i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Novos protestos

Caminhoneiros bloqueiam 20 pontos de estradas do Paraná

Apesar de previsão de líderes do movimento de atingir 80 piquetes no estado, polícias rodoviárias registram cerca de 20 interdições a caminhões durante a segunda-feira

  • PorPatricia Pereira, Emanoelle Beltran e Antonio Senkovski
  • 30/07/2012 07:07

Caminhoneiros do Paraná continuam as manifestações por meio de bloqueios – apenas de veículos de cargas – nas rodovias do estado na tarde desta segunda-feira (30). Inicialmente a previsão do Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), que lidera o movimento, era de atingir a marca de 80 bloqueios. Às 16h30, cerca de 20 piquetes estão em andamento em estradas estaduais e federais do Paraná.

Na noite desta segunda-feira, a rodovia PR-170, perto do quilômetro 430, no sentido Guarapuava-Pinhão, registra manifestos dos caminhoneiros. No entroncamento da PR-180 com a PR-281 – quilômetro 455 – em Dois Vizinhos, bloqueios a caminhões também ocorrem. Na PR-082, no quilômetro 235, sentido Cianorte-Engenheiro Beltrão há bloqueios de transportadores de carga. O quilômetro 55 da PR-468, no trecho de Moreira Sales, também foi bloqueado, assim como o quilômetro 11 da PR-483 e o quilômetro 177 da PR-466, em Pitanga.

Ainda nas rodovias estaduais, a PR-493 foi interditada para caminhões no quilômetro 47, entre Verê e Itapejara D`Oeste, assim como a PR-323, no quilômetro 303, em Umuarama. Em Francisco Beltrão, a PR-180, quilômetro 471 e 580 possui restrições no trânsito.

A PR-218, no quilômetro 250, em Astorga, também foi bloqueada para caminhões, de acordo com a PRE. Os caminhoneiros ainda fazem protestos na PR-471, no quilômetro 222, em Nova Prata do Iguaçu. Em Realeza, na região Sudoeste do estado, a PR-182 foi bloqueada no quilômetro 458 às 8h40. No fim da tarde desta segunda, o tráfego de caminhões está impedido na altura do Posto Stop, na saída para Cascavel, segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE).

Entre as rodovias federais, dos bloqueios que foram iniciados pela manhã apenas entre Pérola do Oeste e Barracão, na BR-163, ainda há bloqueios. Durante o dia, manifestações foram registradas na BR-277, no quilômetro 670, em Medianeira, e na BR-476, no quilômetro 80, em Toledo. As estradas federais começaram a ser bloqueadas às 4h, conforme informou a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Nas estradas estaduais às 19h30 algumas manifestações já tinham sido encerradas. No quilômetro 288, na PR-151, em Castro, o trânsito flui normalmente depois de veículos chegarem a transitar pelo acostamento durante a manhã. A rodovia PR-323, que liga Maringá a Umuarama, teve a interdição interrompida no quilômetro 303 para veículos de carga, na cidade de Cruzeiro às 17h30. Em Medianeira, no quilômetro 40 da PR-495 a liberação aconteceu no mesmo horário. Em Goioerê, a interrupção do tráfego de cargas, no quilômetro 55, da PR-495, no entroncamento com a BR-272, também terminou.

De acordo com o líder do MUBC no Paraná, Neri Leobet, os trabalhadores devem se reunir com o Ministério dos Transportes nesta terça-feira (31) para discutir impasse. Os manifestantes afirmam que a situação pode complicar durante a semana. "A rodovia segue bloqueada hoje [segunda-feira] por tempo indeterminado, mas apenas para caminhões, se até amanhã não tivermos nenhuma posição por parte do governo, vamos apelar para a total interdição das pistas, nenhum veículo poderá trafegar", ressaltou o caminhoneiro Márcio Salkenbach, que protesta na BR-277.

A Polícia Rodoviária Federal acompanhou o trecho paralisado da BR-277 para controlar a movimentação, que segundo os policiais ocorreu pacificamente, sem qualquer tumulto. Os caminhões ficaram estacionados nos acostamentos e também pátios de empresas e postos de combustíveis próximos. Motoristas que não quiseram aderir à greve, segundo a PRF, neste ponto, não são obrigados a parar.

Reivindicações

A mobilização é uma reação a pontos da chamada Lei do Caminhoneiro – em vigor desde junho deste ano – que limitou a jornada de trabalho a 10 horas para os contratados e a 12 horas para os autônomos. Outra exigência são intervalos de 30 minutos a cada 4 horas trabalhadas e um repouso ininterrupto de 11 horas a cada 24 horas. Os caminhoneiros querem a suspensão da lei até que sejam construídos "pontos de paradas", onde os veículos possam permanecer em segurança.

A categoria também contesta pontos da Resolução 3658, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que acaba com a carta-frete e a informalidade na discriminação de custos da contratação de autônomos por parte das transportadoras. Os trabalhadores pedem a suspensão temporária da norma, até que o sistema eletrônico de pagamento seja estruturado.

Os caminhoneiros também reivindicam pontos que garantiriam mais segurança nas estradas. Dentro as solicitações, estão a criação do Fórum Nacional do Transporte, a suspensão imediata da fabricação dos bitrens (composições rodoviárias com nove eixos), aprovação do estatuto dos motoristas, e criação em todo o país de delegacias especializadas em combater roubos de cargas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.