i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
redes sociais

Caráter globalizado contribuiu para expansão

  • PorAgência Estado
  • 19/07/2009 21:10

São Paulo - O Facebook é a primeira rede social global. Nunca um site de relacionamentos liderou em tantos países. Reino Unido, Ar­­gentina, EUA, Espanha, Chile, França, África do Sul, Colôm­bia, Itália... O serviço desbancou os líderes e hoje é preferência de 30% dos internautas mun­­diais. Ao mesmo tempo, mesmo tão globalizado, é um fe­­nômeno local.

Como? Os responsáveis por espalhar o Facebook pelo mundo foram norte-americanos e ingleses, afirma o diretor para a América Latina da ComScore, Alex Benks. Estes últimos, in­­clusive, foram os primeiros a adotar a rede como a principal. "A partir daí, se espalhou. Um brasileiro não adicionava um amigo dos EUA no Orkut. En­­trava no Facebook." Por esse ca­­ráter internacional, o Facebook virou antes a maior rede social do mundo para depois liderar nos EUA.

Uma vez que um estrangeiro entrava na rede, se gostasse, também convidava os amigos do seu país. "E um amigo convida outro. Assim se forma o efeito de rede", diz Nancy Baym, pes­­quisadora da Universidade do Kansas. "Quando as pessoas se cansam da rede anterior, pro­­curam outra com novidades. E o Facebook tem várias. Se mais pessoas entrarem, cria-se massa crítica e as pessoas mi­­gram."

O fato de o fenômeno ser mun­­dial ajuda muito nisso. "As pessoas veem na mídia que o Fa­­cebook virou líder em tal país e querem experimentar, ampliando o movimento", ex­­plica o analista de internet do Ibope Nielsen Online José Ca­­la­­zans.

Outro ponto que ajudou foi o fato de o Facebook ser traduzido pelos próprios internautas no exterior. "Isso faz os usuários se engajarem, recomendarem aos amigos", explica Justin Smith, do blog www.insideface­book.com.

Por fim, tudo culmina numa rede... local. "O Facebook, com as regras de privacidade, não fa­­­­­­­vorece contato entre estranhos. As pessoas adicionam quem conhecem. E esses amigos acabam sendo do mesmo país", explica a pesquisadora da PUC de Pelotas, Raquel Recuero.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.