atuação do VPNFilter.

Investigações em curso

Desde setembro de 2017, o MPDFT investiga fraudes bancárias, como estelionatos e furtos, cometidos com o auxílio de roteadores infectados e vem trabalhando em parceria com a Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos da Polícia Civil. A investigação corre em sigilo.

O alerta do FBI é sem precedentes e seria o resultado de investigações que ligam o VPNFilter a hackers russos. Os aparelhos infectados podem ser usados para a coleta de dados que trafegam pela rede, podem bloquear o tráfego de internet e direcionar os usuários para sites falsos de instituições bancárias e de e-commerce com o objetivo de cometer fraudes. Além disso, também podem ser usados para ataques coordenados a alvos específicos.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE