Os robozinhos estão chegando. No mesmo dia, a quinta-feira passada, duas companhias anunciaram os primeiros lançamentos no Brasil de smartphones equipados com o Android, sistema operacional desenvolvido pelo Google para uso em aparelhos portáteis. Primeiro foi a taiwanesa HTC – empresa que mais tem modelos baseados em Android –, que fez uma entrevista coletiva para anunciar o Magic, que estará à venda na segunda semana de outubro. Depois foi a Samsung, cujo Galaxy pode chegar às lojas ainda este mês.

O Magic brasileiro será diferente do modelo lançado em fevereiro na Europa, e que foi apelidado também de G2 (por ser uma evolução do G1, nome dado pela operadora T-Mobile ao aparelho pioneiro na utilização do Android). O aparelho terá a interface Sense, lançada no início deste mês com o modelo HTC Hero, e que está centrado na experiência do usuário, agregando para isso inclusive o acesso a redes sociais. Facebook, Flickr e Twitter estão no cardápio do aparelho. O Orkut, apesar da popularidade entre os brasileiros e do fato de ser, como o Android, uma ferramenta Google, ficou de fora. Ele pode ser acessado pela internet, como outros sites, mas não tem um aplicativo para acesso direto. "Trabalhamos com a plataforma global, que inclui Facebook e Flickr", explicou Rodrigo Byrro, diretor de negócios da HTC Brasil.

Essa integração é uma das coisas mais interessantes do aparelho. Quando o usuário escolhe, por exemplo, acessar os álguns de fotos listados no aparelho, ele apresenta não só aqueles que estão armazenados na memória do smartphone, mas também recorre àqueles que estão na rede – as galerias do usuário no Flickr e no Facebook, especificamente. Ou seja: o Magic já vem bem integrado à nuvem, como convém a um equipamento dotado de um cérebro Google.

É claro que isso vai demandar um bom acesso a rede de dados, e isso traz um problema ao usuário, já que os planos de dados 3G das operadoras costumam ser caros. "O que podemos fazer é trabalhar com os nossos parceiros, que são as operadoras, para que elas ofereçam planos de dados ilimitados", observou o diretor-regional da HTC América Latina, Juan Ortiz. De todo modo, o Magic também tem suporte a redes wi-fi.

A manipulação touchscreen do Magic é bastante intuitiva. A interface tem sete telas personlizáveis, com aplicativos que vão desde as novidades das redes sociais até um quadro com preços de ações. Navegando na internet, o aparelho tem suporte para animações em flash. O Magic conta ainda com câmera de 3.2 megapixels.

Ortiz disse que a empresa já tem acordos com operadoras e com redes de varejo para a venda do Magic, mas não poderia revelar quais eram, nem o preço do aparelho. Nos Estados Unidos, a loja on-line Amazon vendia o Magic na sexta-feira por US$ 479,99, desbloqueado. A operadora TIM enviou comunicado ainda na semana passada avisando que estava colocando o Magic e o Samsung Galaxy.

O Galaxy é a primeira experiência da Samsung no ambiente Android. Vem com tela de 3,2 polegadas (mesma dimensão do HTC Magic) e câmera de 5 megapixels. Também conta com suporte a 3G e wi-fi – nada mais do que uma necessidade para um smartphone.

Embora a penetração maior dos smartphones seja no segmento corporativo, o mais provável é que tanto HTC quanto Samsung mirem no usuário individual em seu primeiro momento. Ortiz, da HTC, definiu o seu aparelho como misto, podendo atender tanto ao executivo quanto ao entusiasta de gadgets. "Nós acreditamos que o executivo também tem férias e fim de semana, também usa o Facebook", arriscou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]