i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Lição de casa

Diplomata explica o que o Brasil precisa fazer para dar salto em negócios com a China

  • 07/02/2020 18:35
Diplomata do Brasil em Pequim, Celso de Tarso Pereira, fala sobre a relação Brasil-China.
Diplomata do Brasil em Pequim, Celso de Tarso Pereira, fala sobre a relação Brasil-China.| Foto: Maria Isabel M. Ritzmann/IAP

Uma reforma tributária “para ontem” e avanços na desburocratização são alguns dos passos necessários para o Brasil se beneficiar da guerra comercial entre Estados Unidos e China. O diplomata brasileiro em Pequim, Celso de Tarso Pereira, acredita também ser importante diversificar a produtividade brasileira. “Tem a ver com educação e preparação da nossa força laboral. Nós precisamos melhorar muito”, afirma.

O Brasil tem um superávit com a China de US$ 30 bilhões, mas a crise entre EUA e o país asiático causa instabilidade no mundo inteiro. Para Tatiana Prazeres, professora na Universidade de Negócios Internacionais em Pequim e colunista da Folha de São Paulo, “a relação entre Estados Unidos e China será a relação da próxima década”. Além disso, a professora ressalta a interdependência dos países.

A China é o principal parceiro importador e exportador do Brasil, movimentando um total de US$ 100 bilhões. "Os números falam por si mesmos. Em 15 anos, entre 2004 e 2019, o comércio passou de US$ 9 bilhões para US$ 99 bilhões. Isso nas duas direções, Brasil–China”, diz Pereira. A relação comercial está concentrada na exportação de produtos como soja, minério de ferro, petróleo, celulose e carnes.

Para o diplomata, a China está pronta para comprar o que o Brasil oferecer, mas é preciso dar um salto na oferta de produtos com valor agregado, como carros e computadores. “A luz da guerra comercial com os EUA é preciso ter outros parceiros confiáveis e o Brasil pode crescer muito com isso, mas de maneira sustentável”.

Missões governamentais buscam negócios com a China

“A gente vê em Pequim missões empresariais de todo tipo, fintechs, startups, primeiro aprendendo com a China e depois buscando realizar algum negócio lá ou no Brasil. A China é um grande investidor aqui, então é um ciclo virtuoso”, diz Pereira. Além dos empresários a quantidade de missões do governo, desde presidentes, ministros, governadores e prefeitos, aumentou, segundo ele.

Como diversificar os negócios

“Exportamos commodities, isso é bom para o Brasil, e elas já têm um grande percentual de valor agregado e tecnologia, agricultura não é só pôr no saco e mandar. Tem muita tecnologia nas carnes processadas, por exemplo”, afirma o diplomata.

Melhorar o sistema produtor exportador brasileiro é um dos passos. “Porque para sair de commodities para outros tipos de bens e serviços, tem de ser uma iniciativa brasileira. Os entraves são nossos e são os de sempre. Como o sistema tributário, carga tributária onerosa”.

Pereira ressalta que na China vale o ditado “não importa a cor do gato, o que importa é que ele pegue o rato, ou seja, não importa o tipo de empresa, desde que ela funcione”. E o Brasil precisa manter a rota de negócios com os Estados Unidos, assim como a União Europeia, e a Ásia como um todo. “O Brasil tem que se abrir para esses pólos e se engajar de verdade”, diz.

Nova Guerra Fria?

Tatiana Prazeres vê com alguma resistência essa comparação entre a atual guerra comercial entre americanos e chineses com a Guerra Fria, que dividiu americanos e soviéticos. A professora afirma que a diferença está basicamente em três pontos: a rivalidade atual é essencialmente econômica e tecnológica – a China e os Estados Unidos são muito interdependentes e a China não está interessada em exportar seu modelo político.

Apesar de achar que não é uma guerra fria, ela acredita que há um descolamento na área tecnológica. Já que a maior preocupação dos Estados Unidos é evitar a exposição do país e retardar o desenvolvimento chinês. O risco desse duelo é a intensificação do sentimento de sinofobia, preconceito contra os chineses

Celso de Tarso Pereira e Tatiana Prazeres participaram do evento “Um mundo sino cêntrico? Aspectos políticos, econômicos e jurídicos da nova China”, realizado no Instituto dos Advogados do Paraná, na última quinta-feira (6), em Curitiba.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Maquiavel

    ± 11 horas

    Poderíamos começar importando sopa de cobra com morcegos...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DIVA CLEIA DE OLIVEIRA

    ± 13 horas

    Todos já conhecemos a lição de casa,precisamos de pragmatismo, menos burocracia, o Brasil já perdeu muito com a crise e continua perdendo se os nossos governantes não agirem rapidamente com diplomacia,transparência e êxito em acordos bilaterais.Claro,sou apenas uma cidadã simples, que pago duramente os meus impostos;mas posso e devo em poucas palavras resumir que precisamos estar prontos para entender a nossa crise comercial e ajudar nossos jovens e governantes a impulsionar para um pensamento de Ação e Progresso.Precisamos agir e reagir,sempre com sabedoria e não destruição,Usemos nossa capacidade intelectual para desenvolver cada vez mais diversidade em educação,saúde,infraestrutura,etc.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.